24 de out de 2008

Guia Essencial da Bruxa Solitária

Eis aqui uma introdução positiva e prática à religião da Wicca*. Scott Cunningham apresenta a Wicca como ela é hoje - uma religião suave e voltada à Terra, dedicada à Deusa e ao Deus. Este livro preenche a necessidade de um guia para a Wicca Solitária – uma necessidade jamais antes preenchida por outro livro. Wicca é um livro sobre a vida e como viver mágica, espiritual e
completamente em sintonia com a Natureza. É um livro sobre senso e bom senso, não apenas voltado à Magia, mas sobre religião e um dos mais delicados tópicos da atualidade: como atingir a tão necessária e integral relação com nossa Terra. Wicca é uma introdução prática e positiva à religião da Wicca, elaborado de modo que qualquer pessoa interessada possa aprender
a praticar a religião "só, em qualquer ponto do Mundo". Apresenta a Wicca de modo honesto e claro. Mostra a Wicca como uma parte vital e satisfatória da vida no século XX. A grande maioria dos livros sobre Wicca são voltados à prática em grupo. Estórias sobre encontros de covens e dinâmicas de grupo mágicas são encontradas em profusão em tais livros. O problema é que a maioria das pessoas que desejam aprender esta religião não compartilham tais interesses com outros. Pode ser que não conheçam outros Wiccanos num raio de trezentas milhas. Assim, ao
ler outros livros, ou eles são levados a crer que não é possível ser Wiccano sozinho - ou são forçados a adaptar os rituais publicados para uso individual. Além disso, muitos livros Wiccanos foram escritos com base em pontos de vista limitados, cada autor clamando ser a sua forma particular de Wicca a única certa. Guia Essencial para a Bruxa Solitária rompe com esses padrões.
Apresenta os aspectos teóricos e práticos da Wicca de uma perspectiva individual. O capítulo sobre o Livro das Sombras das Pedras Erguidas (aqui impresso na íntegra) contém rituais solitários
para os Esbats e para os Sabbats. Este livro, baseado nas quase duas décadas de prática Wiccana por parte do autor, apresenta um quadro eclético de vários aspectos desta religião. Exercícios criados para desenvolver a proficiência em magia, um ritual de autodedicação, magia de ervas, rúnica e de cristais, e receitas para os festivais dos Sabbats foram incluídos neste livro excelente.

Sobre a Série I.Lewellyn de Magia Prática

para algumas pessoas, a idéia de que a "magia" seja uma coisa prática é surpreendente. Não deveria ser. A Magia se baseia inteiramente na capacidade de exercer influência sobre nosso meio. Enquanto a magia é, altamente, voltada ao crescimento espiritual e à transformação psicológica, até mesmo a vida espiritual deve estar firmemente baseada em alicerces materiais. Os mundos material e psíquico estão entrelaçados, e é exatamente este fato que estabelece o Elo Mágico: o psíquico pode tão facilmente influenciar o material quanto vice-versa. A magia pode, e deveria, ser utilizada em nossa rotina para obtermos uma vida melhor! Cada um de nós recebeu Mente e Corpo, e certamente temos uma obrigação Espiritual de usar completamente esses maravilhosos dons. Mente e Corpo atuam em conjunto, e a Magia é apenas a extensão dessa interação em
dimensões que ultrapassam os limites normalmente concebidos. Eis o porquê de associarmos o "sobrenatural" aos domínios da Magia. O Corpo é vivo, e toda Vida é uma expressão do Divino. Há Poder Divino no Corpo e na Terra, assim como na Mente e no Espírito. Com Amor e Desejo, utilizamos a Mente para conectar esses aspectos do Divino e assim trazer mudanças. Com a Magia aumentamos o fluxo do Divino em nossas vidas e no mundo à nossa volta. Nós somamos à beleza de tudo – pois para trabalhar a Magia precisamos estar em harmonia com as Leis da Natureza e da Psique. A Magia é o Florescer do Potencial Humano.A Magia prática está relacionada à Arte de Viver bem e em harmonia com a Natureza, com a Magia da Terra, com as coisas da Terra, as estações e os ciclos, e aquilo que fazemos com as mãos e com a Mente. * Nota do tradutor. Esta obra contém repetidas vezes o termo "Wicca", designando a antiga religião celta. Tal termo, de origem obscura, como o próprio autor atesta em sua Nota lingüística, não possui equivalente exato na língua portuguesa. Uma vez que "paganismo" possui um sentido muito amplo, assim como "bruxaria" (sem contar a possível conotação negativa a eles imputada), optei por manter a terminologia original, a exemplo da língua inglesa (segundo alguns estudos lingüísticos, a palavra "Wicca" tem origem no idioma galês), fazendo uma concessão apenas ao derivado "wiccan", indicando um praticante da Wicca ou assuntos a ela correlatos, aqui adaptado como "wiccano". Não se trata, no entanto, de um excesso de liberdade deste tradutor, já que essa expressão é amplamente utilizada pelos praticantes e estudiosos de tal religião no Brasil - entre os quais orgulhosamente me incluo. · Nota lingüística: Existe atualmente muita controvérsia acerca do significado exato (e original) da palavra "Wicca". Não é meu desejo ingressar ou acrescentar novas questões a tais discussões, mas não creio que possa utilizar o termo sem defini-lo. Assim, "Wicca" será utilizada neste livro para descrever tanto a religião em si (uma ampla religião Pagã baseada na reverência às forças criativas da Natureza, normalmente simbolizadas por uma deusa e por um deus), como também seus praticantes de ambos os sexos. O termo "warlock" feiticeiro, Bruxo, Mago, apesar de eventualmente utilizado para descrever os praticantes do sexo masculino, é virtualmente evitado pelos próprios Wiccanos; portanto, não o utilizo aqui. Apesar de alguns usarem "Wicca" e "Witch" (Bruxa, feiticeira, ídem - 1969, n. do T.) quase como sinônimos, prefiro a mais antiga e menos embaraçosa palavra Wicca, e deste modo uso-a quase com exclusividade.

Prefácio
Este livro, resultado de dezesseis anos de experiência prática e pesquisas, é um guia que descreve os aspectos básicos da teoria e da prática em Wicca. Foi escrito tendo em mente o estudante ou praticante solitário; portanto, não contém descrições de rituais para coven ou dinâmicas de grupo em magia. A Wicca aqui descrita é "nova". Não há revelações sobre antigos rituais zelosamente transmitidos através dos séculos. Isso, entretanto, não diminui sua eficácia, pois ela se baseia em práticastestadas pelo tempo. Um encantamento a Innana de três mil anos não é necessariamente mais poderoso ou eficaz do que outro improvisado durante um ritual privado. A pessoa que executa o ritual é que determina seu sucesso. Se, para você, encantamentos seculares são nada mais que tagarelices sem sentido, é bem provável que o ritual não surta efeito, do mesmo modo que não surtiria efeito uma cerimônia Shintoísta nas mãos de um Metodista. Para Ter efeito, os rituais devem falar ao seu coração.Para alguns, os rituais são a essência da Wicca, enquanto para outros representam complementos prazerosos à filosofia e modo de vida da Wicca. Na Wicca, como de resto em qualquer outra religião, os rituais funcionam como um meio de contatar o Divino. Rituais
bem-sucedidos unem o adorador à Deidade. Rituais ineficazes matam a espiritualidade. Há, sim, rituais neste livro, mas são apenas diretrizes, não escrituras sagradas. Escrevi-os para que outros, utilizando-os como orientação, possam criar os seus próprios rituais. Algumas pessoas podem dizer: "Mas este é o seu ponto de vista. Nós queremos a verdadeira Wicca! Conte-nos seus segredos!" Não
há, como jamais haverá, uma forma "pura", "verdadeira" ou "genuína" de Wicca. Não existem agências governamentais centrais, líderes físicos, profetas ou mensageiros universalmente
reconhecidos. Apesar de certamente existirem formas específicas e estruturadas de Wicca, elas nem sempre concordam no que diz respeito a rituais, simbolismo ou teologia. Devido a esse
individualismo saudável, nenhum sistema ritual ou filosófico surgiu para consumir os demais.A Wicca é diversificada e multifacetada. Como em todas as religiões, a experiência ritual Wiccana é compartilhada com a deidade apenas. Este livro é somente um dos modos, baseado em minhas experiências e na instrução que recebi, de se praticar Wicca Apesar de tê-lo escrito, este livro não surgiu do nada. O joalheiro que lapida esmeraldas brutas não criou as gemas; tampouco os artesão criou a argila. Tento aqui apresentar uma amálgama dos principais temas e estruturas rituais da Wicca; não criar uma nova forma, mas sim apresentar uma para que outros possam desenvolver suas próprias práticas de Wicca. Quando comecei a aprender sobre Wicca, havia poucos livros sobre
o assunto, e certamente nenhum Livro das Sombras publicado. Os rituais e textos mágicos são mantidos em segredo em várias correntes da Wicca, e só há pouco tempo alguns sistemas foram
tornados "públicos". Devido a este fato, poucos praticantes escreveram livros descrevendo os rituais e os ensinamentos internos da Wicca. Os que estão de fora da Wicca (ou A Arte, como também é conhecida), e sobre ela escreveram, forneceram forçosamente informações truncadas ou incompletas. Poucos anos após meu ingresso na Wicca, no entanto, muitos livros autênticos e informativos começaram a ser publicados. À medida que prosseguia em meus estudos, tanto independentemente como junto aos professores que encontrei, percebi que alguém que tentasse aprender e praticar a Wicca com base apenas nas fontes publicadas adquiriria uma visão tristemente tendenciosa. Grande parte dos autores Wiccanos transmitia sua própria forma
de Wicca. Faz sentido: escreva sobre aquilo que sabe. Infelizmente,
muitos dos principais autores da área possuem pontos de vista
similares, fazendo, assim, com que a maioria do material publicado
seja repetitiva.
Ademais, a maior parte dessas obras está voltada à Wicca de
covens (grupos). Isso constitui-se num grande problema para os que
não consigam encontrar um mínimo de quatro ou cinco pessoas
interessadas e compatíveis para a criação de um coven. Também
lança um fardo nos que desejem uma prática religiosa privada.
Possivelmente, a verdadeira causa que me levou a escrever este
livro - além de inúmeros pedidos - seja estritamente pessoal. Não
apenas desejo apresentar uma alternativa aos livros sóbrios e
estruturados sobre Wicca, como também quero retribuir com algo
pelo treinamento que recebi nesta religião contemporânea.
Apesar de eu eventualmente ministrar aulas, e de a Wicca sempre
atrair um grande público, prefiro a palavra impressa quando quero
ressaltar algumas das coisas que aprendi. Apesar de que nada pode
substituir o ensino direto e individual, não é um método muito
prático para todos os que desejam aprender.
E foi assim que, muitos anos atrás, comecei a fazer anotações e
capítulos que finalmente se transformariam neste livro. A fim de
não me tornar muito obtuso (Sybil Leek disse uma vez que é
perigoso escrever sobre sua própria religião - estamos muito
próximos a ela), pedi a amigos Wiccanos para que lessem e
comentassem sobre os primeiros rascunhos para assegurar que a
visão da Wicca aqui apresentada não fosse excessivamente limitada
ou dogmática.
Peço que não me interpretem errado. Apesar de o objetivo deste
livro ser uma melhor apreciação e compreensão da Wicca, não quero
fazer nenhum proselitismo. Como muitos Wiccanos, não tenciono
mudar suas crenças religiosas e espirituais; isso não é da minha
conta.
Entretanto, com o crescente interesse em religiões nãotradicionais,
preocupações com a destruição ambiental e um vasto
interesse na religião da Wicca, espero que este livro responda
parcialmente a uma das mais recorrentes questões:
"O que é Wicca?"

Introdução
Wicca, a religião das "Bruxas", há muito está encoberta em
segredos. Aqueles interessados em aprender "A Arte" deviam
contentar-se com informações fragmentadas provenientes de livros
e artigos. Os Wiccanos não revelavam muito, a não ser que não
estavam buscando novos seguidores.
Atualmente, um número crescente de pessoas anda insatisfeito com
a estrutura das religiões tradicionais. Muitos buscam uma religião
de apelo pessoal, uma que celebre tanto a realidade física como a
espiritual, na qual a sintonia com a deidade seja complementada pela
prática da magia.
A Wicca é exatamente assim, centrada em torno da reverência à
Natureza na forma da Deusa e do Deus. Suas antigas raízes
espirituais, a aceitação da magia e de sua natureza misteriosa
tornam-na especialmente atraente. Até há pouco tempo, a falta de
informação pública acerca da Wicca e sua aparente exclusividade
causaram muita frustração aos estudantes interessados.
A Wicca não busca novos membros. Esta tem sido uma das maiores
pedras no caminho dos que desejam aprender seus rituais e sua
magia. A Wicca não tenta seduzir porque, ao contrário da maioria
das religiões ocidentais, ela não alega ser o único e verdadeiro
caminho para o Divino.
Com o número crescente de interessados em praticar Wicca, talvez
seja a hora de permitir que toda a luz da Aurora da Era de Aquário
ilumine-a. Ao fazer isso, não estou declarando ser a Wicca a
salvação de nosso planeta, mas sim apresentá-la aos que desejem
aprendê-la.
Muitos obstáculos têm surgido. Até recentemente, a única maneira
de ingressar na Wicca era
a. contatar um iniciado em Wicca, normalmente membro de um
coven, e
b. ser convidado.
Se não conhecesse nenhum bruxo, não teria muita sorte, pois a
iniciação era um pré-requisito indispensável.
Atualmente, os tempos estão mudando. Estamos amadurecendo,
talvez até rápido demais. Isto é necessário para que essa procura
não seja apenas uma curiosidade pueril. Os herdeiros da Wicca
devem projetar firmemente sua religião para o futuro se quiserem
que ela tenha algo a oferecer às gerações futuras.
Uma vez que chegamos ao ponto onde um simples mal-entendido
pode acabar com nosso planeta como o conhecemos, pode-se dizer
que jamais houve um período no qual a Wicca, sendo uma religião
voltada à natureza, tivesse mais para oferecer.
Este livro rompe com muitas convenções da Wicca. Foi estruturado
para que qualquer um, em qualquer lugar do mundo, possa praticar a
Wicca. Nenhuma iniciação é necessária. É voltado ao praticante
solitário, dada a dificuldade em se encontrar outros com interesses
similares, especialmente em áreas rurais.
A Wicca é uma religião festiva que brota de nossa união com a
natureza. Ela nos une às Deusas e aos Deuses, as energias
universais que criaram toda a existência. É uma celebração da vida,
positiva e pessoal.
E agora está à disposição de todos.

Capítulo 1 - Wicca e Xamanismo
Por definição, o xamanismo é considerado a primeira religião.
Existia antes das mais antigas civilizações, antes que nossos
ancestrais dessem seus primeiros passos em sua longa jornada rumo
ao presente. Antes desse período, os xamãs eram os curandeiros,
responsáveis pela distribuição do poder, masculino e feminino. Eles
operavam magia e se comunicavam com os espíritos da natureza.
Os xamãs foram os primeiros humanos com sabedoria. Eles a
criaram, a descobriram, a cultivaram e utilizaram-na. Sabedoria é
poder; os homens e mulheres que a possuíam naqueles dias
longínquos eram xamãs.
De que modo os xamãs descobriram ou capturaram esse poder? Por
meio do êxtase - estados alterados de consciência pelos quais eles
se comunicavam com as forças do universo. Os primeiros xamãs
atingiam esse estado com a utilização de "ferramentas" como
jejum, sede, autoflagelação, ingestão de substâncias alucinógenas,
concentração e assim por diante. Uma vez controladas, tais técnicas
permitiam que eles conhecessem outros mundos, não-físicos.
Todo o conhecimento mágico foi obtido graças a essas "alterações
de consciência". Encontros com espíritos e deidades, plantas e
animais ampliaram novos pontos de vista. Entre seu próprio povo, os
xamãs geralmente compartilhavam desse conhecimento, reservando
sempre um pouco para seu uso pessoal. A sabedoria xamânica não
foi criada para utilização pública.
Posteriormente, os xamãs aperfeiçoaram o uso de instrumentos
para tornar essas alterações de consciência, assinalando o
surgimento dos rituais de magia. Xamãs ao redor do mundo ainda
usam instrumentos como tambores, chocalhos, objetos reflexivos,
música, cânticos e dança. Seguramente, os rituais xamânicos mais
eficazes são os que utilizam tanto ferramentas naturais como
artificiais - o ruído da brisa, o quebrar das ondas do oceano,
chamas bruxuleantes, batidas constantes de um tambor, um
chocalho. Tudo isso, combinado à escuridão da noite e a cânticos,
acaba por sobrepujar os sentidos, forçando a alteração da
consciência do mundo físico para os recantos mais amplos da
energia. Tais são os ritos xamânicos ainda existentes.
Dessas origens primitivas surgiram todas as formas de magia e
religião, Wicca inclusa. Apesar da atual controvérsia acerca da
"antigüidade" da Wicca, ela espiritualmente descende desses ritos.
Mesmo que alterada e adequada para nosso mundo, a Wicca ainda
toca nossa alma e causa êxtase - mudanças de consciência -, unindo-
nos ao Divino. Muitas das "técnicas" da Wicca são de origem
xamânica.
Deste modo, a Wicca pode ser descrita como uma religião xamânica.
Assim como o xamanismo, apenas um grupo seleto sente-se
compelido a adentrar esse círculo de luz.
Hoje, a Wicca aboliu as provações por dor e o uso de alucinógenos,
substituindo-as por meditações, cânticos, concentração,
visualização, música, dança, invocação e drama ritual. Com esses
instrumentos rituais, a Wicca atinge um estado de consciência
ritual semelhante àqueles obtidos pelas mais brutais provações
xamânicas.
Usei deliberadamente o termo "estados alterados de consciência".
Tais estados de consciência não são desnaturais, um desvio da
consciência "normal". A Wicca ensina que a natureza engloba um
amplo espectro de estados mentais e espirituais dos quais a maioria
de nós é ignorante. Rituais Wiccanos eficazes possibilitam que
penetremos em tais estados, permitindo-nos comungar e comunicar
com a Deusa e com o Deus.
Ao contrário de algumas religiões, a Wicca não vê o Divino como
algo distante. A Deusa e o Deus estão ambos dentro de nós e
manifesta-se em toda a natureza. Isto é a universalidade: não há
nada que não seja dos Deuses.
Um estudo sobre o xamanismo revela muito da natureza da magia e
das experiências religiosas em geral, e da Wicca em particular (veja
lista de livros recomendados na Bibliografia). Utilizando o ritual
como um modo de ingressar a consciência ritual, o xamã ou Wicca
expande constantemente seu conhecimento, e conhecimento é
poder. A Wicca auxilia seus praticantes a entender o universo e
nosso lugar nele.
No momento, a Wicca é uma religião com muitas variações. Por ser
um sistema de estrutura pessoal, o máximo que posso fazer é
declarar dados genéricos sobre seu credo e a partir daí, filtrandoos
em minha experiência e conhecimento, criar um quadro da
natureza da Wicca.
A Wicca, assim como muitas outras religiões, reconhece a Dualidade
do Divino. Reverencia a Deusa e o Deus. Eles são iguais, calorosos e
afetuosos, não distantes ou morando no "paraíso", mas onipresentes
em todo o universo.
A Wicca nos ensina também que o mundo físico é apenas uma de
muitas realidades. O físico não é a mais alta expressão absoluta,
nem é o espiritual "mais puro" do que a base. A única diferença
entre o físico e o espiritual é que o primeiro é mais denso.
Como nas religiões orientais, também a Wicca concorda com a
doutrina da reencarnação, esse tópico tão mal compreendido. Ao
contrário de algumas filosofias orientais, contudo, a Wicca não
prega que, após a morte física, nossas almas venham a reencarnar
em outras formas que não a humana. Além disso, poucos praticantes
acreditam que iniciemos nossa existência como pedras, árvores,
lesmas ou aves antes de evoluir ao ponto de podermos encarnar
como seres humanos. Apesar de tais criaturas e substâncias
possuírem uma espécie de alma, não é do mesmo tipo da que nós,
humanos, possuímos.
A reencarnação é aceita como um fato por milhões de pessoas,
tanto no oriente como no ocidente. Ela responde a muitas
perguntas: o que ocorre após a morte? Por que temos a sensação de
lembrar de coisas que jamais fizemos nesta vida? Por que às vezes
somos inexplicavelmente atraídos a lugares ou pessoas que nunca
vimos antes?
Certamente, a reencarnação não pode responder a todas essas
questões, mas ela está lá para ser estudada. A reencarnação não é
algo em que devemos crer. Por meio da reflexão, da meditação e da
auto-análise muitos chegaram ao ponto em que aceitam a
reencarnação como um fato. Para maiores informações acerca deste
tópico, ver Capítulo 9. A Espiral do Renascimento.
O ideal Wiccano de moralidade é simples: faça o que desejar, desde
que não prejudique ninguém. Esta regra contém outra condição, não
escrita: não faça nada que lhe prejudique. Assim, se como um Wicca
você abusar de seu organismo, negando-lhe suas necessidades vitais
ou ainda ferindo a si mesmo, você estará violando este princípio.
Não é apenas uma questão de sobrevivência; isto assegura que você
estará em boas condições para assumir a tarefa de preservar e
melhorar nosso mundo, pois o cuidado e o amor por nosso planeta é
parte vital da Wicca.
A Wicca é uma religião que utiliza magia. Esta é uma de suas
características mais distintas e atraentes. Magia religiosa? Isso
não é tão estranho quanto pode parecer. Os sacerdotes católicos
utilizam "magia" para transformar um pedaço de pão no corpo de um
"salvador" há muito falecido. A oração - instrumento comum a
muitas religiões - é simplesmente uma forma de comunicação com o
Divino. Se a concentração for ampliada, energias passam a ser
enviadas com os pensamentos que farão com que, com o tempo, a
prece se torne realidade. As preces são uma forma de magia.
A magia é a prática de utilizar energias naturais (ainda que pouco
compreendidas) para efetuar mudanças necessárias. Na Wicca, a
magia é utilizada como um instrumento para consagrar áreas rituais,
melhorarmos a nós mesmos e o mundo no qual vivemos.
Muitas pessoas confundem a Wicca e a magia, como se essas duas
palavras tivessem o mesmo sentido. Wicca é uma religião que
envolve magia. Se deseja apenas praticar magia, provavelmente a
Wicca não é o melhor caminho para você.
Outro ponto fundamental: a magia não é um meio de forçar a
natureza a fazer aquilo que deseja. Esta é uma noção
completamente equivocada, gerada pela crença de que a magia é
algo de certo modo sobrenatural, como se algo que existe pudesse
estar de fora da natureza. Magia é natural. É um movimento
harmonioso de energias que origina mudanças necessárias. Se
deseja praticar magia, deve antes abandonar todas as noções de
que ela seria paranormal ou sobrenatural.
A maioria dos Wiccanos não acredita na predestinação. Apesar de
honrarmos e reverenciarmos a Deusa e o Deus, sabemos que somos
almas livres com total controle e responsabilidade sobre nossas
vidas. Não podemos apontar para uma imagem de um deus maligno,
como Satã, e culpá-lo por todos os nossos defeitos e fraquezas.
Não podemos culpar o destino. A cada segundo de cada dia estamos
moldando nossos futuros, criando os cursos de nossas vidas. Uma
vez que um Wiccano assume total responsabilidade por tudo o que
tenha feito (nesta e em vidas passadas) e determina que as ações
futuras estarão de acordo com ideais e objetivos mais elevados, a
magia florescerá e a vida será plena de prazer.
Esta talvez seja a essência da Wicca - é uma união prazerosa com a
natureza. A terra é uma manifestação da energia divina. Os templos
da Wicca são os campos salpicados de flores, as florestas, as praias
e os desertos. Quando um Wiccano está ao ar livre, ele (ou ela)
está, na verdade, envolto pela santidade, assim como um cristão
quando entra em uma igreja ou em uma catedral.
Além disso, toda a natureza está sempre cantando para nós,
revelando Seus segredos. Os Wiccanos ouvem a Terra. Eles não
ignoram as lições que Ela está desesperadamente nos tentando
ensinar. Quando perdemos contato com nosso amado planeta,
perdemos o contato com o Divino.
Estes são alguns dos princípios básicos da Wicca. Eles formam a
verdadeira Wicca; os rituais e os mitos são secundários a estes
ideais, e servem para celebrá-los.
O Livro de Sombras Completo (livro de rituais) incluso na Seção III
é um guia para que você construa o seu próprio. Sendo estes rituais
apenas modelos, não é necessário segui-los à risca. Altere-os
conforme a necessidade. Uma vez que os ritos o liguem às Deidades,
está tudo certo.
Não ignore o mundo físico em favor dos reinos mágico ou espiritual,
pois apenas por meio da natureza é que podemos experimentar tais
realidades. Há um motivo para estarmos na Terra. Use, entretanto,
os rituais para expandir sua consciência para que realmente possa
integrar-se a toda a criação.
O caminho está aberto. A antiga Deusa e seu Deus o aguardam à sua
volta e dentro de você.
Que Eles o abençoem com sabedoria e poder.

Capítulo 2 - As Deidades
Todas as religiões são estruturas embasadas na reverência ao
Divino, e a Wicca não é exceção. A Wicca reconhece a existência de
uma força divina suprema, inestimável, absoluta, de onde surgiu
todo o universo.
O conceito de tal força, muito além de nossa compreensão, quase
foi perdido na Wicca devido à dificuldade que temos em nos
relacionarmos a ela. Entretanto, os Wiccanos acessam essa força
por intermédio de suas deidades. Conforme os princípios da
natureza, a força suprema foi personificada em dois seres básicos:
a Deusa e o Deus.
Toda deidade cultuada neste planeta existe como arquétipo do Deus
e da Deusa. Os complexos panteões de deidades surgidos em muitas
partes do mundo são simplesmente aspectos desses dois. Toda
deusa reside no conceito da Deusa. Todo deus, no do Deus.
A Wicca reverencia essas duas deidades por seus elos com a
natureza. Uma vez que a maior parte (mas certamente não toda) da
natureza está dividida em gênero, as deidades que a simbolizam
foram concebidas de modo similar.
No passado, quando a Deusa e o Deus eram tão reais como a Lua e o
Sol, os ritos de culto e adoração eram desestruturados uma união
espontânea e prazerosa com o Divino. Posteriormente, os rituais
passaram a seguir o curso do Sol através do ano astronômico (daí as
estações) assim como o crescer e o minguar mensal da Lua.
Atualmente, ritos similares são observados na Wicca, e sua
execução regular de fato cria uma intimidade mágica com essas
deidades e com as forças por trás dela.
Felizmente, não precisamos aguardar pela época dos rituais para
lembrarmos da presença dos Deuses. A visão de uma flor perfeita
num campo árido pode suscitar sentimentos tão fortes quanto os
originados pelo mais poderoso dos ritos formais. Viver em contato
com a natureza torna cada momento um ritual. Os Wiccanos
sentem-se à vontade ao comunicar-se com animais, plantas e
árvores. Eles sentem a energia contida em pedras e na areia e
fazem que fósseis falem sobre suas origens primitivas. Para alguns
Wiccanos, observar o nascer e o pôr-do-Sol e da Lua diariamente é
um ritual em si só, pois estes são os símbolos celestes do Deus e da
Deusa.
Uma vez que a Wicca vê o Divino inerente à natureza, muitos de nós
envolvem-se com a ecologia - salvar a Terra de uma maior
destruição por nossas próprias mãos. A Deusa e o Deus ainda
existem, como sempre existiram, e para honrá-los nós honramos e
preservamos nosso precioso planeta.
Segundo o pensamento Wicca, as deidades não existiam antes que
nossos ancestrais espirituais tomassem ciência delas. Entretanto, a
energia por trás delas já existia; fomos por ela criados. Os antigos
cultuadores reconheciam essa energia na forma da Deusa e do
Deus, personificando-os numa tentativa de melhor entendê-los.
Os Antigos não morreram quando as antigas religiões pagãs
cederam ao surgimento do cristianismo na Europa. Muitos dos ritos
desapareceram, mas não eram os únicos eficazes. A Wicca está viva
e bem, e as Deidades respondem a nossos chamados e invocações.
Ao visualizar a Deusa e o Deus, muitos dos Wiccanos os vêem como
conhecidas deidades de religiões antigas. Diana, Pã, Ísis, Hermes,
Hina, Tammuz, Hécate, Ishtar, Cerridwen, Thoth, Tara, Aradia,
Ártemis, Pele, Apolo, Kanaloa, Bridget, Hélios, Bran, Lugh, Hera,
Cibele, Iranna, Maui, Ea, Atena, Lono, Marduk - a lista é
literalmente inesgotável. Muitas dessas deidades, com sua história,
ritos e mitos correspondentes, fornecem o conceito de deidade aos
Wiccanos.
Alguns sentem-se bem ao associar esses nomes e formas à Deusa e
ao Deus, sentindo que possivelmente não seriam capazes de
reverenciar seres divinos desprovidos de nome. Outros crêem que a
falta de nomes e indumentárias representa uma confortável
ausência de limitações.
Como já dito anteriormente, a Wicca descrita neste livro é "nova",
apesar de construída sobre ritos e mitos estabelecidos,
profundamente arraigada nos mais antigos sentimentos religiosos
que a natureza fez aflorar em nossa espécie. Nestes rituais utilizo
as palavras "o Deus" e "a Deusa" em vez de nomes específicos como
Diana e Pã. Qualquer pessoa com uma afinidade especial com
deidades em particular deve sentir-se livre para adaptar os rituais
da Sessão III - O Livro de Sombras das Pedras Erguidas e incluílas.
Caso não esteja familiarizado com as religiões politeístas não
ocidentais ou não tenha desenvolvido afinidade com outras
divindades que não aquelas com as quais foi educado, comece por
aceitar a seguinte premissa (pelo menos no momento): o Divino é
gêmeo, consistindo na Deusa e no Deus.
Eles receberam tantos nomes que passaram a ser chamados de Os
Sem Nome. Sua aparência é exatamente a que desejamos que
tenham, pois eles são todas as deidades que já existiram. A Deusa e
o Deus são todo-poderosos, pois são os criadores de toda a
existência manifesta ou não. Podemos contatá-los e comunicarmo-
nos com eles pois uma parte de nós está neles, assim como eles
estão em nós.
A Deusa e o Deus são iguais; nenhum deles é mais alto ou mais
reverenciável. Apesar de alguns Wiccanos centralizarem seus
rituais na Deusa em completo detrimento do Deus, isto é apenas
uma reação aos séculos sob sufocante religião patriarcal e à
negligência ao aspecto feminino do Divino. A religião baseada apenas
na energia feminina, entretanto, é tão desequilibrada e desnatural
quanto outra totalmente voltada ao masculino. Um equilíbrio
perfeito entre ambas é o ideal. A Deusa e o Deus são iguais, e
complementares.

A Deusa
A Deusa é a Mãe universal. É a fonte da fertilidade, da infinita
sabedoria e dos cuidados amorosos. Segundo a Wicca, Ela possui
três aspectos: a Donzela, a Mãe e a Anciã, que simbolizam as Luas
Crescente, Cheia e Minguante. Ela é a um só tempo o campo não
arado, a plena colheita e a Terra dormente, coberta de neve. Ela dá
à luz abundância. Mas, uma vez que a vida é um presente Seu, ela a
empresta com a promessa da morte. Esta não representa as trevas
e o esquecimento, mas sim um repouso pela fadiga da existência
física. É uma existência humana entre duas encarnações.
Uma vez que a Deusa é a natureza, toda a natureza, Ela é tanto a
tentadora como a Velha; o tornado e a chuva fresca de primavera; o
berço e o túmulo.
Porém, apesar de Ela ser feita de ambas as naturezas, a Wicca a
reverencia como a doadora da fertilidade, do amor e da abundância,
se bem que seu lado obscuro também é reconhecido. Nós A vemos
na Lua, no silencioso e fluente oceano, e no primeiro verdejar da
primavera. Ela é a incorporação da fertilidade e do amor.
A Deusa é conhecida como a Rainha do paraíso, Mãe dos Deuses que
criaram os Deuses, a Fonte Divina, A Matriz Universal, A Grande
Mãe e incontáveis outros títulos.
Muitos símbolos são utilizados na Wicca para honrá-la, como o
caldeirão, a taça, o machado, flores de cinco pétalas, o espelho,
colares, conchas do mar, pérolas, prata, esmeralda... para citar uns
poucos.
Por governar a Terra, o mar e a Lua, muitas e variadas são suas
criaturas. Algumas incluiriam o coelho, o urso, a coruja, o gato, o
cão, o morcego, o ganso, a vaca, o golfinho, o leão, o cavalo, a
corruíra, o escorpião, a aranha e a abelha. Todos são sagrados à
Deusa.
A Deusa já foi representada como uma caçadora correndo com seus
cães de caça; uma deidade celestial caminhando pelos céus com pó
de estrelas saindo de seus pés; a eterna Mãe com o peso da criança;
a tecelã de nossas vidas e mortes; uma Anciã caminhando sob o luar
buscando os fracos e esquecidos, assim como muitos outros seres.
Mas, independentemente de como A vemos, Ela é onipresente,
imutável, eterna.
O Deus
O Deus tem sido reverenciado há eras. Ele não é a deidade rígida, o
todo-poderoso do cristianismo ou do judaísmo, tampouco um simples
consorte da Deusa. Deus ou Deusa, eles são iguais, unidos.
Vemos o Deus no Sol, brilhando sobre nossas cabeças durante o dia,
nascendo e pondo-se no ciclo infinito que governa nossas vidas. Sem
o Sol, não poderíamos existir; portanto, ele tem sido cultuado como
a fonte de toda a vida, o calor que rompe as sementes adormecidas,
trazendo-as para a vida, e instiga o verdejar da terra após a fria
neve do inverno.
O Deus é também gentil com os animais silvestres. Na forma do
Deus Cornudo, Ele é por vezes representado com chifres em Sua
cabeça, que simbolizam Sua conexão com tais bestas. Em tempos
mais antigos, acreditava-se que a caça era uma das atividades
regidas pelo Deus, enquanto a domesticação dos animais era vista
como voltada à Deusa.
Os domínios do Deus incluíam as florestas intocadas pelas mãos
humanas, os desertos escaldantes e as altas montanhas. As
estrelas, por serem na verdade sóis distantes, são por vezes
associadas a Seu domínio.
O ciclo anual do verdejar, amadurecer e da colheita vem há muito
sendo associado ao Sol, daí os festivais Solares da Europa
(discutidos mais profundamente no Capítulo 8. Dias de Poder), os
quais são ainda observados na Wicca.
O Deus é a colheita plenamente madura, o vinho inebriante extraído
das uvas, o grão dourado que balança num campo, as maçãs
vicejantes que pendem de galhos verdejantes nas tardes de outono.
Em conjunto com a Deusa, também Ele celebra e rege o sexo. A
Wicca não evita o sexo ou fala sobre ele por palavras sussurradas.
É uma parte da natureza e assim é aceito. Por trazer prazer,
desviar nossa consciência do mundo cotidiano e perpetuar nossa
espécie, é considerado um ato sagrado. O Deus nos imbui
vigorosamente no desejo que assegura o futuro biológico de nossa
espécie.
Símbolos normalmente utilizados para representar ou cultuar o
Deus incluem a espada, chifres, a lança, a vela, ouro, bronze,
diamante, a foice, a flecha, o bastão mágico, o tridente, facas e
outros. Criaturas a Ele sagradas incluem o touro, o cão, a cobra, o
peixe, o gamo, o dragão, o lobo, o javali, a águia, o falcão, o tubarão,
os lagartos e muitos mais.
Desde sempre, o Deus é o Pai Céu, e a Deusa a Mãe Terra. O Deus é
o céu, da chuva e do relâmpago, que desce sobre a Deusa e une-se a
ela, espalhando as sementes sobre a terra, celebrando a fertilidade
da Deusa.
Ainda hoje, as deidades da Wicca estão firmemente associadas à
fertilidade, mas cada aspecto da existência humana pode ser
associado à Deusa e ao Deus. Podem ser chamados para nos auxiliar
a atravessar as vicissitudes de nossas existências e trazer prazer a
nossas vidas normalmente carentes de espiritualidade.
Isto não significa que quando ocorrerem problemas devamos deixálos
nas mãos dos deuses. Esta é uma manobra de fuga, ao evitarmos
lidar com os buracos no caminho da vida. Contudo, como Wiccanos
nós chamamos pela Deusa e pelo Deus para limpar nossas mentes e
ajudar-nos a nos ajudar. A magia é um excelente meio para tanto.
Após sintonizar-se com a Deusa e com o Deus, os Wiccanos pedem
Seu auxílio durante o rito mágico que normalmente se segue.
Além disso, a Deusa e o Deus podem nos ajudar a mudar nossas
vidas. Uma vez que as Deidades são as forças criativas do universo
(e não apenas símbolos), podemos chamá-las para fortalecer nossos
ritos e abençoar nossa magia. Novamente, isto vai contra a maioria
das religiões. O poder está nas mãos de cada praticante, e não com
sacerdotes ou sacerdotisas especializados que celebram tais feitos
para as massas. Isto é o que torna a Wicca um meio de vida
realmente satisfatório. Temos vínculos diretos com as Deidades.
Não precisamos de intermediários - sacerdotes, confessores ou
xamãs. Nós somos os xamãs.
Para desenvolver um relacionamento com a Deusa e com o Deus, uma
necessidade para os praticantes de Wicca, podemos seguir estes
rituais simples.
À noite, sente-se ou permaneça de pé olhando para a Lua, se estiver
visível. Se não, imagine a Lua mais cheia que já tenha visto com seu
brilho branco-prateado na escuridão, diretamente acima e diante
de você.
Sinta a suave luz lunar beijando sua pele. Sinta-a tocando e
misturando-se a suas próprias energias, mesclando-se e formando
novos padrões.
Veja a Deusa em qualquer forma que desejar. Chame-a, entoando
antigos nomes, se desejar: Diana, Lucina, Selena. Abra seu coração
e sua mente para o aspecto da energia da Deusa manifestado na luz
da Lua.
Repita este processo diariamente por uma semana, de preferência
no mesmo horário da noite.
Concomitantemente a este exercício, sintonize-se com o Deus. Ao
levantar-se pela manhã, não importa o quão tarde seja, fique de pé
diante do Sol (através de uma janela se necessário, ou ao ar livre se
possível) e mergulhe em sua energia. Pense no Deus. Visualize-o
como quiser. Pode ser um poderoso guerreiro musculoso, erguendo
uma lança em uma das mãos enquanto a outra segura uma criança ou
um cacho de uvas coberto de orvalho.
Pode desejar entoar nomes do Deus, como Cernunnos, Osiris, Apolo,
assim como com a Deusa.
Se não desejar visualizar o Deus (pois a visualização pode impor
limitações), simplesmente entre em harmonia com as energias que
emanam do Sol. Mesmo se nuvens bloqueiam o céu, ainda assim as
energias do Deus lhe alcançarão. Sinta-as com toda a sua
imaginação mágica (veja Capítulo 11. Exercícios e Técnicas de
Magia).
Impeça que quaisquer outros pensamentos diferentes perturbem
sua reverência ao Deus. Libere seus sentimentos; abra sua
consciência para coisas mais elevadas. Chame pelo Deus com
quaisquer palavras. Exprima seu desejo de sintonizar-se com Ele.
Pratique estes exercícios diariamente por uma semana. Se desejar
explorar os conceitos da Deusa e do Deus, leia livros sobre
mitologia de qualquer povo do mundo. Leia os mitos mas procure
pelos temas fundamentais. Quanto mais você ler, mais informações
terá em suas mãos; no final, você mergulhará num banco de
conhecimento desestruturado mas extremamente complexo sobre
as deidades. Em outras palavras, passará a conhecê-las.
Se após sete dias sentir necessidade (ou desejo), prossiga com
estes exercícios até sentir-se confortável com a Deusa e com o
Deus. Eles têm sempre estado em nós e ao nosso redor; precisamos
apenas abrir-nos para tal consciência. Este é um dos segredos da
Wicca - O Divino habita em nós.
Em sua busca pelo conhecimento dos Deuses, passeie longamente
sob as árvores. Estude as flores e as plantas. Visite locais
silvestres, naturais e sinta a energia da Deusa e do Deus
diretamente - por meio do correr de um regato, pelo pulsar de
energia proveniente do tronco de um velho carvalho, do calor de
uma pedra aquecida pelo sol. Familiarizar-se com a existência das
Deidades fica mais fácil pelo contato real com tais fontes de
energia.
A seguir, após Ter atingido tal estado, pode ser que deseje
estabelecer um altar ou santuário, permanente ou temporário, para
a Deusa e para o Deus. Não precisa ser mais do que uma pequena
mesa, duas velas, um incensário e um prato ou tigela com frutas,
grãos, sementes, vinho ou leite.
VELA DA DEUSA FLORES VELA DO DEUS
INCENSÁRIO
PRATO DE
OFERENDAS
Disposição de um altar simples
Posicione duas velas em seus suportes na parte de trás do altar. A
vela da esquerda representa a Deusa; a da direita, o Deus. Cores
são normalmente utilizadas para distingui-los; uma vela vermelha
para o Deus e uma verde para honrar a Deusa. Isto confere com as
associações naturais da Wicca, pois o verde e o vermelho são
antigas cores mágicas ligadas à vida e à morte. Outras cores podem
ser utilizadas - amarelo ou ouro para honrar o Deus, branco ou
prata para a Deusa.
Posicione o incensário diante e entre essas velas, e diante deste o
prato ou a tigela de oferendas. Um vaso com flores da estação pode
também ser acrescentado, assim como quaisquer objetos pessoais,
como cristais, fósseis e emas secas.
Para iniciar um ritual simples aos Deuses em seu altar, fique de pé
diante dele com uma oferenda de alguma espécie em sua mão.
Acenda as velas e o incenso, posicionando a oferenda dentro do
prato ou da tigela, e profira palavras como estas:
Senhora da Lua, dos mares incessantes e da verdejante
terra,
Senhor do Sol e das criaturas silvestres,
Aceitem esta oferenda que aqui deposito em sua
homenagem.
Concedam-me a sabedoria para perceber sua presença
em toda a natureza,
Oh antigos
Depois, sentado ou ainda de pé, permaneça por alguns minutos
mentalizando as deidades e pensando em seu crescente
relacionamento com elas. Sinta-as dentro e ao redor de você. A
seguir, extinga as chamas (use seus dedos, um abafador de velas ou
a lâmina de uma vela. Assoprar é uma afronta ao elemento do Fogo).
Deixe que o incenso queime até o fim, e volte a suas atividades
normais.
Se desejar, vá até o altar uma vez por dia em um horário
determinado. Pode ser ao levantar-se, pouco antes de ir dormir, ou
após o almoço. Acenda as velas, entre em sintonia e em comunhão
com a Deusa e com o Deus. Isto não é necessário, mas o ritmo
constante criado por este ciclo é benéfico e melhorará seu
relacionamento com as deidades.
Devolva à Terra as oferendas deixadas no altar ao final de cada dia
ou quando trouxer mais para lá deixar.
Se não puder montar um altar permanente, ajuste-o a cada vez que
sentir a necessidade de usá-lo, guardando a seguir os instrumentos.
Faça da montagem do altar uma parte do ritual.
Estes ritos simples escondem sua força. A Deusa e o Deus são
entidades reais, possuidoras da força que criou o universo.
Harmonizar-se com elas faz com que nossas vidas mudem para
sempre. Também lança nova esperança para nosso planeta e para a
continuidade de nossa existência nele.
Se este rito é formal demais para seu gosto, altere-o ou crie o seu
próprio. Este é o escopo básico deste livro: faça as coisas a seu
modo e não do meu, apenas porque as passei para o papel. É
impossível ajustar meu pé dentro da pegada de alguém na areia. Não
existe um modo único e correto na Wicca; tal pensamento pertence
às religiões monoteísticas que em sua maioria se tornaram
instituições políticas e mercantis.
Descobrir as deidades da Wicca é uma experiência sem fim. Elas
normalmente se apresentam por conta própria. Como dizem os
xamãs, "esteja atento". Toda a natureza está-nos cantando Seus
segredos. A Deusa constantemente afasta Seu véu; o Deus ilumina
com inspiração e esclarecimento. Nós é que não percebemos.
Não se preocupe com o que os outros possam pensar se souberem
que você esteve harmonizando-se com uma Deusa de 20.000 anos.
Os sentimentos e pensamentos deles acerca de sua religião não
acarretam conseqüências. Se sentir a necessidade de ocultar suas
experiências dos outros, simplesmente faça-o, não por medo ou
vergonha, mas porque realmente trilhamos caminhos diferentes.
Nem todos estão prontos para a Wicca.
Alguns dirão que nós (e quaisquer outros que não sigam seus rituais
ou abracem sua religião) estamos cultuando Satã. Não que nos
demos conta disso, é claro, pois Satã, segundo tais peritos, é muito
hábil para que percebamos.
Tais pessoas não conseguem acreditar que qualquer religião, além
de sua própria, possa ser profunda, gratificante e verdadeira para
aquele que nela acredita. Assim, se cultuamos o Deus e a Deusa, eles
dizem, estamos negando todo o bem e cultuando Satã, a encarnação
de toda a negatividade e do mal.
Os Wiccanos não são tão radicais. Presumir que uma dada religião é
o único caminho para se acessar o Divino é talvez a maior das
vaidades humanas. Tais crenças causaram incalculáveis
derramamentos de sangue e o surgimento do odioso conceito das
guerras santas.
A base de tal erro parece ser o conceito de um ser incorrupto, puro
e positivo - Deus. Se essa deidade é a soma de todo o bem, seus
seguidores acreditam que também deva haver um ser
correspondente negativo. Temos, assim, Satã.
A Wicca não corrobora com tais idéias. Reconhecemos os aspectos
obscuros da Deusa e do Deus do mesmo modo como reconhecemos
os claros. Tudo na natureza é composto de opostos, e esta
polaridade reside também em nós mesmos. As mais obscuras
características humanas, assim como as mais brilhantes, estão
guardadas em nossos inconscientes. Somente nossa capacidade de
superar os desejos destrutivos, canalizando tais energias para
pensamentos e atos positivos, é capaz de nos separar dos
assassinos em massa e dos sociopatas.
Sim, o Deus e a Deusa tem aspectos obscuros, mas não devemos
temê-los. Analise algumas manifestações de Seus poderes. Uma
enchente devastadora traz solo rico no qual florescerão novas
plantas. A morte traz uma maior apreciação da vida para os que
ficam e repouso para o que parte. "Bem" e "mal" são geralmente
idênticos em sua natureza, dependendo do ponto de vista adotado.
Ademais, de todo mal sempre surgirá um bem.
Para seus praticantes, toda e qualquer religião é real, o artigo
original. Jamais haverá uma religião, um profeta ou um salvador que
satisfará a todos os cinco bilhões de humanos. Cada um de nós deve
encontrar nosso modo ideal para harmonizar-se com o Divino. Para
alguns, este modo é a Wicca.
Os Wiccanos enfatizam os aspectos brilhantes das deidades porque
isto nos dá um propósito para crescer e evoluir aos aspectos mais
elevados da existência. Quando a morte, a destruição, a dor e a ira
surgem em nossas vidas (o que é normal), podemo-nos voltar para a
Deusa e para o Deus e saber que isso é também uma faceta deles.
Não precisamos atribuir a um demônio esses aspectos naturais da
vida e apelar a um deus puro e casto que nos livre deles.
Ao compreender de fato a Deusa e o Deus, passamos a entender a
vida, pois ambos estão intrinsecamente ligados. Viva sua vida
terrena plenamente, mas tente também ver os aspectos espirituais
de suas atividades. Lembre-se, o físico e o espiritual nada mais são
do que reflexos um do outro.
Quando ministro cursos, uma questão costuma surgir com
freqüência: "Qual é o sentido da vida?"
Pode vir acompanhada de uma risada, mas esta é uma questão que,
se respondida, satisfaz todas as outras que possamos ter. É o
problema que todas as religiões e sistemas filosóficos têm lutado
para resolver.
Qualquer um pode encontrar a resposta com a simples técnica de
viver e observar a vida. Apesar de cada pessoa encontrar uma
resposta diferente, podemos encontrar nossas respostas juntos.
A Deusa e o Deus são tanto o belo e o obscuro da natureza. Não
cultuamos a natureza desse modo; alguns Wiccanos provavelmente
diriam que nem sequer cultuam a Deusa e o Deus. Nós não nos
curvamos para as deidades; nós trabalhamos com Eles para criar um
mundo melhor.
Isto é o que faz da Wicca uma religião verdadeiramente
participativa.

Capítulo 3 – Magia
É do conhecimento comum, mesmo entre as massas, que as Bruxas
praticam magia. Pode haver idéias distorcidas acerca do tipo de
magia praticado, mas a Bruxa é firmemente associada, na cultura
popular, às artes mágicas.
A Wicca é, como já vimos, uma religião que engloba a magia como um
de seus conceitos básicos. Isto não é estranho. Na verdade, é
normalmente difícil distinguir onde termina a religião e onde
começa a magia, em qualquer fé.
Ainda assim, a magia tem papel especial na Wicca. Ela nos permite
melhorar nossas vidas e devolver energia ao nosso tão maltratado
planeta. Os Wiccanos também estabelecem relações especiais com
a Deusa e com o Deus por meio da magia. Isto não quer dizer que
todo encantamento é uma oração, nem são as invocações
encantamentos com palavras diferentes. Ao trabalharmos com as
forças que o Deus e a Deusa encarnam, nós nos aproximamos deles.
O ato de chamarmos por seus nomes e visualizarmos sua presença
durante os encantamentos e ritos cria um elo entre o Divino e os
humanos. Assim, na Wicca, a magia é uma prática religiosa.
Defini a magia um sem-número de vezes em meus livros.
Surpreendentemente, esta é uma tarefa difícil. A minha mais
recente e mais refinada definição é:
A magia é a projeção das forças naturais para gerar efeitos
necessários.
Há três fontes principais de tal energia - o poder pessoal, o poder
da Terra e o poder divino.
O poder pessoal é a força vital que sustenta nossas existências
terrenas. Ela move nossos corpos. Nós absorvemos energia da Lua e
do Sol, da água e dos alimentos. Liberamos essa energia durante os
movimentos, os exercícios, o sexo e o parto. Até mesmo respirar
libera energia, apesar de recuperarmos o que foi perdido com a
inspiração.
Na magia, o poder pessoal é gerado, imbuído de um propósito
específico, liberado e direcionado ao seu objetivo.
O poder da Terra é o que reside no interior de nosso planeta e em
seus produtos naturais. Pedras, árvores, o vento, as chamas, a água,
cristais e aromas possuem poderes únicos, específicos, que podem
ser utilizados durante rituais de magia.
Um Wiccano pode mergulhar um cristal de quartzo em água salgada
para limpá-lo e em seguida pressioná-lo contra o corpo de uma
pessoa doente para enviar suas energias curativas. Ou, ainda, ervas
podem ser espargidas ao redor de uma vela acesa para produzir um
efeito mágico específico. Óleos são aplicados no corpo para
efetivar alterações internas.
Tanto o poder pessoal como o da Terra são manifestações do poder
divino. Esta é a energia existente na Deusa e no Deus - a força
vital, a fonte do poder universal que criou tudo aquilo que existe.
Os Wiccanos invocam a Deusa e o Deus para abençoar sua magia
com poder. Durante os rituais eles podem direcionar o poder
pessoal às deidades, pedindo para que uma determinada
necessidade seja atendida. Isto é magia verdadeiramente religiosa.
Portanto, a magia é um processo pelo qual os Wiccanos operam em
harmonia com a fonte do poder universal, a qual visualizamos como a
Deusa e o Deus, assim como com as energias pessoal e da terra,
para que melhoremos nossas vidas e para levar energia à Terra.
Magia é um método pelo qual os indivíduos, sob predestino nenhum
que não o por eles mesmo determinado, assumem o controle de suas
vidas.
Ao contrário do que reza a crença popular, a magia não é
sobrenatural. Na verdade, é uma prática oculta (escondida) imbuída
em milênios de segredos, calúnias e desinformação, mas é uma
prática natural que se utiliza de poderes genuínos ainda não
descobertos ou catalogados pela ciência.
Isto não invalida a magia. Nem mesmo cientistas declaram saber
tudo sobre nosso universo. Se assim o fizessem, o campo da
investigação científica simplesmente não existiria. Os poderes que
os Wiccanos utilizam um dia serão documentados e assim perderão
seu mistério. Tal já ocorreu, em parte, com a hipnose e a psicologia,
e pode em breve acontecer com a percepção extra-sensorial. O
magnetismo, sem dúvida, era um aspecto firmemente estabelecido
da magia até ser "descoberto" pela ciência. Mas, ainda hoje, ímãs
são utilizados em encantamentos e talismãs, e tais forças
despertam antigos sentimentos estranhos.
Brinque com dois ímãs. Veja as forças invisíveis resistindo-se e
atraindo-se de uma maneira aparentemente sobrenatural.
A magia é similar. Apesar de aparentar ser completamente ilógica,
sem embasamento em fatos, ela funciona de acordo com suas
próprias regras e lógica. Só porque não é plenamente compreendida
não quer dizer que ela não exista. A magia é eficaz para causar
manifestações de mudanças necessárias.
Isto não é enganar-se a si mesmo. A magia praticada de modo
correto funciona, e nenhuma tentativa de explicação alterará este
fato.
Eis aqui a descrição de um típico ritual de velas. Usarei a mim
mesmo como exemplo. Digamos que preciso pagar uma conta de
telefone de cem dólares, mas não tenho dinheiro. Meu objetivo
mágico: meios para pagar a conta.
Decido utilizar um ritual para ajudar a direcionar minha
concentração e visualização. (Veja Capítulo 11. Exercícios e
Técnicas de Magia.) Ao checar meu material de magia, percebo que
tenho velas verdes, óleo de patchuli, uma boa quantidade de ervas
que atraem dinheiro, papel-pergaminho e tinta verde.
Em meu altar, acendo as velas que representam a Deusa e o Deus,
enquanto silenciosamente invoco sua presença. A seguir, ateio fogo
a um pedaço de carvão e esparjo sobre ele canela e sálvia como um
incenso mágico de prosperidade.
Faço um desenho da conta de telefone no papel, marcando
claramente o total em números. Enquanto desenho, visualizo o papel
não mais como um simples papel; é a própria conta.
A seguir, desenho um quadrado em torno da conta, que simboliza
meu controle sobre ela, e faço um grande "x" em torno dela,
cancelando efetivamente sua existência (o que de fato ocorrerá
quando eu a pagar).
Agora passo a visualizar a conta sendo paga em sua totalidade.
Posso escrever isto sobre o desenho, fazendo com que pareça ser
um carimbo com essas palavras. Visualizo-me olhando para meu talão
de cheques, vendo que o saldo será suficiente para cobrir o cheque,
e a seguir preencho o cheque.
Então, unto uma vela verde com óleo de patchuli, das extremidades
para o centro, enquanto digo algo como o que se segue:
Chamo pelas forças da Deusa Mães e do Deus Pai,
chamo pelas forças da Terra, do Ar do Fogo e da
Água, chamo pelo Sol, pela Lua e pelas estrelas para
que me tragam os fundos para pagar essa conta.
Ainda visualizando, posiciono a vela em seu suporte diretamente em
cima do desenho da conta. Esparjo ervas ao redor da base da vela,
declarando (e visualizando) que cada uma delas está enviando sua
energia para meu objetivo:
Sálvia, erva de Júpiter, envie seus poderes para meu
encantamento.
Canela, erva do Sol, envie seus poderes para meu
encantamento.
Feito isto, ainda visualizando minha conta como paga em seu total,
acendo a vela e, enquanto a chama brilha, libero a energia que
concentrei no desenho.
Deixo que a vela se queime por dez, quinze minutos ou mais,
dependendo de minha habilidade em manter a visualização. Vejo a
vela absorvendo a energia que concentrei no desenho. Vejo as ervas
canalizando sua energia para a chama da vela, e as energias
combinadas das ervas, da vela, do óleo de patchuli e do desenho -
somadas ao meu poder pessoal - fluem da chama e partem para
fazer com que meu objetivo mágico se manifeste.
Quando não puder mais manter a concentração, retiro o desenho,
ateio-lhe fogo com a vela, seguro-a por alguns instantes enquanto
queima e em seguida atiro-a no pequeno caldeirão que fica ao lado
de meu altar.
Isto feito, permito que a vela se consuma, ciente de que o ritual
surtirá efeito.
Após um dia ou dois, talvez uma semana, poderei receber um
dinheiro inesperado (ou atrasado), ou conseguirei saldar outras
obrigações financeiras de modo que possa pagar a conta de
telefone.
Como isso funciona? A partir do momento que decido praticar um
ato de magia, estou operando magia. Pensar sobre magia põe o
poder pessoal em movimento. Durante todo o processo - agrupar o
material, desenhar a conta, acender a vela, visualizar - estou
despertando e imbuindo o meu poder pessoal com minha
necessidade mágica. Durante o próprio ritual, libero esse poder na
vela. Quando finalmente queimo o desenho, a última dessas energias
é liberada e inicia o trabalho para que me seja possível pagar a
conta.
Posso não ser capaz de dizer exatamente como a magia funciona,
mas apenas que ela de fato funciona. Felizmente, não precisamos
saber disso; basta sabermos como fazê-la funcionar.
Não sou perito em eletricidade, mas posso ligar minha torradeira na
tomada e torrar meu pão integral. Do mesmo modo, na magia nós nos
"ligamos" a energias que nos circundam e nos rodeiam.
Há muitos modos de se praticar magia. Os Wiccanos geralmente
escolhem formas simples e naturais, apesar de alguns preferirem
cerimoniais elaborados, emprestados de clássicos como Key of
Solomon ("Chave de Salomão", ver Bibliografia). Normalmente,
entretanto, envolvem ervas, cristais e pedras; a utilização de
símbolos e cores; gestos mágicos, música, voz, dança e transe;
projeção astral, meditação, concentração e visualização.
Há, literalmente, milhares de sistemas de magia, mesmo entre os
próprios Wiccanos. Por exemplo, existem inúmeros modos mágicos
de trabalhar com cristais, ervas ou símbolos, e combinando-os
criam-se ainda mais sistemas.
Foram publicados muitos e muitos livros sobre sistemas de magia,
alguns deles listados na Bibliografia. Em meus livros, já discuti os
poderes dos elementos, dos cristais e das ervas. Nesta obra, o
tema da magia de runas é explorado como um exemplo de um
sistema mágico em si só, com dicas de como combiná-los com outros
sistemas.
Tais sistemas não são necessários para a prática bem-sucedida de
magia. Praticar magia com a mera manipulação de instrumentos
como eras e cristais é ineficaz, pois o verdadeiro poder da magia
está dentro de nós mesmos - o dom do Divino.
Portanto, não importa qual seja o sistema de magia, devemos
infundir o poder pessoal à necessidade, e em seguida liberá-lo. Na
magia Wiccana, o poder pessoal é reconhecido como uma ligação
direta com a Deusa e com o Deus. A Magia, portanto, é um ato
religioso com os quais os Wiccanos se unem a suas deidades para
melhorarem a si mesmos e ao seu mundo.
Isto é relevante - a magia é uma prática positiva. Os Wiccanos não
praticam magia destrutiva, manipulativa ou exploratória. Uma vez
que reconhecem que o poder atuante na magia é, em sua essência,
proveniente da Deusa e do Deus, práticas negativas constituem um
verdadeiro tabu. Magia "maléfica" é um insulto a si mesmo, à raça
humana, à Terra, à Deusa e ao Deus, e ao próprio universo. As
conseqüências podem ser imaginadas.
A energia da magia é a própria energia da vida.
Qualquer um pode praticar magia - dentro de um contexto religioso
ou não. Se certas palavras ou gestos surgem em sua mente durante
um encantamento e parecem adequados, use-os. Se não conseguir
encontrar um ritual que lhe agrade ou que seja apropriado para suas
necessidades, crie um. Não é necessário escrever belas poesias ou
criar coreografias para trinta dançarinos portando incenso e treze
sacerdotisas cantantes.
Pelo menos, acenda uma vela, acomode-se diante dela e concentrese
em sua necessidade mágica. Confie em si mesmo.
Se realmente desejar conhecer a natureza da magia, pratique-a!
Muitos temem a magia. Aprenderam (com não-praticantes) que ela é
perigosa. Não tema. Atravessar a rua também é perigoso. Mas, se
fizer do jeito certo, tudo bem.
Certamente, o único meio de descobrir isso é atravessando a rua.
Se sua magia possuir amor, não correrá nenhum risco.
Chame pela Deusa e pelo Deus para protegê-lo e ensinar-lhe os
segredos da magia. Peça a pedras e plantas que lhe revelem seus
poderes - e preste-lhes atenção. Leia o quanto puder, descartando
informações negativas ou perturbadoras.
Aprenda pela prática, e a Deusa e o Deus o abençoarão com tudo
aquilo de que realmente necessita.

Capítulo 4 - Instrumentos
Assim como em outras religiões, alguns objetos são utilizados em
Wicca com finalidades ritualísticas. Tais instrumentos são
utilizados para evocar as Deidades, afastar a negatividade,
direcionar energia por meio do toque e da intenção.
Alguns instrumentos da Bruxa (a vassoura, o caldeirão e o bastão
mágico) assumiram papéis importantes no folclore e na mitologia
contemporâneos. Graças à popularização das fábulas e ao trabalho
dos estúdios Disney, milhões de pessoas sabem hoje que se utilizam
caldeirões para preparar poções e para transformar o feio em belo.
A maioria das pessoas, no entanto, ignora a poderosa magia por trás
desses instrumentos e seu simbolismo dentro da Wicca.
Para praticar Wicca, devemos possuir ao menos alguns desses
instrumentos. Procure tais tesouros em antiquários, lojas de
bugigangas, feiras de trocas e mercados de pulgas. Ou então
escreva para fornecedores de artigos para ocultismo. Apesar de
difíceis de ser encontrados, qualquer esforço é válido para a
obtenção de seus instrumentos rituais.
Tais instrumentos não são necessários para a prática da Wicca.
Ainda assim, eles enriquecem os rituais e simbolizam energias
complexas. Os instrumentos não possuem poderes outros que não os
que nós mesmos lhes conferimos.
Alguns dizem que devemos utilizar instrumentos mágicos até que
não sejam mais necessários. Talvez seja melhor usá-los enquanto
nos sentimos confortáveis com isso.

A Vassoura
As Bruxas usam vassouras em magia e em rituais. É um instrumento
sagrado tanto à Deusa como ao Deus. Isto não constitui novidade;
no México pré-colombiano uma espécie de deidade bruxa,
Tlazelteotl, era representada voando nua sobre uma vassoura. Os
chineses cultuam uma deusa das vassouras que é invocada para
trazer bom tempo em períodos de chuva.
Além disso, provavelmente devido a seu formato fálico, a vassoura
se tornou um instrumento poderoso contra pragas e praticantes de
magia negra. Quando colocada no chão transversalmente à entrada
da casa, a vassoura barra quaisquer encantamentos lançados contra
a casa ou seus ocupantes. Uma vassoura sob o travesseiro traz
sonhos agradáveis e protege a pessoa.
As Bruxas européias passaram a ser identificadas com as vassouras
porque ambas eram associadas à magia pelo conhecimento popular e
religioso. As Bruxas eram acusadas de voar em cabos de vassoura, e
isso era considerado uma aliança com as "forças obscuras". Tal
ação, se pudesse ser praticada, seria realmente sobrenatural, e
assim, demoníaca a seus olhos, contrastando com as simples curas e
encantos de amor realmente praticados pelas Bruxas. Obviamente,
o mito foi criado pelos perseguidores de Bruxas.Alguns Wiccanos
afirmam que bruxas "voavam" em vassouras pulando no solo, do
mesmo modo como crianças em cavalinhos de pau, para promover a
fertilidade dos campos. Acredita-se, ainda, que as lendas de bruxas
voando em vassouras eram uma explicação pouco sofisticada para a
projeção astral.
Ainda hoje a vassoura é utilizada na Wicca. Um Wiccano pode
iniciar um ritual varrendo levemente a área (dentro ou fora de casa)
com sua vassoura mágica. Após isso, o altar é preparado, os
instrumentos são nele arrumados e o ritual pode assim ser iniciado.
(Veja Capítulo 13. Planejamento de Rituais.)
Este ato de varrer é mais do que uma limpeza física. Na verdade, os
pêlos da vassoura nem precisam tocar o chão. Enquanto varre, o
Wiccano pode visualizar a vassoura eliminando os excessos astrais
que surgem onde humanos vivem. Isto purifica a área, permitindo
assim melhores trabalhos rituais.
Sendo a vassoura um purificador, ela é associada ao elemento da
Água. Assim, é também utilizada em todos os tipos de
encantamentos com água, inclusive os de amor e de trabalhos
psíquicos.
Muitas Bruxas colecionam vassouras, e sem dúvida sua infindável
variedade e os materiais exóticos utilizados em sua confecção
tornam este um hobby interessante.
Se desejar fazer sua própria vassoura mágica, pode tentar a velha
fórmula de utilizar um cabo de freixo, galhos de bétula amarrados
com ramos de salgueiro. O freixo é protetivo, a bétula purificante e
o salgueiro é sagrado à Deusa.
Obviamente, um galho de qualquer árvore ou arbusto pode ser
utilizado no lugar da vassoura (ao cortá-lo, agradeça à árvore pelo
sacrifício, utilizando palavras como as contidas na seção "Um Guia
Herbáceo" do Livro de Sombras das Pedras Erguidas, Seção III).
Pode-se usar também uma pequena vassoura de folhinhas de pinho.
Nos antigos casamentos escravos na América, assim como nas
núpcias Ciganas, o casal geralmente pulava ritualmente por sobre
uma vassoura para solenizar sua união. Tais casamentos eram
comuns até tempos recentes, e ainda hoje casamentos Wiccanos e
pagãos incluem um pulo por sobre uma vassoura.
Muitos encantamentos antigos envolvem a utilização de vassouras.
Em geral, a vassoura é um instrumento purificador e de proteção,
utilizado para limpar ritualisticamente a área de magia ou para
proteger um lar ao ser colocada na entrada, sob a cama, em peitoris
de janelas ou nas portas.
A vassoura utilizada em magia, como todos os instrumentos
mágicos, deve ser reservada para esse único fim. Se desejar
comprar uma vassoura, tente encontrar uma arredondada; as
vassouras horizontais aparentemente não possuem o mesmo efeito.

Bastão
O bastão é um dos instrumentos mais importantes. Tem sido
utilizado há milhares de anos em ritos mágicos e religiosos. É um
instrumento de invocação. A Deusa e o Deus podem ser chamados
para assistirem ao ritual por meio de palavras e de um bastão
erguido. Também é por vezes utilizado para direcionar energia,
para desenhar símbolos mágicos ou um círculo no solo, para indicar
a direção de perigo quando perfeitamente equilibrado na palma da
mão ou no braço de um Bruxo, ou mesmo para mexer um preparado
em um caldeirão. O bastão representa o elemento do Ar para alguns
Wiccanos, e é sagrado para os Deuses.
Há madeiras tradicionais para a confecção de um bastão, dentre
elas o salgueiro, o sabugueiro, o carvalho, a macieira, o pessegueiro,
a avelã e a cerejeira. Alguns Wiccanos a cortam com o comprimento
da ponta de seu cotovelo até a extremidade de seu indicador, mas
isto não é necessário. Qualquer peça relativamente reta de madeira
pode ser utilizada; até mesmo uma cavilha comprada em uma loja de
ferramentas serve, e já vi bastões maravilhosamente esculpidos ou
pintados feitos a partir destas.
A consciência (e o marketing) da Nova Era resgatou o destaque dos
bastões. Criações maravilhosas de prata e com cristais de quartzo
estão à sua disposição numa vasta gama de tamanhos e preços.
Certamente, podem ser utilizados em rituais de Wicca, apesar de os
de madeira possuírem uma história mais antiga.
A princípio, não se preocupe com a busca pelo bastão ideal; ele virá
até você. Utilizei um pedaço de raiz de alcaçuz como bastão por
algum tempo, e obtive bons resultados com ele.
Qualquer madeira que utilizar será imbuída com energia e poder.
Encontre uma que lhe seja confortável, e pronto.

Incensário
O incensário é um queimador de incenso. Pode ser feito de metal,
de forma complexa, como o utilizado pela igreja católica, ou uma
simples concha do mar. O incensário é o suporte para o incenso
aceso durante os rituais Wiccanos.
Se não conseguir obter um incensário apropriado, confeccione um
você mesmo. Qualquer pote ou taça cheio até a metade com areia ou
sal funciona a contento. O sal ou a areia absorvem o calor do carvão
ou incenso e evita que o pote se quebre. Varetas de incenso também
podem ser insertas no sal, e pode-se ainda apoiar os cones em sua
superfície.
A utilização de incenso em rituais e em magia é uma arte em si só e
por si só. Quando nenhum incenso específico for necessário para
rituais e encantamentos, use sua intuição e criatividade para
determinar a combinação a ser feita.
Podem ser utilizados incensos em varetas, em cone ou em tijolinhos,
mas a maioria dos Wiccanos prefere incenso cru ou granulado, do
tipo que deve ser queimado sobre pedrinhas de carvão, disponíveis
em fornecedores de artigos para ocultismo. Qualquer um serve.
Na magia cerimonial, por vezes pede-se a aparição visual de
"espíritos" por meio da fumaça que emana dos incensos. Mesmo não
sendo isto uma característica da Wicca, a Deusa e o Deus podem
eventualmente ser vistos na fumaça que se enrola. Sentar-se
respirando lentamente enquanto se observa a fumaça pode induzir a
estados de transe, que nos leva a estados alterados de consciência.
Rituais Wiccanos, quando praticados no interior de prédios, não
serão completos sem um incenso. Ao ar livre, uma fogueira pode
substituí-lo, ou mesmo incensos de vareta afixados no solo.
Portanto, o incensário é uma importante peça para rituais internos.
Para alguns Wiccanos, o incensário representa o elemento do Ar. É
geralmente posicionado diante das imagens das Deidades no altar,
se houver.

Caldeirão
O caldeirão é o instrumento da Bruxa por excelência. É um antigo
recipiente culinário, imbuído em mistério e tradição mágica. O
caldeirão é o recipiente no qual ocorrem as transformações
mágicas; o cálice sagrado, a fonte santa, o mar da Criação Básica.
A Wicca vê o caldeirão como um símbolo da Deusa, a essência
manifesta da feminilidade e da fertilidade. É também um símbolo do
elemento da Água, da reencarnação, da imortalidade e da
inspiração. As lendas Celtas acerca do caldeirão de Kerridwen
tiveram grande impacto na Wicca contemporânea.
O caldeirão é geralmente um ponto central dos rituais. Durante os
ritos da primavera, é por vezes cheio com água fresca e flores; no
inverno, acende-se fogo dentro do caldeirão para representar o
retorno do calor e da luz do Sol (o Deus) vindo do caldeirão (a
Deusa). Isto está ligado a mitos agrícolas nos quais o Deus nasce no
inverno, atinge a maturidade no verão e morre após a última
colheita (ver Capítulo 8. Dias de Poder).
Idealmente, o caldeirão deve ser feito de ferro, apoiando-se em
três pés e com a boca menor do que sua parte mais bojuda. Pode ser
difícil encontrar um caldeirão, mesmo os menores, mas uma busca
cuidadosa em geral nos leva a algum tipo de caldeirão. Algumas lojas
por catálogo possuem caldeirões, mas não regularmente. Aconselhase
investigar esses fornecedores.
Caldeirões podem ser encontrados em vários tamanhos, desde
aqueles com alguns centímetros de diâmetro até monstros com raio
de cerca de meio metro. Eu coleciono alguns, inclusive um antigo,
reservado para fins rituais.
O caldeirão pode-se tornar um instrumento de scrying
("contemplação") ao ser cheio com água e ter seu fundo escuro
observado. Pode também servir como um recipiente no qual
preparar as famigeradas bebidas Wiccanas, mas tenha em mente
que um fogo forte e muita paciência são necessários para ferver
líquidos em caldeirões grandes. A maioria dos Wiccanos utiliza
fogões e panelas hoje.
Se tiver dificuldade em encontrar um caldeirão, persista e um
acabará materializando-se. Certamente, não há mal em pedir para
que a Deusa e o Deus ponham um em seu caminho.

Faca Mágica
A faca mágica (ou athame) possui uma antiga história. Não é
utilizada como instrumento de corte na Wicca, mas sim para
direcionar a energia gerada durante ritos e encantamentos.
Raramente é utilizada para invocar ou chamar as deidades, pois é
um instrumento de comando e manipulação de poder. É melhor
chamar pela Deusa e pelo Deus.
A faca é geralmente cega, normalmente de fio duplo e com um cabo
preto ou escuro. O preto absorve poder. Quando utilizada em
rituais (ver O Livro de Sombras das Pedras Erguidas) para
direcionar energia, um pouco de seu poder é absorvido pelo cabo -
apenas uma quantidade ínfima -, o qual pode ser evocado
posteriormente. Do mesmo modo, por vezes a energia gerada em
rituais Wiccanos é canalizada à faca para uso posterior. Estórias de
espadas com poderes e nomes mágicos são bem comuns na
literatura mítica, e espadas são simplesmente grandes facas.
Alguns Wiccanos entalham símbolos mágicos em suas facas,
normalmente tirados da Chave de Salomão, mas isto não é
necessário. Como em muitos instrumentos de magia, a faca se torna
poderosa com seu toque e com sua utilização. Entretanto, se assim
desejar, entalhe palavras, símbolos ou runas em sua lâmina ou cabo.
Uma espada é por vezes utilizada em Wicca, pois possui todas as
propriedades de uma faca, mas pode ser de difícil manuseio em
rituais internos devido a seu tamanho.
Graças ao simbolismo da faca, a qual é um instrumento que causa
mudanças, é comumente associada ao elemento do Fogo. Sua
natureza fálica a associa ao Deus.

Faca de Cabo Branco
A faca de cabo branco (por vezes chamada de Bolline) é
simplesmente uma faca prática, de trabalho, ao contrário da
puramente ritualística faca mágica. É utilizada para cortar galhos
ou ervas sagradas, inscrever símbolos em velas ou na madeira, cera
ou argila, e para cortar cordas a serem utilizadas em magia.
Normalmente possui cabo branco para distingui-la da faca mágica.
Algumas tradições Wiccanas rezam que a faca de cabo branco seja
utilizada apenas dentro do círculo mágico. Isto, obviamente,
limitaria sua utilidade. A mim parece que utilizá-la apenas para fins
rituais (como colher flores no jardim para serem colocadas no altar
durante rituais) confirma o aspecto sagrado desse instrumento e
permite, assim, que seja utilizado fora do "espaço sagrado".
Bola de Cristal
Cristais de quartzo são extremamente populares hoje, mas a bola
de cristal de quartzo é um antigo instrumento mágico. É
extraordinariamente caro, variando de vinte a milhares de dólares,
dependendo do tamanho. A maioria das bolas de cristal no mercado
atualmente são de vidro, vidro temperado ou mesmo plástico. Bolas
de cristal de quartzo genuínas podem ser identificadas por seu alto
preço e por incrustações ou irregularidades.
O cristal vem há muito sendo utilizado na adivinhação
contemplativa. O adivinho encara fixamente a bola até aflorarem as
suas faculdades psíquicas, e imagens, vistas mentalmente ou
projetadas no interior do cristal, revelam a informação necessária.
Em rituais de Wicca, os cristais são por vezes posicionados no altar
para representar a Deusa. Sua forma (esférica) simboliza a Deusa,
assim como todos os círculos e circunferências, e sua temperatura
fria (outro modo de detectar cristal genuíno) simboliza as
profundezas do mar, o domínio da Deusa.
Assim, o cristal pode também ser utilizado para receber mensagens
dos Deuses, ou para armazenar a energia gerada no ritual. Alguns
Wiccanos olham fixamente para o cristal para atrair imagens da
Deusa ou de vidas passadas. É um objeto mágico tocado pelo divino.
Se encontrar uma, guarde-a com cuidado.
Sua exposição periódica à luz da lua, ou o ato de esfregar artemísia
fresca em sua superfície, aumentará sua habilidade de ativar
nossos poderes psíquicos. Bolas de cristal podem ser o centro de
rituais da Lua Cheia.

O Cálice
O cálice é apenas um caldeirão apoiado num pé. Simboliza a Deusa e
a fertilidade, e relaciona-se ao elemento da Água. Apesar de poder
ser usado para conter água (a qual está constantemente presente
no altar), pode também conter a bebida ritual a ser sorvida durante
o ritual.
O cálice pode ser feito de praticamente qualquer material: prata,
bronze, ouro, barro, pedra-sabão, alabastro, cristal e outros
materiais.

Pentagrama
O pentagrama consiste, normalmente, em uma peça plana de latão,
ouro, prata, madeira, cera ou cerâmica, com alguns símbolos
inscritos. O mais comum, e sem dúvida o único necessário, é o
próprio pentagrama, a estrela de cinco pontas que vem sendo
utilizada em magia há milênios.
O pentagrama foi "emprestado" da magia cerimonial. Nesta antiga
arte, era geralmente usado como um instrumento de proteção, ou
uma ferramenta para evocar espíritos. Na Wicca, o pentagrama
representa o elemento da Terra e é um instrumento adequado à
consagração ritual de amuletos, talismãs ou outros objetos. É por
vezes utilizado para chamar pelos Deuses e pelas Deusas.
Pentagramas também costumam ser pendurados sobre portas e
janelas para agir como protetores, ou ser manipulados em rituais
para atrair dinheiro devido à sua associação com a Terra.
O Livro de Sombras
O Livro de Sombras é um livro de exercícios da Wicca que contém
invocações, padrões de rituais, encantamentos, runas, regras de
magia, e assim por diante. Alguns Livros de Sombras são passados
de um Wiccano a outro, normalmente na iniciação, mas a grande
maioria dos Livros atualmente é criada pelo Wiccano individual.
Não acredite nas estórias contidas em outros livros de Wicca
acerca de um único Livro de Sombras que teria sido passado desde
a antigüidade, pois aparentemente cada facção da Wicca declara
ser o seu o original, e todos eles são diferentes.
Apesar de até recentemente um Livro de Sombras ser escrito à
mão, atualmente versões datilografadas ou mesmo fotocopiadas são
comuns. Alguns Wiccanos estão até mesmo informatizando seus
livros - criando, como alguns amigos costumam dizer, os "Floppy
Discs das Sombras".
Para elaborar seu próprio Livro das Sombras, adquira qualquer livro
em branco - disponíveis em lojas de arte e livrarias. Se não
conseguir encontrar um, um caderno pautado servirá. Simplesmente
escreva nele todos os rituais, encantamentos, invocações e
informações acerca da magia que deseja preservar.
Lembre-se: todos os Livros de Sombras (inclusive o da Seção III)
são sugestões para rituais, não "escrituras sagradas". Jamais sintase
atado àquelas palavras. Na verdade, muitos bruxos utilizam
pastas com ferragens, para permitir que alterem a ordem das
páginas, acrescentando ou retirando informações de seus Livros das
Sombras à vontade.
É aconselhável copiar seus encantamentos e ritos à mão. Isso não só
assegura que você leia toda a obra, como também torna mais fácil a
sua leitura à luz de velas. Teoricamente, todos os ritos são
memorizados (nada é mais perturbador do que Ter de ler ou dar
olhadelas constantes no livro) ou criados espontaneamente, mas se
desejar ler seus ritos certifique-se de que as cópias são legíveis à
luz bruxuleante do fogo.

Sino
O sino é um instrumento ritual de inestimável antigüidade. O toque
de um sino libera vibrações com efeitos poderosos de acordo com
seu volume, tom e material utilizado.
O sino é um símbolo feminino e, portanto, normalmente utilizado
para invocar a Deusa em rituais. É também tocado para afastar
encantamentos e espíritos malignos, para interromper tempestades
ou para evocar energias positivas. Sobre estantes ou acima da
porta, eles protegem a morada. Sinos são por vezes tocados em
rituais para assinalar seções diversas ou marcar o início ou o fim de
um encantamento.
Qualquer tipo de sino pode ser utilizado.
Estes são alguns dos instrumentos utilizados em rituais de Wicca.
Utilizá-los, familiarizando-se com seus poderes e imbuindo-os com
sua própria energia, faz com que sua utilização passe a ser natural.
Encontrá-los pode ser um problema, mas podemos encarar isto como
um teste sobre a seriedade de seu interesse pela Wicca.
À medida que encontra cada instrumento, pode prepará-lo para
rituais. Se forem velhos, você deve purgá-los de quaisquer
associações e energias; você não sabe quem possuiu o instrumento,
nem os propósitos com os quais teriam sido usados.
Para começar este processo, limpe o instrumento fisicamente,
usando o método apropriado. Quando estiver limpo e seco, enterreo
(na Terra ou num vaso de terra, areia ou sal) por alguns dias, para
que as energias se dispersem. Outro método consiste em mergulhar
o objeto no mar, num rio ou lago, ou mesmo em sua banheira, após
purificar a água com algumas pitadas de sal.
Não arruine uma peça de madeira molhando-a; do mesmo modo, não
danifique o acabamento de outro objeto por seu contato com o sal.
Use o método mais apropriado para cada instrumento.
Após alguns dias, desenterre o instrumento, limpe-o e estará
pronto para a magia. Se utilizar o método da água, deixe o objeto
submerso por algumas horas e seque-o a seguir. Se desejar, repita
até que o instrumento esteja limpo, fresco, novo.
Cerimônias de consagração podem ser encontradas na Seção III,
assim como ritos preparatórios na Seção Guia Herbáceo. Ambos são
opcionais; siga o que sua intuição indicar.
Capítulo 5 - Música, Dança e Gestos
A Wicca atribui a diferença que percebemos entre o mundo físico e
o não-físico às nossas limitações por sermos seres baseados em
matéria. Alguns dos instrumentos utilizados na prática da religião
são realmente não-físicos. Três dos mais eficazes dentre estes são
a música, a dança e os gestos.
Tais técnicas são utilizadas para gerar poder, alterar a consciência
e comungar com a Deusa e com o Deus - para atingir o êxtase. Estas
técnicas normalmente são parte integrante de rituais, e
seguramente os ritos mais eficazes e poderosos podem utilizar
apenas esses instrumentos. (Um ritual totalmente composto por
gestos pode ser encontrado na Seção III: O Livro de Sombras das
Pedras Erguidas.)
A música e a dança estão entre os mais antigos atos religiosos e de
magia. Nossos ancestrais provavelmente já se utilizavam da magia
de sinais com as mãos e da postura corporal antes mesmo que a fala
estivesse completamente desenvolvida. O simples gesto de apontar
um dedo ainda possui fortes efeitos emocionais, desde a indicação
de um réu como o culpado de um crime por uma testemunha até a
seleção de um esperançoso candidato em um leilão cercado por um
mar de concorrentes.
A música é, tecnicamente, formada por ondas sonoras que podem
ser mensuradas fisicamente. Entretanto, é impossível segurar a
música com nossas mãos - apenas os instrumentos que a produzem.
A primeira música foi provavelmente rítmica. Os humanos logo
descobriram que podiam produzir ritmos e sons agradáveis ao bater
em várias partes de seus corpos, notadamente as coxas e o peito. O
bater de palmas cria um som distinto e claro, o qual ainda hoje é
utilizado por Wiccanos para liberar o poder pessoal durante rituais
de magia.
Instrumentos rítmicos como tambores de troncos foram
posteriormente utilizados para produzir sons mais encorpados.
Algumas pedras ressoam quando batidas, e assim nasceu outro tipo
de instrumento. Bambus, ossos e algumas conchas produzem sons
silvantes quando assopradas da forma correta. Sistemas xamânicos
ainda vigentes utilizam tais instrumentos.
Rituais menos intelectualizados podem ser mais eficazes
exatamente por evitar o consciente e falar diretamente à
consciência profunda, psíquica. A música e a dança nos envolvem
emocionalmente em ritos Wiccanos.
A idéia de dançar, cantar ou tocar música intimida alguns de nós.
Isto é o resultado natural de nossa sociedade cada vez mais
repressiva. Na Wicca, entretanto, a dança e a música ocorrem
somente perante as Deidades. Você não estará diante de uma
platéia, portanto não se preocupe se desafinar ou pisar em seu
próprio pé. Eles não se importam, e ninguém precisa saber o que
você faz diante dos Deuses em seus ritos.
Até mesmo pessoas sem a menor vocação musical são capazes de
bater uma pedra contra outra, balançar um chocalho, bater palmas
ou andar em círculos. Atualmente, alguns dos mais eficientes e
reconhecidos covens se utilizam de uma simples corrida ao redor do
altar para gerar poder. Chega de rituais ricamente coreografados.
Eis a seguir um pouco de fatos tradicionais sobre dança, música e
gestos. Se lhe interessar, sinta-se à vontade para incorporá-los a
seus rituais Wiccanos. Apenas uma sugestão: se sentir que seus
rituais estão muito austeros e pouco satisfatórios, se eles não
criam uma ligação com as deidades, talvez o problema seja uma
falta de conteúdo emocional. A música e a dança podem conferir um
envolvimento genuíno ao ritual, abrindo assim sua percepção acerca
da Deusa e do Deus. Durante a magia, podem criar acessos mais
livres ã energia.

Música
A música é simplesmente a reprodução dos sons da natureza. O
vento nos galhos das árvores, o ribombar do oceano contra
rochedos pontiagudos, o bater da chuva, o crepitar do fogo criado
por um raio, o canto de pássaros e o rugir de animais são alguns dos
"instrumentos" que criam a música da natureza.
Há muito os seres humanos integraram a música a rituais religiosos
e de magia, devido a seus efeitos poderosos. Os xamãs usam uma
batida constante de tambor para induzir transe, e um tambor pode
ser utilizado para controlar o ritmo de uma dança mágica. Além
disso, há muito credita-se à música a capacidade de acalmar animais
ferozes - assim como humanos.
A Música pode ser parte das atividades da Wicca de hoje. Pode-se
simplesmente encontrar peças adequadas, selecionadas da música
clássica, étnica, folclórica ou contemporânea, para executá-las
durante os rituais. Os Wiccanos com uma inclinação musical podem
criá-la antes, durante ou após rituais.
Meus rituais mais gratificantes e vívidos geralmente envolvem
música. Lembro-me de um dia, quando ocultei um pequeno gravador
atrás de uma árvore nas Montanhas Laguna. Estranhamente, a
música não entrou em conflito com o cenário de flores silvestres,
altos pinheiros e antigos carvalhos, mas sim enalteceu meu ritual
solitário.
Se possuir intimidade com algum instrumento, use-o em seus rituais.
Uma flauta, um violino, uma flauta doce, um violão, uma harpa
tradicional e outros instrumentos pequenos podem facilmente ser
incluídos em rituais, assim como tambores, chocalhos, sinos ou
mesmo copos de água a serem tocados com uma faca. Outros
instrumentos menos portáteis podem ser gravados para serem
reproduzidos durante o ritual.
Tais interlúdios musicais podem ser utilizados imediatamente antes
dos ritos para criar uma atmosfera; durante como uma oferenda à
Deusa e ao Deus ou para gerar energia; e após como uma forma de
celebração e prazer. Alguns Wiccanos compõem uma canção, a qual
é em realidade um rito, incluindo nela desde a criação do espaço
sagrado e a invocação das Deidades até o agradecimento por sua
presença. A magia musical é aquilo que realmente se desejar fazer
dela.
Quatro tipos distintos de instrumentos possuem poderes
específicos. O tambor, o chocalho, o xilofone e todos os
instrumentos de percussão (com exceção do sistro) são regidos pelo
elemento Terra. Portanto, tais instrumentos podem ser utilizados
para invocar fertilidade, atrair dinheiro, encontrar um emprego e
assim por diante. Podem também ser utilizados para evocar a Deusa
em rituais, ou para reunir, "a toque de caixa", a energia a ser
enviada para a Terra.
A flauta, transversal ou doce, assim como todos os instrumentos de
sopro, estão sob a regência do Ar, o elemento do intelecto, e assim
podem ser utilizados para aumentar os poderes mentais ou as
habilidades de visualização, para descobrir sabedoria ou
conhecimentos antigos, aumentar as faculdades psíquicas e atrair o
Deus.
O Fogo rege os instrumentos de corda tais como a lira, a harpa
(grande ou folclórica), o violão, o bandolim, o ukelele e outros. Tais
instrumentos podem ser utilizados em encantamentos ou ritos que
envolvam sexualidade, saúde e força física, paixão e força de
vontade, mudanças, evolução, coragem e destruição de hábitos
nocivos.
São também excelentes ferramentas a serem usadas antes dos
rituais para purificar a área em questão, bem como o celebrante.
Toque uma determinada canção, cante com o instrumento, ou
simplesmente caminhe pela área num círculo no sentido horário até
que o local esteja ecoando suas vibrações. As cordas também podem
ser usadas para invocar o Deus.
O metal ressonante, como os pratos, o sistro, o sino e o gongo,
simbolizam o elemento da Água. Uma vez que a água engloba a cura,
a fertilidade, a amizade, os poderes psíquicos, o amor espiritual, a
beleza, a compaixão, a felicidade e outras energias similares, sinos,
gongos ou pratos podem ser incluídos em tais ritos. O sistro de Ísis
nos assegura que o metal ressonante invoca a Deusa.
Encantamentos musicais (ao contrário dos puramente verbais)
podem ser simples e eficazes. Precisa de dinheiro? Sente-se
tranqüilamente vestido de verde e bata lentamente num tambor,
visualizando-se rico enquanto invoca a Deusa em Seu aspecto de
Fornecedora de Abundância.
Se estiver deprimido, encontre um sino com um tom agradável e
toque-o ritualmente, sentindo as vibrações do som eliminando sua
depressão e elevando seu ânimo. Ou então carregue um pequeno sino
consigo.
Quando tiver medo, toque um violão ou ouça música de violões
enquanto vê a si mesmo como alguém confiante e valente. Invoque o
Deus em seu aspecto Chifrudo, agressivo, protetor.
O canto, uma combinação de fala e música, pode ser prontamente
integrado a rituais Wiccanos. Alguns Wiccanos adequam cantos e
invocações a melodias, ou cantam quando assim o desejam durante
rituais.
Muitos Wiccanos nunca exploraram o assunto da magia musical,
simplesmente reproduzindo música gravada como fundo para seus
rituais. Nada de errado, mas integrar uma música criada por nós
mesmos (não importa o quão simples seja) aos nossos rituais pode
ser mais eficaz, desde que aprecie a peça.
Atualmente, pode-se encontrar um grande número de fitas cassete
Pagãs e de Wicca, ainda que sejam de qualidade variável. Algumas
canções podem ser utilizadas em rituais, mas a maioria funciona
melhor quando tocada durante os preparativos para o ritual, ou
depois, como relaxamento.
Incorporar a música apropriada aos rituais pode melhorar e muito a
experiência Wiccana.
Dança
A dança é certamente uma antiga prática ritual. É também um ato
mágico, pois o movimento físico libera energia do corpo, a mesma
energia utilizada em magia. Este "segredo" foi logo descoberto, e
desta forma a dança foi incorporada em magia e rituais para gerar
energia, alterar a consciência ou simplesmente honrar a Deusa e o
Deus com performances rituais.
Danças em grupo, como a dança espiral, são normalmente
executadas em trabalhos de covens. Em trabalhos individuais,
entretanto, não há limitações por tradição ou passos coreografados.
Sinta-se livre para mover-se do modo que desejar, não importa o
quão infantil ou "selvagem" possa parecer.
Em magia, muitos Wiccanos praticam um pequeno encantamento ou
manipulação ritual de alguma espécie (escrever runas, atar nós,
desenhar figuras na areia ou em ervas em pó, entoando o nome de
deidades) e em seguida praticam a verdadeira magia: gerar e
canalizar a energia mágica. Em geral, eles movem-se num círculo no
sentido horário, cada vez mais rápido, em torno do altar, seja
solitariamente ou num coven, observando as velas acesas no altar,
aspirando o incenso, liberando a si mesmos por meio de cantos e
intensa visualização. Quando o praticante alcança um ponto sem
retorno, no momento exato em que o corpo não pode mais gerar e
canalizar energia, o poder é então liberado em direção ao objetivo
mágico. Para tanto, alguns Wiccanos caem no solo, assinalando assim
o final do que é peculiarmente conhecido como "A Dança".
A dança é utilizada para gerar energia assim como para facilitar a
sintonia com as Deidades da natureza. Dance como o vento; como o
riacho descendo a montanha, como as chamas de uma árvore
atingida por um raio, como grãos de areia tocados durante uma
rajada, como flores revelando seu brilho numa ensolarada tarde de
verão. Enquanto dança, usando os movimentos que desejar, abra-se
para a Deusa e para o Deus.
Pense, por um instante, nos dervixes a girar, nas indomáveis danças
ciganas da Europa, na sensual dança do ventre do Oriente Médio, na
hula sagrada do antigo Havaí. A dança é um dos caminhos para o
Divino.

Gestos
Os gestos são o contraponto silencioso às palavras. Gestos podem
fortalecer rituais Wiccanos quando praticados juntamente a
invocações e danças, ou podem ser utilizados individualmente por
seu verdadeiro poder. Apontar (como já mencionado), utilizar os
dedos indicador e médio abertos formando um "v" e apresentar
vulgarmente um dedo médio erguido demonstra a variedade de
mensagens que podem ser enviadas pelos gestos, assim como a
quantidade de respostas emocionais que eles suscitam.
Em minha introdução à Wicca, alguns desses velhos gestos foram
usados. Em 1971, vi algumas fotos de gestos protetivos como a mano
figa (um punho fechado com o polegar entre o indicador e o médio)
e a mano cornuta, um "v" formado pelo indicador e pelo mínimo,
mostrados de cabeça para baixo. Há muito, ambos vêm sendo
utilizados para afastar maus-olhados e negatividade, e o último é
utilizado na Wicca, apontado para cima, para representar o Deus em
seu aspecto Chifrudo.
Alguns dias mais tarde, em meu primeiro ano de colegial, fiz esses
dois gestos para uma garota que acabara de conhecer. Não havia
nenhuma razão lógica para isso; apenas parecia o certo. Ela olhou
para mim, sorriu e perguntou se eu era um bruxo. Eu disse que não,
mas gostaria de ser. Ela passou a me treinar.
O significado mágico dos gestos é complexo, e origina-se do poder
das mãos. A mão pode curar ou matar, acariciar ou apunhalar. É um
canal pelo qual as energias são enviadas do corpo ou recebidas de
outros. Nossas mãos preparam altares mágicos, apanham bastões e
athames e apagam as chamas das velas ao concluirmos ritos
mágicos.
Mãos, enquanto meios por meio dos quais a maioria de nós ganha a
vida, simbolizam o mundo físico. Mas em seus cinco dedos reside o
pentagrama, o supremo símbolo de proteção; a soma dos quatro
elementos associada a Akhasha, o poder espiritual do universo.
As linhas em nossas mãos podem, para o iniciado, ser utilizadas para
acessar o inconsciente profundo e revelar coisas dificilmente
captadas pelo consciente. O quiromante não interpreta essas linhas
como ruas num mapa; são chaves para nossas almas, uma mandala de
carne que revela nosso mais profundo interior.
As mãos foram utilizadas como os primeiros instrumentos de
cálculo. Acreditava-se que possuíam qualidades e simbolismo tanto
masculino como feminino, e imagens de mãos são usadas ao redor do
mundo como amuletos.
Gestos em rituais Wiccanos podem facilmente tornar-se instintivos.
Ao invocar a Deusa e o Deus, as mãos podem ser erguidas
espalmadas para receber seu poder. A Deusa pode ser
individualmente invocada com a mão esquerda, com o polegar e com
o indicador erguidos em um semicírculo, enquanto o resto dos dedos
se enrola sobre a palma. Este gesto representa a Lua crescente. O
Deus é invocado com o indicador e com o médio erguidos, ou o
indicador e o mínimo erguidos, enquanto o polegar segura os outros
contra a palma, para representar chifres.
Os elementos podem ser invocados com gestos individuais quando
próximos das quatro direções: uma mão espalmada paralela ao chão
para invocar a Terra no norte; uma mão erguida, com os dedos bem
abertos, para invocar o Ar no leste; um punho erguido no sul para
convidar o Fogo, e uma mão em concha no oeste para invocar a Água.
Dois gestos, juntamente a posturas, vêm há muito sendo usados
para invocar a Deusa e o Deus, e receberam seus nomes. Assume-se
a posição da Deusa ao separar os pés cerca de 20cm, erguendo as
mãos com as palmas voltadas para cima, os cotovelos levemente
dobrados. Esta posição pode ser utilizada para chamar a Deusa ou
para sintonizar-se com Suas energias.
A posição do Deus consiste em manter os pés juntos no chão, o
corpo rigidamente ereto, braços cruzados no peito (em geral o
direito sobre o esquerdo), com as mãos fechadas em punhos.
Instrumentos como o bastão e o punhal mágico (athame) podem
eventualmente ser seguros nas mãos, ecoando a prática dos antigos
faraós do Egito, que seguravam um cajado e um mangual de modo
semelhante durante disputas.
Nos covens, a Alta Sacerdotisa e o Grande Sacerdote costumam
assumir tais posições quando invocam a Deusa e o Deus. Em
trabalhos individuais, podem ser utilizadas para identificarmo-nos
com os aspectos da Deusa e do Deus em nós, e também durante
ritos invocatórios separados.
Gestos também são utilizados em magia. Cada um dos dedos se
relaciona a um planeta específico, assim como a uma antiga deidade.
Uma vez que apontar é um ato mágico e é parte de muitos
encantamentos, podemos escolher o dedo de acordo com seu
simbolismo.
O polegar está ligado a Vênus e ao planeta Terra. Júpiter (tanto o
deus quanto o planeta) rege o indicador. O dedo médio é regido pelo
deus e pelo planeta Saturno, o anelar pelo Sol e por Apolo e o
mínimo pelo planeta Mercúrio assim como pelo deus que lhe dá nome.
Muitos encantamentos envolvem o apontar, com os dedos de Júpiter
e Saturno, normalmente para um objeto a ser carregado ou imbuído
em energia mágica. Visualiza-se o poder partindo dos dedos direto
para o objeto.
Outros gestos rituais utilizados em ritos Wiccanos incluem o
"cortar" de pentagramas nos quatro quartos ao desenhá-los no ar
com o punhal mágico, o bastão ou o indicador. Isto é feito para,
alternadamente, banir ou invocar os poderes elementais. É,
obviamente, praticado com a visualização.
A mão pode ser vista como um caldeirão, uma vez que pode conter
água; um athame, pois é utilizada para dirigir energia de magia; e um
bastão, por também poder invocar.
Gestos são instrumentos mágicos tão poderosos como quaisquer
outros, os quais podemos levar sempre conosco, para utilizá-los
quando necessário.

Capítulo 6 - Rituais e Preparação para Rituais
Defini ritual como "uma forma específica de movimento,
manipulação de objetos ou séries de processos internos com o
intuito de produzir efeitos desejados" (ver Glossário). Na Wicca, os
rituais são cerimônias que celebram e fortalecem nosso
relacionamento com a Deusa, o Deus e a Terra.
Tais rituais não precisam ser pré-planejados, ensaiados ou
tradicionais, tampouco deter-se servilmente a um determinado
formato ou padrão. Na verdade, os Wiccanos com quem falei sobre
este tópico concordam que rituais criados espontaneamente tendem
a ser os mais eficazes e poderosos.
Um rito Wiccano pode consistir em um celebrante solitário que
acende uma fogueira, entoa nomes sagrados e observa o surgir da
lua. Ou pode envolver dez ou mais pessoas, algumas das quais
assumem diversos papéis em peças míticas, ou recitam longos
trechos em honra aos Deuses. O rito pode ser antigo ou recémconcebido.
Sua forma externa não é importante, desde que consiga
atingir a consciência das deidades dentro do Wiccano.
Rituais Wiccanos normalmente têm lugar nas noites de lua cheia e
nos oito Dias de Poder, os antigos festivais sazonais e agriculturais
da Europa. Rituais são em geral de natureza espiritual, mas podem
também incluir trabalhos de magia.
Na Seção III encontra-se um livro completo de rituais, O Livro de
Sombras das Pedras Erguidas. O melhor método para aprender
Wicca é por meio de sua prática; deste modo, com o passar do
tempo, ao praticar rituais como os presentes neste livro ou escritos
por você mesmo, você obterá uma melhor compreensão acerca da
verdadeira natureza da Wicca.
Muitas pessoas dizem que desejam praticar Wicca, mas
permanecem inertes, convencendo a si próprias de que não podem
honrar a Lua Cheia com um ritual por não serem iniciadas, não
possuírem um instrutor ou não saberem o que fazer. Isto são meras
desculpas. Se tiver interesse em praticar Wicca, simplesmente o
faça.
Para o Wiccano solitário, a criação de novos rituais pode ser uma
atividade estimulante. Noites são consumidas sobre textos de
referência, unindo fragmentos de rituais e invocações, ou
simplesmente permitindo que o espírito do momento e a sabedoria
das Deidades nos preencha com sua inspiração. Não importa como
sejam criados, todos os rituais devem ser concebidos do prazer, e
não da obrigação.
Se desejar, ajuste seus rituais às estações, aos dias festivos do
paganismo e às fases da lua (para maiores informações sobre o
assunto, ver Capítulo 8. Dias de Poder). Se se sente
particularmente atraído a outros calendários sagrados, sinta-se à
vontade para adaptá-los. Já houve adaptações altamente bemsucedidas
em Wicca do sistema religioso-mágico egípcio, indígena
americano, havaiano, babilônico e outros. Apesar de a maior parte
da Wicca ter tido, até recentemente, embasamento europeu e
britânico, não precisamos limitar-nos a isso. Como Wiccanos
solitários, estamos livres para fazer o que bem nos aprouver. Uma
vez que os rituais sejam eficazes e satisfatórios, por que se
preocupar?
O Capítulo 13 contém instruções para a criação de seus próprios
rituais, mas algumas palavras acerca da preparação de rituais se
fazem necessárias aqui.
Para começar, certifique-se de que não será interrompido durante
seu rito religioso (ou mágico). Se estiver em casa, diga a sua família
que estará ocupado e deseja não ser interrompido. Se estiver só,
tire o fone do gancho, tranque as portas e feche as janelas, se
assim desejar. É melhor assegurar-se de que estará só e sem
distrações por algum tempo.
Um banho ritual é geralmente o próximo passo. Por algum tempo,
praticamente não conseguia realizar um rito sem um rápido banho
antes. Isto é em parte psicológico: se se sente limpo e purificado
das preocupações diárias, você se sentirá melhor para contatar a
Deusa e o Deus.
A purificação ritual é uma característica comum a muitas religiões.
Na Wicca, vemos a água como uma substância purificante que
elimina as vibrações indesejadas das tensões rotineiras e nos
permite contatar as deidades puros de corpo e mente.
Num nível mais profundo, a imersão em água nos remete à nossa
mais primitiva memória. O ato de banhar-se numa banheira de água
fresca e salgada é semelhante a caminhar nas ondas do sempre
acolhedor oceano, o domínio da Deusa. Isso nos prepara física e
espiritualmente (você nunca se sentiu diferente numa banheira?)
para a experiência vindoura.
O banho normalmente se torna um ritual por si só. Pode-se acender
velas no banheiro, além de incenso. Óleos perfumados e sachês de
ervas podem ser colocados na água. Meu sachê de banho purificador
preferido consiste em partes iguais de alecrim, erva-doce, lavanda,
manjericão, tomilho, hissopo, verbena, menta, com um toque de raiz
de valeriana moída. (Esta fórmula foi retirada de A Chave de
Salomão.) Ponha estes ingredientes num pano, até as extremidades,
para prender as ervas e mergulhe-o na água.
Rituais ao ar livre nas proximidades do oceano ou de um lago ou
regato podem ser antecedidos com um rápido mergulho.
Obviamente, é impossível tomar um banho antes de rituais
espontâneos. Até mesmo a necessidade de banhos rituais é
questionada por alguns. Se sentir-se confortável ao tomar banho,
faça-o. Se achar que não é necessário, então não faça.
Uma vez banhado, é hora de vestir-se para o ritual. Muitos
Wiccanos hoje (em especial aqueles influenciados pelos textos e
idéias de Gerald Gardner ou um de seus aprendizes - ver
Bibliografia), a nudez é ideal para invocar as deidades da natureza.
Certamente, é a condição mais natural em que o corpo humano pode
ficar, mas a nudez ritual não é para qualquer um. A Igreja muito fez
para criar sentimentos de culpa acerca de uma figura humana
desnuda. Tais emoções distorcidas, não naturais, perduram até
hoje.
Muitas razões são dadas para esta insistência na nudez ritual.
Alguns Wiccanos declaram que um corpo vestido não consegue
emitir o poder pessoal tão eficientemente quanto um corpo nu, para
em seguida dizer que, quando necessário, rituais vestidos
praticados em ambientes fechados são tão eficazes quanto rituais
nus ao ar livre.
Mesmo vestidos, os Wiccanos produzem magia tão eficaz quanto a
produzida por Wiccanos nus. As vestimentas não constituem
barreira para a transferência de poder. Mas nudez é sempre
preferível.
Uma explicação mais convincente sobre a nudez ritual na Wicca é a
de que ela é usada por seu valor simbólico: a nudez mental,
espiritual e física diante da Deusa e do Deus simboliza a
sinceridade e a abertura do Wiccano. A nudez ritual era prática de
muitas religiões antigas e pode ser encontrada em áreas distintas
do globo, portanto não é uma idéia nova, apenas para alguns
ocidentais.
Apesar de muitos covens insistirem na nudez ritual, não é preciso
preocupar-se com isso. Como praticante solitário, a escolha é sua.
Se não se sentir bem quanto à nudez ritual, mesmo que
privadamente, não a pratique. Existem muitas opções.
Vestes especiais, como robes e tabardos, são razoavelmente
populares entre alguns Wiccanos. Várias são as razões para o uso de
robes, uma das quais é a de que vestir-se com trajes utilizados
apenas para a prática de magia confere uma atmosfera mística a
tais rituais e altera sua consciência para os procedimentos que se
seguem, promovendo, assim, a consciência ritual.
As cores são também utilizadas por suas vibrações específicas. A
lista a seguir é uma boa amostragem de cores para robes. Se
estiver especialmente interessado em magia com ervas, ou praticar
rituais concebidos para interromper a proliferação de usinas e
armas nucleares, utilizo uma túnica verde para ligar meus rituais à
energia da Terra. Robes específicos podem ser confeccionados e
utilizados por pessoas habilidosas para certos encantamentos ou
ciclos de encantamentos, de acordo com as descrições abaixo.
Amarelo é uma cor excelente para aqueles envolvidos em
adivinhação.
Roxo é favorável aos que trabalham com o poder divino puro
(magos) ou que desejam aprofundar sua consciência espiritual
acerca da Deusa e do Deus.
Azul é indicado para curandeiros e para os que trabalham com sua
consciência psíquica ou para sintonizar-se com a Deusa em Seu
aspecto oceânico.
Verde fortalece os herbalistas e os ecologistas mágicos.
Marrom é usado por aqueles com ligações com os animais ou que
lançam encantamentos por eles.
Branco simboliza a purificação e a espiritualidade pura, sendo
também perfeito para a meditação e rituais de purificação. É
utilizado ainda em rituais da Lua Cheia, ou para acessar a Deusa.
Laranja ou Vermelho podem ser utilizados em Sabbats, para ritos
de proteção ou sintonizar-se com o Deus em seu aspecto Solar.
Preto é uma cor popular. Ao contrário das crenças populares, o
preto não simboliza o mal. É a ausência de cor. É uma matiz
protetiva e simboliza a noite, o universo e a ausência de falsidade.
Quando um Wiccano veste um robe preto, ele está vestindo a
escuridão do espaço - simbolicamente, a fonte suprema de energia
divina.
Se isto lhe parece muito complicado, simplesmente faça ou compre
um robe e utilize-o em todos os rituais.
Podemos encontrar desde robes simples, como uma saída de banho,
até alguns com gorros e bordados, como os de um monge, incluindo
as mangas largas, o que garante que pegarão fogo se próximas
demais a velas. Alguns Wiccanos vestem robes com gorros, para
isolar interferências externas e controlar os estímulos sensoriais
durante os rituais. É uma boa idéia para a magia e para a meditação,
mas não para os ritos religiosos da Wicca, durante os quais devemos
abrir-nos para a natureza, e não cortar nossas conexões com o
mundo físico.
Se não desejar utilizar tais trajes, não é capaz de confeccionar um
ou simplesmente não consegue encontrar ninguém que confeccione
um para você, utilize apenas roupas limpas de fibras naturais, como
algodão, lã ou seda. Desde que se sinta confortável com o que
esteja (ou não) trajando, tudo bem. Por que não provar para ver o
que lhe "cai" melhor?
Escolher e usar jóias rituais segue naturalmente a veste. Muitos
Wiccanos têm coleções de peças exóticas com desenhos religiosos
ou mágicos. Da mesma forma, amuletos e talismãs (objetos criados
para afastar ou atrair poderes) costumam ser utilizados como
joalheria ritual. Maravilhas como colares de âmbar e azeviche,
braceletes de prata ou ouro, coroas de prata incrustadas com luas
crescentes, anéis de esmeraldas e pérolas, até mesmo jarreteiras
rituais, equipadas com pequenas fivelas de prata, normalmente
fazem parte do aparato Wiccano.
Mas não é preciso adquirir ou confeccionar tais extravagâncias.
Seja simples. Se sentir-se bem usando uma ou duas peças de
joalheria durante rituais, tudo bem! Escolha desenhos com
crescentes, ankhs, estrelas de cinco pontas (pentagramas) e assim
por diante. Muitos fornecedores por correio vendem joalheria para
ocultismo. Se desejar reservar seu uso para rituais, tudo bem.
Muitos assim o fazem.
Sou constantemente perguntado se carrego sempre um bom
amuleto, uma jóia ou outro objeto de poder comigo. A resposta é
não.
Isto normalmente surpreende as pessoas, mas é parte de minha
Filosofia em magia. Se determino que uma peça de joalheria (um
anel, pingente, cristal etc.) é meu objeto de poder, meu elo com os
Deuses, minha certeza de boa sorte, ficaria arrasado se me
roubassem, se o perdesse, ou me separasse dele de algum modo.
Poderia dizer que o poder abandonou o objeto, que era uma
bobagem ou que teria sido tomado por seres superiores, ou que não
estava tão alerta quanto imaginava. Mesmo assim, ficaria arrasado.
Não é muito sábio depositar nossas esperanças, sonhos e energia
em objetos físicos. Isto representa uma limitação, um produto
direto do materialismo incutido em nós durante toda a nossa vida. É
muito fácil dizer: "Não consigo fazer nada desde que perdi meu
colar de selenita da sorte." É tentador pensar: "Nada mais deu
certo desde que meu anel do Deus Cornudo desapareceu."
O que não é fácil de perceber é que todo o poder e sorte de que
precisamos está no interior de nós mesmos. Não está contido em
objetos externos, a não ser que assim o permitamos. Se fizermos
isso, estaremos propensos a perder essa parte de nossa força
pessoal e boa sorte, algo que não faria conscientemente.
Objetos de poder e jóias rituais podem sem dúvida simbolizar a
Deusa e o Deus, assim como nossas próprias habilidades. Mas creio
que não devemos deixar que sejam mais do que isso.
Ainda assim, eu possuo algumas peças (um pentagrama de prata,
uma imagem da Deusa, uma ankh egípcia, um anzol havaiano que
simboliza o deus Maui) que por vezes uso em rituais. A utilização de
tais objetos ativa nossa mente e produz o estado de consciência
necessário para um ritual eficaz.
Não estou dizendo que o poder não deva ser enviado para objetos:
na verdade, este é o modo pelo qual são feitos talismãs e amuletos
com cargas mágicas. Simplesmente prefiro não fazer isso com jóias
rituais e pessoais.
Certos objetos naturais, como cristais de quartzo, são usados para
atrair sua energia para dentro de nós com a finalidade de efetuar
mudanças específicas. Este tipo de "objeto de poder" é um bom
auxílio à energia pessoal - mas é perigoso confiar exclusivamente
nele.
Se o uso de certas peças cria um estado mágico, ou de uma imagem
da Deusa ou um de Seus símbolos sagrados faz com que se sinta
mais próximo d’Ela, tudo bem.
Seu objetivo, contudo, deverá ser a habilidade de sintonizar-se
constantemente com o mundo oculto que nos rodeia e a realidade da
Deusa e do Deus, mesmo em meio às mais devastadoras e aviltantes
atitudes humanas.
Assim, agora já está banhado, vestido, enfeitado e pronto para o
ritual. Mais alguma consideração? Sim, uma importante - companhia.
Você deseja cultuar os Antigos Deuses da Wicca em particular, ou
com outros? Se possuir amigos interessados, pode convidá-los para
juntarem-se a você.
Em caso contrário, não há problema. Rituais solo são normais ao se
iniciar nas tradições da Wicca. A presença de pessoas com idéias
semelhantes é ótima, mas também pode ser inibitiva.
Há certos rituais nos quais não deve haver outras pessoas. Uma
inesperada visão da lua cheia por entre as nuvens pede por alguns
momentos de silêncio e sintonia, uma invocação ou meditação. Estes
são rituais compartilhados com a Deusa e com o Deus apenas. As
Deidades não permanecem em cerimônias; são tão imprevisíveis e
voláteis quanto a própria Natureza.
Se desejar unir-se a amigos para seus rituais, faça-o apenas com
aqueles realmente sintonizados com suas concepções sobre a Wicca.
Penetras e pensamentos fugidios nada acrescentarão ao seu
progresso dentro da Wicca.
Acautele-se também quanto ao interesse por amor - o namorado ou
namorada, marido ou esposa, que se interessam apenas porque você
está interessado. Podem parecer genuínos, mas após algum tempo
você perceberá que não estão contribuindo para os rituais.
Há muitos aspectos maravilhosos em trabalhos de covens: já os
experimentei. Grande parte do que a Wicca tem de melhor pode ser
encontrado num bom coven (e o que há de pior, num mau coven), mas
a maioria das pessoas não consegue contatar um coven. Podem
também não possuir amigos com o mesmo interesse de praticar
Wicca com eles. Este é o motivo pelo qual escrevi este livro para
praticantes solitários. Se desejar, continue buscando um instrutor
ou coven com o qual treinar enquanto trabalha este e outros guias
de Wicca. Quando encontrar alguém, será capaz de abordá-lo com
um conhecimento prático da Wicca obtido por meio de sua própria
experiência, e não meramente de livros.
Apesar da ênfase dada às iniciações e ao trabalho em grupo na
maioria dos livros sobre Wicca, praticantes solitários não devem
ser vistos como artigos de Segunda categoria. Há muito mais
indivíduos cultuando Os Antigos hoje do que membros de covens, e
um número surpreendente destes trabalha só por opção. Com
exceção de alguns encontros de grupo que freqüento anualmente,
sou um deles.
Nunca se sinta inferior por não trabalhar sob a orientação de um
instrutor ou coven estabelecido. Não se preocupe quanto a não ser
reconhecido como um verdadeiro Wiccano. Tal reconhecimento é
importante apenas perante os olhos dos que o recebem ou que o
fazem; fora isso, não vale nada. Você só precisa se preocupar em
satisfazer a si próprio e desenvolver um relacionamento com a
Deusa e com o Deus. Esteja à vontade para elaborar seus próprios
rituais. Livre-se das algemas do conformismo rígido e da noção de
"livros revelados" que devem ser seguidos à exaustão. A Wicca é
uma religião em desenvolvimento. O amor pela natureza, pela Deusa
e pelo Deus é sua essência, e não tradições eternas e ritos antigos.
Não estou dizendo que a Wicca tradicional não é boa. Longe disso.
Na verdade, recebi iniciação em várias tradições Wiccanas, cada
uma com seus próprios rituais de iniciação, Sabbats e Esbats (ver
Capítulo 8. Dias de Poder), nomes para a Deusa e para o Deus,
lendas e conhecimento de magia. Mas após receber tais "segredos"
percebi que todos são iguais, e os maiores segredos de todos
estavam à disposição de qualquer um que vê a natureza como uma
manifestação da Deusa e do Deus.
Cada tradição (expressão) da Wicca, seja passada de mão em mão
seja praticada intuitivamente, é semelhante à pétala de uma flor.
Nenhuma pétala é a totalidade; todas são necessárias à existência
da flor. A trilha solitária é tão parte da Wicca quanto qualquer
outra.

Capítulo 7 - O Círculo Mágico e o Altar
O círculo, círculo mágico ou esfera é um templo bem definido,
embora não-físico. Atualmente, na Wicca, rituais e trabalhos de
magia acontecem dentro de tais construções de poder pessoal.
O círculo mágico tem origem antiga. Versões dele eram utilizadas na
velha magia babilônica. Magos cerimoniais da Idade Média e da
Renascença também o utilizavam, bem como muitas tribos indígenas
americanas, apesar de o fazerem, provavelmente, por motivos
diferentes.
Há dois tipos principais de círculos mágicos. Aqueles utilizados por
magos cerimoniais antigos (e atuais) são criados para proteger o
mago das forças que ele gera. Na Wicca, o círculo é utilizado para
criar um espaço sagrado no qual os humanos encontram a Deusa e o
Deus.
Na Europa pré-cristã, a maioria dos festivais religiosos do
paganismo acontecia ao ar livre. Eram celebrações ao Sol, à Lua, às
estrelas e à fertilidade da Terra. As pedras erguidas, círculos de
pedras, bosques sagrados e fontes cultuadas da Europa são
resquícios desses antigos dias.
Os ritos pagãos passaram ao ostracismo na época de sua proibição
pela nova e poderosa igreja. Nunca mais os prados ouviram as vozes
cantando os nomes dos deuses solares, e a lua passava sem
adoração pelos céus noturnos.
Os pagãos tornaram-se reservados quanto a seus ritos. Alguns os
praticavam ao ar livre somente sob a proteção da escuridão. Outros
adaptaram-nos a ambientes fechados.
Infelizmente, a Wicca herdou esta última prática. Entre muitos
Wiccanos, rituais a céu aberto constitui uma novidade, uma
agradável ruptura com os rituais domésticos. Chamo a esta
síndrome de "sala-de-estar de Wicca". Apesar de muitos Wiccanos
praticarem sua religião em ambientes fechados, o ideal é executar
os ritos ao ar livre, sob o Sol e a Lua, em locais silvestres e
isolados, longe do assédio dos humanos.
Tais ritos Wiccanos são difíceis de praticar hoje. Os rituais
tradicionais da Wicca são complexos e normalmente requerem um
grande número de instrumentos. Privacidade é também algo difícil
de obter, além do simples medo de ser visto. Por que ter medo?
Há adultos tidos como responsáveis e inteligentes que nos
prefeririam ver mortos do que praticando nossa religião. Tais
"cristãos" são minoria, mas certamente existem, e mesmo hoje os
Wiccanos são vítimas de agressões psicológicas e violência física
nas mãos dos que não compreendem sua religião.
Não permita que isto o assuste. Os rituais podem ser praticados ao
ar livre, se forem adaptados para atrair o mínimo de atenção.
Vestir-se com um robe preto encapuzado, enquanto mexe um
caldeirão e manuseia facas no ar no meio de um parque público não é
o melhor meio de evitar ser notado.
Roupas comuns são aconselháveis em rituais ao ar livre em áreas
onde possa ser visto. Podemos utilizar instrumentos, mas lembre-se
de que estes são acessórios, não necessidades. Deixe-os em casa se
sentir que podem trazer problemas.
Em 1987, numa viagem a Maui, acordei-me ao nascer do sol e
caminhei até a praia. O Sol estava apenas nascendo por detrás de
Haleakala, tingindo o oceano de rosa e vermelho. Caminhei pela
areia coral até um ponto onde a água morna batia em rochas
vulcânicas.
Lá, depositei uma pequena pedra na areia em honra às antigas
deidades havaianas. Sentado diante dela, abri-me à presença das
deusas e deuses ao meu redor. A seguir, caminhei pelo mar e atirei
uma plumeria lei à água, oferecendo-a a Hina, Pele, Laka, Kane,
Kanaloa e todos os seus semelhantes.
Não pronunciei longos textos nem ergui instrumentos ao ar. Ainda
assim, as deidades lá estavam, por toda a parte, enquanto as ondas
quebravam contra minhas pernas e a aurora rompia por completo
sobre o antigo vulcão, tocando o mar com uma luz esmeralda.
Rituais ao ar livre como este podem ser mil vezes mais eficazes por
serem ao ar livre, e não numa sala repleta de aço e plástico e as
engenhocas de nossa era tecnológica.
Quando não forem possíveis (o clima é certamente um fator), os
Wiccanos transformam suas salas e quartos em locais de poder.
Fazem-no ao criar um espaço sagrado, um ambiente mágico no qual
as deidades são acolhidas e celebradas, e no qual os Wiccanos se
dão conta dos aspectos da Deusa e do Deus interior. Pode-se
também praticar magia nesse espaço. Esse espaço sagrado é o
círculo mágico.
É praticamente um pré-requisito para trabalhos em ambientes
fechados. O círculo define a área ritual, retém o poder pessoal,
isola energias perturbadoras - em suma, cria uma atmosfera
apropriada para os ritos. Permanecer dentro de um círculo mágico,
observando o brilho das velas no altar, aspirando o perfume do
incenso e entoando antigos nomes é uma maravilhosa experiência
evocativa. Quando corretamente formado e visualizado, o círculo
mágico executa sua função de aproximar-nos da Deusa e do Deus.
O círculo é construído com poder pessoal o qual é sentido (e
visualizado) saindo do corpo, através do punhal mágico (athame), e
rumo ao ar. Quando completo, o círculo é uma esfera de energia que
engloba toda a área de trabalho. A palavra círculo é equivocada:
uma esfera de energia é o que realmente se cria. O círculo
simplesmente assinala o anel onde a esfera toca a terra (ou o chão)
e continua através dela para formar a outra metade.
Algum tipo de marcação é feito no solo para mostrar onde o círculo
secciona a Terra. Pode ser um barbante que forme um círculo, um
leve círculo riscado com giz, ou objetos depositados de modo a
indicar seus limites. Estes podem ser flores (ideais para ritos de
primavera e verão); ramos de pinho (festivais de inverno); pedras ou
conchas; cristais de quartzo e até mesmo cartas de tarô. Use
objetos que ativem sua imaginação e estejam em sintonia com o
ritual. (Ver Capítulo 13. Planejamento de Rituais.)
O círculo tem normalmente nove pés de diâmetro, pois nove é o
número da Deusa, se bem que qualquer medida confortável é aceita.
Os pontos cardeais são em geral assinalados com velas ou com os
instrumentos rituais a eles correspondentes.
O pentagrama e um pote com sal ou terra podem ser colocados no
Norte. Este é o domínio da terra, o elemento estabilizador, fértil e
nutritivo que é a base dos outros três.
DEUSA OS DOIS DEUS
Simbolização das áreas divinas de um altar
O incensário com incenso fumegante é atribuído ao Leste, lar do
elemento intelectual, o Ar. Flores frescas ou incenso de varetas
também podem ser usados. O Ar é o elemento da mente, da
comunicação, do movimento, da adivinhação e da espiritualidade
ascética.
Ao Sul, uma vela normalmente representa o Fogo, o elemento da
transformação, da paixão e da mudança, do sucesso, da saúde e da
força. Uma lâmpada a óleo ou um pedaço de lava vulcânica também
pode ser utilizado.
Um cálice ou pote de água pode ser depositado no Oeste do círculo
para representar a Água, o último dos quatro elementos. A Água é o
domínio das emoções, da mente psíquica, do amor, da cura, da
beleza e da espiritualidade emocional.
Alternativamente, esses quatro objetos podem ser depositados
sobre o altar, em posições correspondentes às direções e aos seus
atributos elementais.
Uma vez que o círculo esteja formado ao redor do espaço de
trabalho, tem início o ritual. Durante os trabalhos de magia, o ar
dentro do círculo pode ficar desconfortavelmente quente e fechado
- o ar de fato fica diferente do mundo externo, carregado com a
energia e vivo com o poder.
O círculo é um produto da energia, uma construção palpável, a qual
pode ser sentida e percebida com experiência. Não é meramente um
anel de flores ou barbante, mas uma barreira sólida, viável.
De acordo com a Wicca, o círculo representa a Deusa, os aspectos
espirituais da natureza, fertilidade, infinidade, eternidade.
Simboliza ainda a própria Terra.
O altar, com os instrumentos, fica no centro do círculo. Pode ser
feito de qualquer material, apesar de a madeira ser melhor.
Recomenda-se especialmente o carvalho, devido a seu poder e
força, assim como o salgueiro, sagrado para a Deusa.
A Wicca não acredita que a Deusa e o Deus habitem o altar em si. É
um local de poder e magia, mas não é sacrossanto. Apesar de o altar
ser normalmente preparado e desmontado para cada ritual mágico,
alguns Wiccanos também possuem altares permanentes. Seu altar
pode tornar-se um desses.
O altar é por vezes redondo, para representar a Deusa e a
espiritualidade, apesar de também poder ser quadrado,
simbolizando os quatro elementos. Pode ser nada mais do que uma
área no chão, uma caixa de papelão coberta com um pano, dois
blocos com uma tábua sobre eles, uma mesa de café, um velho toco
de uma ámore há muito cortada ou uma pedra grande e plana.
Durante rituais a céu aberto, um fogo pode substituir o altar.
Incenso em varetas pode ser utilizado para delinear o círculo. Os
instrumentos usados são os poderes da mente.
Os instrumentos da Wicca são normalmente distribuídos sobre o
altar num padrão agradável. Em geral, o altar é montado no centro
do círculo, de frente para o Norte. O Norte é a direção do poder. É
associado à Terra, e uma vez que esta é nossa morada podemo-nos
sentir mais confortáveis com este alinhamento. Alguns Wiccanos
também montam seus altares voltados para o Leste, onde o Sol e a
Lua surgem.
O lado esquerdo do altar é geralmente dedicado à Deusa. Seus
instrumentos sagrados são ali depositados: o cálice, o pentagrama, o
sino, os cristais e o caldeirão. Pode-se, ainda, colocar uma imagem
da Deusa ali, e também apoiar uma vassoura no lado esquerdo do
altar.
Se não conseguir encontrar uma imagem apropriada da Deusa (ou se
simplesmente não o quiser), pode substituí-la por uma vela verde,
prata ou branca. O caldeirão, por vezes, também é colocado no
chão, ao lado do altar, se for grande demais para ficar em cima
dele.
No lado direito, a ênfase é no Deus. Uma vela vermelha, amarela ou
dourada, ou ainda uma figura apropriada é ali colocada, assim como
o incensário, o bastão, o athame (punhal mágico) e o punhal de cabo
branco.
Flores podem ser colocadas no meio, talvez num vaso ou num
pequeno caldeirão. Outra possibilidade é colocar o incensário no
centro, para que a fumaça seja oferecida tanto para a Deusa como
para o Deus, e o pentagrama pode ser posicionado diante do
incensário.
Símbolo ou Vela da Deusa
Os dois Símbolo ou vela do Deus
Incensário
Pote de Água Vela Vermelha Pote de Sal
Taça Pentagrama Incenso
Bastão Caldeirão ou material Punhal
para o encantamento (Athame)
Sino Bolline
Disposição sugerida para o Altar

Alguns Wiccanos seguem um planejamento de altar mais primitivo,
mais voltado para a natureza. Para representar a Deusa, uma pedra
redonda (perfurada, se disponível), uma bonequinha de milho ou uma
concha do mar funcionam a contento. Cones de pinho, pedras
afiadas e bolotas de carvalho podem ser usados para representar o
Deus. Use sua imaginação ao montar o altar.
Se estiver trabalhando magia dentro do círculo, leve todos os itens
necessários para dentro dele antes de iniciar, no altar ou sob este.
Nunca se esqueça de Ter fósforos à mão, bem como um pequeno
recipiente no qual depositar os fósforos utilizados (não é adequado
atirá-los no incensário ou no caldeirão).
Apesar de podermos colocar imagens da Deusa e do Deus, não
somos idólatras. Não acreditamos que uma tal estátua ou pilha de
pedras realmente seja a deidade representada. E, apesar de
reverenciarmos a natureza, não cultuamos árvores ou pedras ou
aves. Simplesmente nos deleitamos com as manifestações das
forças criativas universais - a Deusa e o Deus.
O altar e o círculo mágico no qual ele fica é uma construção pessoal
e deve ser de seu agrado. Meu primeiro mestre de Wicca preparava
altares elaborados adequados à ocasião - se não pudéssemos
praticar ao ar livre. Para um rito da Lua Cheia, ele cobriu o altar
com cetim branco, colocou velas brancas em suportes de cristal, um
cálice de prata, rosas brancas e folhagens brancas. Um incenso
composto de rosas brancas, sândalo e gardênia flutuava pelo ar. O
altar resplandecente inundava o ambiente com energias lunares.
Nosso ritual aquela noite é algo a ser lembrado. Que assim seja o
seu.

Capítulo 8 - Dias de Poder
No passado, quando as pessoas viviam em conjunto com a natureza,
o passar das estações e os ciclos lunares da lua tinham um profundo
impacto em cerimônias religiosas. Por ser a Lua vista como um
símbolo da Deusa, cerimônias de adoração e magia aconteciam sob
sua luz. A chegada do inverno, as primeiras atividades da primavera,
o quente verão e a entrada do outono também eram marcadas por
rituais.
Os Wiccanos, herdeiros das religiões pré-cristãs da Europa, ainda
celebram a Lua cheia e observam as mudanças das estações. 0
calendário religioso Wiccano possui treze celebrações de Lua Cheia
(esbats) e oito Sabbats, ou dias de poder.
Quatro desses dias (ou melhor, noites) são determinados pelos
solstícios e equinócios, o início astronômico das estações. Traços
deste antigo costume ainda são encontrados no Cristianismo. A
Páscoa por exemplo é celebrada no Domingo que se segue à primeira
lua cheia após o equinócio de primavera no hemisfério norte, uma
maneira bem pagã de organizar ritos religiosos. Os outros quatro
rituais baseiam-se em antigos festivais folclóricos (e, de certo
modo, aqueles do Oriente Médio). Os rituais estruturam e ordenam
o ano Wiccano, além de nos lembrar do infinito ciclo que perdurará
muito depois que partirmos.
Quatro dos Sabbats - talvez os que há mais tempo são observados -
eram provavelmente associados à agricultura e aos ciclos
reprodutivos dos animais. São eles o Imbolc (2 de fevereiro),
Beltane (30 de abril), Lughnasadh (1° de agosto) e Samhain (31 de
outubro). Estes são nomes celtas, muito comuns entre os Wiccanos,
apesar de existirem muitos outros. Essas datas referem-se ao
hemisfério norte, no Hemisfério sul as datas são:
Lammas - 2 de fevereiro
Samahain - 30 de abril
Imbolc - 1 de agosto
Beltane - 31 de outubro
Quando a observação cuidadosa do céu levou a um conhecimento
comum do ano astronômico, os solstícios e equinócios (por volta de
21 de março, 21 de junho, 21 de setembro e 21 de dezembro - as
datas corretas variam de ano para ano) foram incorporados à
estrutura religiosa.
Quem foram os primeiros a cultuar e gerar energia nesses
períodos? Esta questão não pode ser respondida. Entretanto, esses
dias e noites sagrados são a origem dos 21 rituais Wiccanos.
Versões altamente cristianizadas dos Sabbats também foram
preservadas pela igreja católica.
Os Sabbats são rituais solares, assinalando pontos no ciclo anual do
Sol, e constituem apenas metade do ano ritual Wiccano. Os Esbats
são as celebrações Wiccanas da Lua Cheia. Nesta data, nós nos
reunimos para cultuar Aquela Que É. Não que os Wiccanos omitam o
Deus nos Esbats - ambos são normalmente reverenciados em todas
as ocasiões.
Anualmente, ocorrem 12 a 13 Luas cheias, ou uma a cada 28 1/4
dias. A Lua é um símbolo da Deusa, bem como uma fonte de energia.
Assim, após os aspectos religiosos dos Esbats, os Wiccanos
costumam praticar magia, desfrutando do maior poder energético
que, crê-se, exista nesses períodos.
Alguns antigos festivais pagãos, desprovidos de suas qualidades
sagradas pelo domínio do cristianismo, se degeneraram. O Samhain
aparentemente pertence agora aos fabricantes de doces nos
Estados Unidos, enquanto o Yule foi transformado de um dos
sagrados dias pagãos num período de grosseiro comercial. Até
mesmo os ecos do nascimento de um salvador cristão são coaudíveis
diante do zumbido eletrônico das máquinas registradoras.
Mas a velha magia permanece nesses dias e noites, e os Wiccanos os
celebram. Rituais variam enormemente, mas todos se relacionam à
Deusa e ao Deus, e à nossa morada, a Terra. A maioria dos ritos
acontecem à noite, por motivos práticos assim como para criar
certo clima de mistério. Os Sabbats, sendo baseados no Sol, são
mais normalmente celebrados ao meio-dia ou na aurora, mas hoje
isto é raro.
Os Sabbats nos contam uma das estórias da Deusa e do Deus, de
sua relação e de seus efeitos sobre a fertilidade da Terra. Muitas
são as variações destes mitos, mas eis aqui um relativamente
comum, entrelaçado a descrições básicas dos Sabbats.
As descrições dos Sabbats feitas a seguir, seguem o calendário do
hemisfério norte, para nós que vivemos no hemisfério sul, as datas
devem ser adaptadas ao ciclo da natureza no Sul.
A Deusa dá à luz um filho, o Deus, no Yule (por volta de 21 de
dezembro). De modo algum isto é uma adaptação do cristianismo. O
solstício de inverno é há muito visto como um período de
nascimentos divinos. Diz-se que Mitras nasceu neste período. Os
cristãos simplesmente o adotaram a seu uso em 273 E. C. (Era
Comum).
O Yule é uma época de grande escuridão e este é o menor dia do
ano. Povos antigos notaram tais fenômenos e suplicaram às forças
da natureza que aumentassem os dias e diminuíssem as noites. Os
Wiccanos ocasionalmente celebram o Yule pouco antes da aurora, e
a seguir observam o nascer do sol como um final apropriado para
seus esforços.
Uma vez que o Deus é também o Sol, isto assinala o ponto do ano no
qual o Sol também renasce. Assim, os Wiccanos acendem fogueiras
ou velas para saudar o retorno da luz do Sol. A Deusa, inativa
durante o inverno de Sua gestação, repousa após o parto.
O Yule é remanescente de antigos rituais celebrados para acelerar
o fim do inverno e a fartura da primavera, quando os alimentos
voltavam a estar disponíveis. Para os Wiccanos contemporâneos, é
um lembrete de que o produto final da morte é o renascimento, um
pensamento reconfortante nestes dias de desassossego (ver
Capítulo 9. A Espiral do Renascimento).
O Imbolc (2 de fevereiro) assinala a recuperação da Deusa após dar
à luz o Deus. Os períodos mais longos de luz A despertam. O Deus é
um jovem desejoso, mas Seu poder é mais sentido nos dias mais
longos. O calor fertiliza a terra (a Deusa), fazendo com que as
sementes germinem e brotem. Assim ocorre o início da primavera.
Este é um Sabbat de purificação pelas forças renovadoras do sol,
após a vida reclusa do inverno. É também um festival de luz e
fertilidade, antigamente marcado na Europa por grandes queimas,
tochas e fogos de todas as formas. O fogo representa nossa
própria iluminação e inspiração, assim como a luz e o calor.
O Imbolc é também conhecido como festa das Tochas, Oimelc,
Lupercalia, Festa de Pã, Festival do Floco de Neve, Festa da Luz
Crescente, Dia de Brigit, e provavelmente muitos outros nomes.
Algumas Wiccanas seguem o antigo costume escandinavo de usar
coroas com velas acesas, mas muitos outros usam velas em suas
invocações.
Este é um dos períodos tradicionais para as iniciações em covens e
rituais de autodedicação (como o descrito no Capítulo 12), que
podem ser praticados ou renovados neste período.
Ostara (por volta de 21 de março), o Equinócio da Primavera, e
também conhecido como Ritos da Primavera e Dia de Eostra,
assinala o primeiro dia da real primavera. As energias da natureza
mudam subitamente do repouso do inverno para a exuberante
expansão da primavera. A Deusa cobre a terra com seu manto de
fertilidade, despertada de Seu repouso, enquanto o Deus se
desenvolve e amadurece. Ele caminha pelos campos a verdejar, e
delicia-se com a abundância da natureza.
No Ostara, as horas do dia e da noite são as mesmas. A luz está
ultrapassando a escuridão; a Deusa e o Deus impelem as criaturas
selvagens da Terra a reproduzir-se.
Este é um período de iniciar, de agir, de plantar encantamentos
para ganhos futuros, e de cuidar dos jardins rituais.
O Beltane (30 de abril) marca a chegada da virilidade do jovem
Deus. Agitado pelas energias em ação na natureza, Ele deseja a
Deusa. Eles se apaixonam, deitam-se entre a relva e os botões de
flores, e se unem. A Deusa fica grávida do Deus. Os Wiccanos
celebram o símbolo da fertilidade da Deusa em ritual.
O Beltane é há muito , celebrado com rituais e festas. Os Maypoles
(Mastros de Maio), ; símbolos fálicos supremos, eram o ponto
central dos rituais das antigas vilas inglesas. Muitas pessoas
acordavam na alvorada para colher flores e ramos verdes nos
campos e jardins, usando-os para decorar os Maypoles, seus lares e
a si mesmos.
As flores e folhas simbolizam a Deusa; o Maypole, o Deus. O
Beltane marca o retorno da vitalidade, da paixão e da consumação
das esperanças.
Os Maypoles são por vezes utilizados atualmente por Wiccanos
durante rituais do Beltane, mas o caldeirão é um ponto central mais
comum da cerimônia. Representa, obviamente, a Deusa - a essência
da feminilidade, o objetivo de todo desejo, o igual mas oposto do
Maypole, símbolo do Deus.
O Meio de Verão, o Solstício de Verão (por volta de 21 de junho),
também conhecido como Litha, chega quando as forças da natureza
alcançam seu ponto mais alto. A Terra está banhada pela fertilidade
da Deusa e do Deus.
No passado, pulava-se sobre fogueiras para estimular a fertilidade,
a purificação, a saúde e o amor. O fogo novamente representa o
Sol, celebrado neste período de dias mais longos.
O Meio do Verão é uma época clássica para magia de todos os tipos.
Lughnasadh (1° de agosto) é a época da primeira colheita, quando as
plantas da primavera murcham e derrubam seus frutos ou sementes
para garantir nosso consumo e para assegurar futuras safras.
Misticamente, também o Deus perde Sua força enquanto 0 Sol
nasce mais longe ao Sul a cada dia, e as noites tornam-se mais
longas. A Deusa observa entre lamento e regozijo ao perceber que o
Deus está morrendo, ao mesmo tempo que vive dentro dEla como
Seu filho.
Lughnasadh, também conhecido como Véspera de Agosto, Festa do
Pão, Lar da Colheita e Lammas, não é necessariamente observado
neste dia. Originalmente, coincidia com a primeira ceifada.
À medida que o verão passa, os Wiccanos recordam seu calor e
fartura no alimento que comemos. Cada refeição é um ato de
sintonia com a natureza, e somos lembrados de que nada no universo
é constante.
O Mabon (por volta de 21 de setembro), o equinócio de outono, é a
conclusão da colheita iniciada no Lughnasadh. Mais uma vez o dia e a
noite têm a mesma duração, equilibrados enquanto 0 Deus se
prepara para abandonar Seu corpo físico e iniciar a grande aventura
rumo ao desconhecido, em direção à renovação e ao renascimento
pela Deusa.
A natureza retrocede, recolhe sua fartura, preparando-se para o
inverno e seu período de repouso. A Deusa curva-se diante do Sol
que enfraquece, apesar do fogo que queima dentro de Seu útero.
Ela sente a presença do Deus mesmo enquanto Ele enfraquece.
No Samhain (31 de outubro), a Wicca se despede do Deus. É um
adeus temporário. Ele não está envolto em trevas eternas, mas
prepara-se para renascer pela Deusa no Yule.
Antigamente, o Samhain, também conhecido como Véspera de
Novembro, Festa dos Mortos, Festa das Maçãs, e Todos os Santos,
marcava um período de sacrifício. Em alguns lugares, esta era a
época de sacrifícios animais para assegurar comida durante as
profundezas do inverno. O Deus - identificado com os animais -
também tombava para garantir a continuidade de nossa existência.
Os Wiccanos vegetarianos talvez não aprovem este aspecto do
simbolismo do Samhain, mas é tradicional. Obviamente, não
sacrificamos animais em rituais. É uma simbologia da morte do
Deus.
O Samhain é um período de reflexão, de análise do ano que se finda,
de ajustar contas com o fenômeno da vida sobre o qual não
exercemos controle - a morte.
O wiccano sente que nesta noite a divisão entre as realidades
físicas e espirituais é estreita. Eles recordam seus ancestrais e
todos os que já se foram.
Após o Samhain, os Wiccanos celebram o Yule, completando assim o
ciclo do ano.
Certamente, há muitos mistérios enterrados aqui. Por que é o Deus
primeiro o filho e posteriormente o amante da Deusa? Isto não é
incesto, mas simbolismo. Na estória da agricultura (um dentre
muitos mitos Wiccanos), a constante alternância da fertilidade da
Terra é representada pela Deusa e pelo Deus. Este mito fala dos
mistérios do nascimento, da morte e do renascimento. Celebra os
maravilhosos aspectos e belos efeitos do amor, e honra as mulheres
que perpetuam nossa espécie. Também indica a grande dependência
que os homens têm em relação à Terra, ao Sol e à Lua, e os efeitos
das estações em nossa rotina.
Para povos agrícolas, o ponto principal deste ciclo mítico é a
produção de alimentos por meio da união entre o Deus e a Deusa. 0
Alimento - sem o qual todos morreríamos - está intimamente ligado
às deidades. Na verdade, os Wiccanos vêem a comida como mais
uma manifestação da energia divina.
Assim, ao observar os Sabbats, os Wiccanos sintonizam-se com a
Terra e com as deidades. Eles reafirmam suas raízes na Terra. A
prática de rituais nas noites de lua cheia também fortalece sua
conexão com a Deusa em particular.
O Wiccano sábio celebra os Sabbats e os Esbats, por serem estes
períodos de poder real e simbólico. Honrá-los de algum modo -
talvez com ritos semelhantes aos sugeridos no Livro de Sombras
das Pedras Erguidas - é parte integral da Wicca.
Capítulo 9 - A espiral do Renascimento.
Aparentemente, a reencarnação é, na atualidade, um dos mais
controversos tópicos da espiritualidade. Centenas de livros sobre o
tema são publicados, como se o mundo ocidental tivesse apenas
recentemente descoberto esta antiga doutrina.
A reencarnação é uma das mais valiosas lições da Wicca. A ciência
de que esta vida é apenas uma entre muitas, de que não deixamos
de existir quando o corpo físico morre, mas sim renascemos em
outro corpo, responde a um grande número de perguntas, mas gera
outras tantas.
Por quê? Por que reencarnamos? Assim como muitas outras
religiões, a Wicca ensina que a reencarnação é o instrumento pelo
qual nossas almas são aperfeiçoadas. Uma vida não basta para
atingir tal objetivo; portanto, a consciência (alma) renasce inúmeras
vezes, cada vida englobando um grupo diferente de lições, até que a
perfeição seja atingida.
É impossível determinar quantas vidas são necessárias para tanto.
Somos humanos e é fácil aderir a comportamentos nãoevolucionários.
A cobiça, a ira, os ciúmes, a obsessão e todas as
nossas emoções negativas inibem nosso crescimento.
Na Wicca, buscamos fortalecer nossos corpos, mentes e almas.
Certamente, vivemos vidas terrenas plenas e produtivas, mas
tentamos fazê-lo sem prejudicar ninguém, numa antítese à
competição, à intimidação e à busca pelo primeiro lugar.
A alma não tem idade, sexo ou físico, possuindo a centelha divina da
Deusa e do Deus. Cada manifestação da alma (por exemplo, cada
corpo que habita a Terra) é diferente. Não existem dois corpos ou
vidas exatamente iguais. Não fosse assim, a alma estagnaria. Sexo,
raça, local de nascimento, classe econômica e todas as outras
individualidades da alma são determinadas por suas ações em vidas
passadas e pelas lições necessárias à vida presente.
Isto é de suma importância para o pensamento Wiccano: nós
decidimos o desenrolar de nossas vidas. Não há deus, maldição,
força misteriosa ou destino sobre o qual possamos atirar a
responsabilidade pelos fatos de nossas vidas. Nós decidimos o que
precisamos aprender para evoluir e, então, espera-se, durante essa
reencarnação, trabalharmos em busca desse progresso. Caso
contrário, regressamos às trevas.
Existe um fenômeno que atua como auxiliar no aprendizado das
lições de cada existência, o qual é chamado de carma. O carma e
geralmente mal-compreendido. Não é um sistema de recompensas e
punições, mas sim um fenômeno que orienta a alma em direção a
ações evolutivas. Destarte, se uma pessoa pratica ações negativas,
receberá ações negativas em troca. O bem atrai o bem. Com isto em
mente, sobram poucos motivos para praticar atos negativos.
Carma significa ação, e é desta forma que atua. Como uma
ferramenta, não uma punição. Não há como "apagar" o carma, assim
como nem todos os eventos aparentemente terríveis de nossas
vidas são um subproduto do carma.
Só aprendemos com o carma quando temos ciência dele. Muitos
buscam em suas vidas passadas a descoberta de seus erros, para
solucionar os problemas que estão inibindo seu progresso nesta
vida. Técnicas de transe e meditação podem ser úteis, mas o
verdadeiro autoconhecimento é o melhor meio para atingir este fim.
A regressão a vidas passadas pode ser perigosa, pois envolve uma
grande carga de autodesilusão. É impossível contabilizar quantas
Cleópatras, Reis Artur, Merlins, Marias, Nefertitis e outras
pessoas famosas do passado já encontrei por aí usando tênis e
jeans. Nossas mentes conscientes, que buscam encarnações
passadas, agarram-se facilmente a esses ideais românticos.
Se isto é um problema; se não deseja conhecer suas vidas passadas,
ou não tem como fazê-lo, observe esta existência. Pode descobrir
qualquer dado relevante sobre suas vidas passadas ao observar esta
vida. Se solveu seus problemas em vidas passadas, estes não mais
lhe dizem respeito. Caso contrário, os mesmos problemas
ressurgirão; portanto, concentre-se nesta vida.
À noite, analise seus atos do dia, atentando tanto para ações e
pensamentos positivos, bem como para os negativos. Analise a
seguir a semana que se passou, o ano, a década. Consulte agendas,
diários ou antigas cartas em seu poder para refrescar sua memória.
Você continuamente comete os mesmos erros? Em caso positivo,
jure nunca mais repeti-los, num ritual concebido por você mesmo.
Em seu altar, você pode escrever tais erros num pedaço de papel.
Podem ser inclusas emoções negativas, medos, prazeres
desmedidos, permissão que outros controlem sua vida, intermináveis
obsessões amorosas para com homens/mulheres indiferentes a seus
sentimentos. Enquanto escreve, visualize-se agindo dessa forma no
passado, não no presente.
A seguir, acenda uma vela vermelha. Segure o papel sobre a chama e
atire-o num caldeirão ou em outro recipiente a prova de fogo. Grite
- ou simplesmente afirme para si mesmo - que tais ações do passado
não fazem mais parte de você. Visualize sua vida futura livre de tais
comportamentos nocivos, limitadores, inibidores. Repita o ritual
enquanto for necessário, talvez em noites de lua minguante, para
levar a cabo a destruição desses aspectos de sua vida.
Se ritualizar sua determinação em progredir nesta vida, seu
juramento liberará sua força. Quando sentir-se tentado a reincidir
em seus velhos modos de agir ou pensar, lembre-se do ritual e
sobreponha essa necessidade com seu poder.
O que acontece após a morte? Apenas o corpo fenece. A alma
sobrevive. Alguns Wiccanos dizem que ela viaja para um reino
conhecido como Terra das Fadas, Terra Brilhante e Terra dos
Jovens. Este reino não é nem o paraíso nem o Submundo.
Simplesmente, é - uma realidade não-física, muito menos densa que
a nossa. Algumas tradições da Wicca o descrevem como a terra de
verão eterno, com campos gramados e doces rios, talvez como a
terra antes do advento da raça humana. Outros o vem vagamente
como um local sem formas, onde fluxos de energia coexistem com
as energias maiores - a Deusa e o Deus em suas identidades
celestiais.
Diz-se que a alma revê a última vida, talvez de um modo misterioso,
com as deidades. Isto não é um julgamento, uma pesagem da alma
de um dada pessoa, mas sim uma revisão encarnatória. Lança-se luz
sobre as lições aprendidas ou ignoradas.
Após um período apropriado, quando as condições da Terra
estiverem favoráveis, a alma reencarna e reinicia-se a vida.
A pergunta final: o que ocorre após a última encarnação? Os
ensinamentos da Wicca foram sempre vagos quanto a isso.
Basicamente, os Wiccanos dizem que após subir a espiral da vida,
morte e renascimento, as almas que atingiram a perfeição liberamse
para sempre desse ciclo e coabitam com a Deusa e com o Deus.
Nada é desperdiçado. A energia residente em nossas almas retorna
à fonte divina da qual se originou.
Por aceitar a reencarnação, os Wiccanos não temem a morte como
um mergulho no esquecimento, com seus dias de vida terrena para
sempre perdidos no passado. A morte é vista como a porta para o
nascimento. Portanto, nossas próprias vidas estão simbolicamente
ligadas aos infindáveis ciclos das estações que moldam nosso
planeta.
Não tente forçar-se a acreditar na reencarnação. Conhecer é muito
superior a acreditar, pois o acreditar é próprio dos mal-informados.
Não é muito sábio aceitar uma doutrina importante como a
reencarnação sem estudá-la para saber se ela realmente lhe atrai.
Além disso, apesar de poderem existir fortes conexões com os que
amamos, acautele-se quanto à noção de almas companheiras, como,
por exemplo, pessoas que tenha amado em outras vidas e que você
esteja destinado a amar novamente. Por mais sinceros que seus
sentimentos e crenças possam ser, eles nem sempre se baseiam em
fatos. Durante o desenrolar de sua vida você pode encontrar cinco
ou seis pessoas com as quais sinta a mesma ligação, apesar de seu
envolvimento atual. Será que todas são almas gêmeas?
Uma das dificuldades deste conceito é a de que, se estamos todos
intrinsecamente ligados às almas de outras pessoas, ao
continuarmos a encarnar com elas não estaremos aprendendo
absolutamente nada. Assim, anunciar que encontrou sua alma
companheira tem o mesmo efeito de dizer que você não está
progredindo na espiral encarnacional.
Um dia você saberá, e não só acreditará, que a reencarnação é tão
real quanto uma planta que dá botões, floresce, espalha sua
semente, seca e gera outra planta à sua imagem. A reencarnação foi
provavelmente intuída pelos povos antigos quando estes observavam
a natureza.
Até que tenha chegado a uma conclusão própria, você pode desejar
refletir sobre e considerar a doutrina da reencarnação.

Capítulo 10 - Sobre a Iniciação
A maioria das religiões xamânicas e de magia utilizam algum tipo de
cerimônia de iniciação pela qual uma pessoa se torna um membro
reconhecido daquela religião, sociedade, grupo ou coven. Tais ritos
indicam também a nova direção que a vida do iniciado está tomando.
Muito tem sido feito, em público ou privativamente, sobre as
iniciações Wiccanas. Cada tradição da Wicca utiliza suas próprias
cerimônias de iniciação, as quais podem ou não ser reconhecidas por
outros Wiccanos. Num ponto, contudo, a maioria dos iniciados
concorda: uma pessoa só pode tornar-se um Wiccano se receber tal
iniciação.
Isto gera uma interessante pergunta: Quem iniciou o primeiro
Wiccano?
A maior parte das cerimônias de iniciação não passam de ritos que
marcam a aceitação da pessoa por um coven, e sua dedicação à
Deusa e ao Deus. Por vezes, o "poder é passado" do iniciador ao
noviço.
Para um não-Wiccano, a iniciação pode parecer um ritual de
conversão. Não é o caso. A Wicca não precisa de tais ritos. Não
condenamos as deidades com as quais nos sintonizávamos antes de
praticar a Wicca, nem precisamos voltar-lhes nossas costas.
A cerimônia (ou cerimônias, pois muitos grupos praticam três ritos
sucessivos) de iniciação são consideradas da mais alta importância
pelos grupos que ainda praticam rituais secretos. Certamente,
qualquer pessoa que deseje ingressar em um grupo do gênero deve
passar por uma iniciação, parte da qual consiste em jurar jamais
revelar seus segredos. Faz sentido, e é parte da iniciação de muitos
covens. Mas não é a essência da iniciação.
Muitas pessoas me disseram precisar urgentemente de iniciações
em Wicca. Parecem crer que não se pode praticar a Wicca sem este
selo de aprovação. Se você leu este livro até este ponto, já sabe que
isso não é verdade.
A Wicca foi, até por volta da década passada, uma religião fechada,
mas não o é mais. Os componentes internos da Wicca estão
disponíveis a quem quiser ler e tiver o discernimento necessário
para compreender o material. Os únicos segredos da Wicca são suas
formas individuais de ritos, encantamentos, nomes das deidades e
assim por diante.
Isto não lhe deve incomodar. Para cada ritual ou nome da Deusa
secreto na Wicca, existem dezenas (se não centenas) de outros
publicados e prontamente disponíveis. Atualmente, mais
informações sobre Wicca vêm sendo publicadas do que em qualquer
período anterior. Se a Wicca já foi uma religião secreta,
atualmente é uma religião de poucos segredos.
Mesmo assim, muitos ainda se prendem à noção de que a iniciação é
necessária, provavelmente acreditando que por esse ato mágico eles
receberão os segredos do universo e os poderes secretos. Para
piorar, alguns Wiccanos bitolados dizem que a Deusa e o Deus não
darão ouvidos a alguém que não seja membro de um coven portando
seu athame. Muitos pretensos Wiccanos pensam assim.
Mas não é assim que funciona.
A iniciação real não é um ritual praticado por um ser humano sobre
outro. Mesmo que aceite o conceito de que o iniciador esteja
imbuído em divindade durante a iniciação, ainda assim é apenas um
ritual.
Alguns grupos simplesmente escrevem seus Livros das Sombras
"secretos" e restringem o acesso a eles. Isto assegura, sem dúvida,
que sejam secretos, mas não mais antigos ou melhores que
quaisquer outros.
A iniciação é um processo, gradual ou instantâneo, de sintonia entre
o indivíduo e a Deusa e o Deus. Muitos Wiccanos admitem
prontamente que a iniciação ritual é apenas externa. A verdadeira
iniciação ocorre, geralmente, semanas ou meses depois ou antes do
ritual físico.
Sendo assim, a "verdadeira" iniciação Wiccana pode acontecer anos
antes de o estudante contatar um mestre ou coven de wicca. Seria
essa iniciação menos eficaz ou menos genuína porque tal pessoa não
passou por um ritual formal controlado por outro ser humano?
Obviamente que não.
Tenha certeza de que é bem possível experimentar uma verdadeira
iniciação Wiccana sem jamais Ter encontrado outra alma envolvida
com a religião. Você pode até não Ter ciência disso. Sua vida pode
mudar gradualmente de foco até que perceba estar notando as aves
e as nuvens. Você pode contemplar a lua em noites solitárias e falar
com plantas e animais. O pôr-do-sol pode gerar um período de
silenciosa contemplação.
Ou você pode mudar conforme as estações, adaptando a energia de
seu corpo à energia do mundo natural a seu redor. A deusa e o Deus
podem cantar em sua mente, e você pode praticar rituais antes
mesmo de se dar conta de que o está fazendo.
Quando os Modos Antigos tornarem-se parte de sua vida e sua
relação com a Deusa e com o Deus estiverem fortes, quando estiver
reunido seus instrumentos e praticado rituais e magia com prazer,
você estará realmente no espírito e terá direito de chamar a si
mesmo de "Wiccano".
Este pode ser seu objetivo, ou talvez deseje progredir mais, talvez
prosseguindo em sua busca por um instrutor. Tudo bem. Mas, se
nunca encontrar um, você terá a satisfação de saber que não ficou
sentado esperando que os mistérios caíssem em seu colo. Terá sim
desenvolvido as antigas magias e falado com a Deusa e com o Deus,
reafirmando seu compromisso com a Terra em busca
desenvolvimento espiritual, e transformado a falta de iniciação num
estímulo positivo para mudar sua vida e seus conceitos. Se contatar
um mestre ou coven, eles provavelmente o julgarão um estudante
digno de aceitação. Mas se descobrir que não se adapta ao estilo de
Wicca deles, ou se houver um confronto de personalidades, não
desanime. Você ainda possui a sua própria Wicca para retornar e
prosseguir em sua busca.
Este pode ser um caminho solitário, pois poucos de nós seguem os
Modos Antigos. É desanimador passar seu tempo reverenciando a
natureza e observar a Terra sendo sufocada por toneladas de
concreto enquanto os outros parecem não se importar.
Para contatar outros de mentalidade semelhante, você pode assinar
publicações Wiccanas e começar a se corresponder com outros
Wiccanos. Prossiga lendo novos livros sobre Wicca e sobre a Deusa
à medida que são publicados. Mantenha-se informado sobre o que
ocorre no mundo da Wicca. Registre e escreva novos rituais e
encantamentos. A Wicca não deve estagnar-se jamais.
Muitos desejam formalizar sua vida dentro da Wicca com uma
cerimônia de auto-iniciação. Incluí uma na Seção II para os que
sentem essa necessidade. Novamente, é apenas um dos modos de
fazer isso. Improvise se desejar.
Se decidir convidar amigos e pessoas interessadas em unir-se em
seus ritos, não permita que fiquem afastados e assistam enquanto
você brinca de "sacerdotisa" ou "bruxa". Envolva-os. Torne-os parte
dos ritos e da magia. Use sua imaginação e sua experiência prática
para integrá-los a seus rituais.
Quando sentir um incomensurável prazer ao observar o pôr-do-sol
ou o surgir da lua, quando vir a Deusa e o Deus em árvores ao longo
de montanhas ou em regatos correndo entre campos, quando sentir
o pulsar das energias da Terra em meio a uma cidade barulhenta,
você terá recebido a verdadeira iniciação e estará conectado aos
antigos poderes e modos das deidades.
Alguns dizem: "Apenas um Wiccano pode criar um Wiccano." Eu digo
que apenas a Deusa e o Deus podem criar um Wiccano. Quem está
mais bem qualificado para tal?

Glossário
Incluí este glossário para criar acesso fácil a definições de alguns
dos termos mais obscuros utilizados neste livro.
São, obviamente, definições pessoais, uma reflexão de meu
envolvimento com a Wicca, e Wiccanos podem discordar em alguns
pontos menores. Isto é esperado, devido à estrutura individualista
de nossa religião. Entretanto, tentei fazer dele algo o mais
universal e imparcial possível.
Termos em itálicos no corpo de cada explicação referem-se a
outros verbetes relacionados neste glossário.
Adivinhação: a arte mágica de revelar o desconhecido por meio da
interpretação de padrões ou símbolos aleatórios em instrumentos
como nuvens, cartas de tarô, chamas, fumaça. A Adivinhação
contata a Mente Psíquica ao enganar ou iludir a Mente Consciente
mediante Rituais e a observação ou manipulação de instrumentos. A
Adivinhação não é necessária aos que atingem facilmente
comunicação com a mente psíquica, apesar de estes poderem
praticá-la.
Akasha: o quinto elemento, o poder espiritual onipresente que
permeia o universo. A energia que forma os elementos.
Amuleto: um objeto carregado magicamente que afasta energias
específicas, normalmente negativas. Em geral, um objeto de
proteção. (Compare a talismã.)
Antigos, Os: termo wiccano geralmente usado para englobar todos
os aspectos da Deusa e do Deus. Usei-o neste contexto no Livro de
Sombras das Pedras Erguidas. Alguns Wiccanos o vêem como uma
alternativa para Os Poderosos.
Arte A: Wicca. Bruxaria. Magia Popular.
Athame: uma faca ritual Wiccana. Normalmente possui uma lâmina
de dois fios e um cabo preto. O athame é utilizado para direcionar
Poder Pessoal durante Rituais. É raramente (quando o é) usado para
cortes reais, físicos. O termo é de origem obscura, possui muitas
variantes de grafia entre os Wiccanos e uma variedade ainda maior
de pronúncias. Wiccanos da costa leste americana podem pronunciálo
como "atâmi"; ouvi pela primeira vez como "átame" e depois
"atáme". Por diversos motivos, hoje por mim desconhecidos, decidi
substituir o termo "faca mágica" por athame no Livro de Sombras
das Pedras Erguidas. Qualquer termo, ou apenas "faca" serve.
Banquete Simples, O: uma refeição Ritual compartilhada com a
Deusa e com o Deus.
Beltane: festival Wiccano celebrado em 30 de abril ou 1° de maio no
hemisfério norte e entre 29 de outubro e 1 de novembro no
hemisfério sul (as tradições variam). É também conhecido como
Maio, Roodmas, Noite de Valpíirgis, Cethsamhain. O Beltane celebra
a união, o acasalamento ou o casamento simbólico da Deusa e do
Deus, e é associado aos meses vindouros do verão.
Besom: vassoura.
Bolline: o punhal de cabo branco, usado em rituais Wiccanos e de
magia com finalidade prática, como cortar ervas ou perfurar uma
romã. Comparar com athame.
Bonequinha de Milho: uma figura, normalmente com formato
humano, criada ao entrelaçar trigo ou outros grãos secos.
Representa a fertilidade da Terra e a Deusa em antigos rituais
agrícolas europeus e ainda é usada na Wicca. Bonequinhas de milho
não são feitas de sabugos ou palha de milho. A palavra milho
("corn") originalmente referia-se a qualquer grão, e ainda o é, em
muitos países de língua inglesa, com exceção dos Estados Unidos.
Bruxa: antigamente, um praticante europeu dos remanescentes da
magia popular pré-cristã, especialmente a associada a ervas, cura,
fontes, rios e pedras. Um praticante de Bruxaria. Depois, o
significado deste termo foi deliberadamente alterado para
designar seres dementes, perigosos, sobrenaturais que praticavam
magia destrutiva e ameaçavam o cristianismo. Esta foi uma mudança
política, monetária e sexista por parte da religião organizada, e não
uma alteração na prática das bruxas. Este equivocado significado
posterior ainda é aceito por muitos não-bruxos. Além disso, é,
surpreendentemente, usado por alguns membros da Wicca para
designarem-se a si mesmos.
Bruxaria: a arte da Bruxa (Witchcraft = witch, "bruxa" + craft,
"arte"). Magia, especialmente a que se utiliza do Poder Pessoal
aliado às energias contidas em pedras, emas, cores e outros objetos
naturais. Enquanto esta pode Ter nuances espirituais, a Bruxaria,
por esta definição, não é uma religião. Contudo, alguns seguidores
da Wicca usam este termo para designar sua religião.
Carregar: imbuir um objeto de Poder Pessoal. "Carregar é um ato de
magia".
Círculo de Pedras: ver Círculo Mágico.
Círculo Mágico: uma esfera criada com Poder Pessoal, na qual são
praticados rituais Wiccanos. O termo refere-se ao círculo que
demarca a penetração da esfera no solo, pois esta se estende tanto
acima como abaixo dele. Criado por meio da Visualização e da Magia.
Consciência Ritual: estado alterado de consciência específico,
necessário para a prática bem-sucedida de magia. O mago o atinge
por meio da visualização e do Ritual. Denota um estado no qual as
mentes Consciente e Psíquica estão harmonizadas, o mago sente as
energias, dá a elas propósito e as libera em direção ao objetivo
mágico. É uma elevação dos sentidos, uma expansão da consciência
para o mundo aparentemente não-físico, um elo com a natureza e
com as forças por trás dos conceitos de Deidade.
Coven: grupo de Wiccanos, geralmente iniciático e dirigido por um
ou dois líderes.
Dias de Poder: Ver Sabhat.
Elementos, Os: Terra, Ar, Fogo, Água. Essas quatro essências são
os alicerces do universo. Tudo que existe (ou que tem potencial para
existir) contém uma ou mais dessas energias. Os elementos vibram
em nosso interior e estão também "espalhados" pelo mundo. Podem
ser utilizados para gerar mudanças por meio da Magia. Os quatro
elementos foram formados a partir da essência ou poder
fundamental - Alhasha.
Encantamento: Ritual mágico, normalmente de natureza nãoreligiosa
e acompanhado de palavras vocalizadas.
Esbat: ritual wiccano, geralmente ocorrido na Lua Cheia.
Espíritos das Pedras, Os: energias elementais naturalmente
inerentes às quatro direções do Círculo Mágico, personificadas na
tradição das Pedras Erguidas como os "Espíritos das Pedras".
Associados aos Elementos.
Evocação: chamar espíritos ou outras entidades não-físicas, seja
para aparições visíveis ou invisíveis. Comparar com Invocação.
Fogueira: um fogo aceso com propósitos rituais, geralmente fora de
casa. Fogueiras são comuns durante o Yule, o Beltane e o Meio de
Verão.
Incensário: um recipiente à prova de fogo, no qual o incenso é
queimado. Simboliza o Elemento do Ar.
Iniciação: processo pelo qual um indivíduo é apresentado ou
admitido em um grupo, interesse, habilidade ou religião. Iniciações
podem constituir ocasiões rituais mas também podem ocorrer
espontaneamente.
Invocação: apelo ou pedido a uma força (ou forças) superior(es),
como a Deusa e o Deus. Uma oração. A invocação é na verdade um
método para estabelecer elos conscientes com os aspectos da
Deusa e do Deus existentes em nosso interior. Essencialmente,
portanto, podemos fazer com que apareçam ou se façam notar por
meio da tomada de consciência deles.
Imbolc: festival Wiccano celebrado em 2 de fevereiro no
hemisfério norte e em 01 de agosto no hemisfério sul, também
conhecido como Candelária, Lupercália, Festa de Pã, Festa das
Tochas, Festa da Luz Crescente, Oimelc, Dia de Brigit e muitos
outros nomes. O Imbolc celebra os primeiros sinais da primavera e
a recuperação da Deusa após dar à luz o sol (o Deus) no Yule.
Kahuma: praticante do antigo sistema filosófico, científico e mágico
do Havaí.
Livro de Sombras: um livro Wiccano de rituais, encantamentos e
magia. Antes copiado à mão na iniciação, é atualmente fotocopiado
ou datilografado em alguns covens. Não existe um Livro de Sombras
"verdadeiro"; todos são relevantes para seus respectivos usuários.
Litha: o solstício de verão, geralmente em ou por volta de 21 de
junho no hemisfério norte e 21 de dezembro no hemisfério sul. Um
dos festivais Wiccanos e uma excelente noite para a prática de
Magia. Assinala o ponto do ano no qual o sol está simbolicamente no
ápice de seu poder, assim como o Deus. O dia mais longo do ano.
Lughnasadh: festival Wiccano celebrado em 1° de agosto, no
hemisfério norte e em 02 de fevereiro no hemisfério sul, também
conhecido como Véspera de Agosto, Lammas, Festa do Pão. Marca a
primeira colheita, quando os frutos da terra são colhidos e
armazenados para os meses escuros do inverno, e quando o Deus
também misteriosamente enfraquece à medida que os dias
encurtam.
Mabon: em ou por volta de 21 de setembro, no hemisfério norte e
21 de março no hemisfério sul no equinócio de outono, os Wiccanos
celebram a Segunda colheita. A natureza está se preparando para o
inverno. Mabon é um vestígio de antigos festivais de colheita, os
quais, de um modo ou outro, eram a um tempo praticamente
universais entre os povos da Terra.
Magia: o movimento das energias naturais (como o poder pessoal
para gerar as mudanças necessárias. A energia existe em todas as
coisas - nós, plantas, pedras, cores, sons, movimentos. A magia é o
processo de gerar ou aumentar essas energias, dando-lhes
propósito e liberando-as. A magia é uma prática natural, e não
sobrenatural, apesar de pouco compreendida.
Mal: aquilo que destrói a vida, é venenoso, destrutivo, ruim,
perigoso.
Mão Projetiva, A: a mão geralmente usada em atividades manuais
como escrever, descascar maçãs e discar telefones é
simbolicamente considerada o ponto pelo qual o Poder Pessoal é
enviado para fora do corpo. Em rituais, o poder pessoal é
visualizado como jorrando da palma ou dos dedos da mão com
diversos objetivos mágicos. É também a mão com a qual manuseamos
instrumentos como o Athame. Pessoas ambidestras simplesmente
escolhem que mão utilizar com este fim. Comparar com Mão
Receptiva.
Mão Receptiva: a mão esquerda em pessoas destras, o inverso para
canhotos. É a mão pela qual recebemos energia para nossos corpos.
Comparar com Mão Projetiva.
Meditação: reflexão, contemplação, voltar-se para dentro de si ou
na direção da Deidade ou da natureza. Período de quietude no qual o
praticante pode fixar-se em símbolos e pensamentos em particular
ou ainda permitir que estes surjam livremente.
Megalito: um enorme monumento ou estrutura de pedra.
Stonehenge talvez seja o mais conhecido exemplo de construções
megalíticas.
Menir: uma pedra erguida provavelmente por povos antigos com fins
religiosos, espirituais ou mágicos.
Mente Consciente: a metade analítica, material e racional de nossa
consciência. A mente que trabalha durante cálculos, enquanto
teorizamos ou lutamos com as idéias. Comparar a Mente Psíquica.
Mente Psíquica: o subconsciente ou inconsciente, pelo qual
recebemos impulsos psíquicos. A mente psíquica atua quando
dormimos, sonhamos e meditamos. É nosso contato direto com a
Deusa e com o Deus e o vasto mundo não-físico a nosso redor.
Outros termos correlatos: adivinhação é um processo ritual que se
utiliza da Mente Consciente para contatar a mente psíquica.
Intuição é um termo usado para descrever informações psíquicas
que atingem inesperadamente a mente consciente.
Neo-Pagão: literalmente, novo pagão. Membro, seguidor ou
simpatizante de uma das recentemente formadas religiões pagãs
que se espalham ao redor do mundo. Todos os Wiccanos são Pagãos,
mas nem todos os pagãos são Wiccanos.
Ostara: Ocorrendo no equinócio de primavera, por volta de 21 de
março, no hemisfério norte e 21 de setembro no hemisfério sul
Ostara assinala o início da verdadeira primavera, astronômica,
quando o gelo e a neve abrem caminho ao verde. Assim, é um
festival de fogo e fertilidade, celebrando o retorno do sol, do Deus
e da fertilidade da Terra (a Deusa).
Pagão: do latim paganus, morador do campo. Usado nos dias atuais
como termo genérico para os seguidores da Wicca e de outras
religiões mágicas, xamanísticas e politeístas. Naturalmente, os
cristãos têm sua própria definição para esta palavra. Pode ser
substituída por neo pagão.
Pêndulo: aparelho divinatório que consiste em um cordão preso a um
objeto pesado, como um cristal, uma raiz ou um anel. A ponta solta
do cordão é segura com a mão, com o cotovelo apoiado em uma
superfície plana e uma pergunta é lançada. O movimento do objeto
pesado determina a resposta. Uma rotação indica sim, ou energia
positiva. Um balançar de um lado a outro indica o oposto. (Há muitos
métodos para decifrar os movimentos de um pêndulo; utilize os que
se adequarem melhor.) É um instrumento que acessa a Mente
Psíquica.
Pentagrama: objeto ritual (geralmente uma peça redonda de
madeira, metal, cerâmica etc.) com inscrição, pintura ou entalhe de
uma estrela de cinco pontas (pentagrama). Representa o Elemento
da Terra.
Poder da Terra: energia existente em pedras, ervas, chamas, vento
e outras coisas naturais. É o Poder Divino manifesto e pode ser
utilizado durante a Magia para originar as mudanças necessárias.
Compare com Poder Pessoal.
Poder Divino: a energia pura, não-manifesta, existente na Deusa e
no Deus. A força vital, a fonte primordial de todas as coisas.
Comparar com Poder da Terra e Poder Pessoal.
Poderosos, Os: seres, deidades ou presenças comumente invocadas
durante cerimônias Wiccanas para assistir ou proteger os rituais.
Os Poderosos são considerados seres espiritualmente evoluídos, que
já foram humanos, ou entidades espirituais criadas ou carregadas
pela Deusa e pelo Deus para proteger a Terra e cuidar das quatro
direções. Por vezes associados aos Elementos.
Poder Pessoal: energia que sustenta nossos corpos. Basicamente
originada da Deusa e do Deus (ou melhor, do Poder por trás destes).
Primeiro a absorvemos por meio de nossas mães biológicas dentro
do útero para, depois, obtemo-la a partir dos alimentos, da água, da
lua e do sol e de outros objetos naturais. Liberamos poder pessoal
durante o stress, exercícios, sexo, gravidez e parto. A magia é
geralmente um movimento de poder pessoal para um Fim específico.
Polaridade: o conceito de energias iguais, opostas. O yin/yang
oriental é um exemplo perfeito. Yin é frio, yang é quente. Outros
exemplos de polaridades: Deusa/Deus, noite/dia, lua/sol,
nascimento/morte, luz/trevas, Mente Psíquica/Mente Consciente.
Equilíbrio universal.
Psiquismo: o ato de estar conscientemente psíquico, no qual a Mente
Psíquica e o Consciente estão ligados e trabalhando em harmonia. A
Consciência Ritual é uma forma de psiquismo.
Punhal de Cabo Branco: faca de corte normal, com lâmina afiada e
cabo branco. Usada na Wicca para cortar ervas e frutas, fatiar pão
no Banquete Simples e para outras funções - mas jamais para
sacrifícios. Por vezes chamada de Bolline. Compare com Athame.
Punhal Mágico: ver Athame.
Ritual: cerimônia. Forma específica de movimentos, manipulação de
objetos ou processos internos criados para produzir efeitos
desejados. Na religião, rituais são praticados visando à união com o
divino. Na Magia eles produzem um estado específico de consciência
que permite ao mago mover energia em direção a objetivos
necessários. Um Encantamento é um ritual de magia.
Runas: figuras em varetas, algumas das quais são remanescentes
dos antigos alfabetos teutônicos. Outras são criptográficas. Esses
símbolos estão outra vez sendo amplamente utilizados em Magia e
Adivinhação.
Sabbat: um festival Wiccano. Ver Beltane, Imbolc, Lughnasadh,
Mabon, Lith, Ostara, Samhain e Yule para descrições específicas.
Samhain: festival Wiccano celebrado em 31 de outubro, no
hemisfério norte e fins de abril no hemisfério sul também
conhecido como Véspera de Novembro, Halloween, Festa das Almas,
Festa dos Mortos, Festa das Maçãs. O Samhain marca a morte
simbólica do Deus Sol e Sua passagem para a "Terra dos Jovens",
onde aguardará pelo renascimento da Deusa Mãe no Yule. Esta
palavra celta é pronunciada pelos Wiccanos como "Sôuen" "Sú-uen";
"Sâm-háin"; "Sâmain", "Sávin" e outros modos (a pronúncia desta e
de outras palavras tenta obedecer às regras de pronúncia da língua
portuguesa, adaptadas aproximadamente pelo Tradutor). A primeira
parece ser a preferida pela maioria dos Wiccanos.
Talismã: objeto, como uma ametista ou um cristal, ritualmente
carregado com poder para atrair uma força ou uma energia
específica a seu portador. Compare com Amuleto.
Tradição Wiccana: subgrupo específico da Wicca, organizado e
estruturado, geralmente iniciático, com práticas rituais únicas.
Muitas tradições possuem seus próprios Livros de Sombras e
muitas podem não reconhecer membros de outras tradições como
Wiccanos. A maioria das tradições é composta por um número de
covens assim como por praticantes solitários.
Trilito: arco de pedra formado por duas pedras verticais com uma
terceira apoiada sobre estas. Trilitos são encontrados em
Stonehenge assim como na visualização do círculo no Livro de
Sombras das Pedras Erguidas.
Visualização: processo de formação de imagens mentais.
Visualização mágica consiste em formar imagens de objetivos
desejados durante Rituais. A visualização também é utilizada para
direcionar o Poder Pessoal e a energia natural durante a Magia com
várias finalidades, incluindo a carga e a formação do Círculo Mágico.
É função da Mente Consciente.
Wicca: religião pagã contemporânea, com raízes espirituais no
xamanismo e nas mais antigas expressões de reverência à natureza.
Entre seus principais motivos temos: reverência à Deusa e ao Deus;
reencarnação; magia; observação de rituais na Lua cheia, em
fenômenos astronômicos e agrícolas; templos esferóides, criados
com Poder Pessoal, em que ocorrem os rituais.
Xamã: homem ou mulher que obteve conhecimento das dimensões
mais sutis da Terra, normalmente mediante períodos de estados
alterados de consciência. Vários tipos de Rituais permitem ao xamã
romper o véu que separa o mundo físico do espiritual e assim
vivenciar o mundo das energias. Este conhecimento concede ao
xamã o poder de alterar seu mundo por meio da Magia.
Xamanismo: a prática dos xamãs, normalmente de natureza
ritualística ou mágica, por vezes religiosa.
Yule: um festival Wiccano celebrado em ou por volta de 21 de
dezembro, no hemisfério norte e 21 de junho no hemisfério sul
assinalando o renascimento do Deus Sol a partir da Deusa Terra.
Período de alegria e celebração durante a privação do inverno. O
Yule ocorre no solstício de inverno. No hemisfério norte ocorre
perto do Natal cristão, que incorporou seus símbolos



Eis aqui uma introdução positiva e prática à religião da Wicca*. Scott Cunningham apresenta a Wicca como ela é hoje - uma religião suave e voltada à Terra, dedicada à Deusa e ao Deus. Este livro preenche a necessidade de um guia para a Wicca Solitária – uma necessidade jamais antes preenchida por outro livro. Wicca é um livro sobre a vida e como viver mágica, espiritual e
completamente em sintonia com a Natureza. É um livro sobre senso e bom senso, não apenas voltado à Magia, mas sobre religião e um dos mais delicados tópicos da atualidade: como atingir a tão necessária e integral relação com nossa Terra. Wicca é uma introdução prática e positiva à religião da Wicca, elaborado de modo que qualquer pessoa interessada possa aprender
a praticar a religião "só, em qualquer ponto do Mundo". Apresenta a Wicca de modo honesto e claro. Mostra a Wicca como uma parte vital e satisfatória da vida no século XX. A grande maioria dos livros sobre Wicca são voltados à prática em grupo. Estórias sobre encontros de covens e dinâmicas de grupo mágicas são encontradas em profusão em tais livros. O problema é que a maioria das pessoas que desejam aprender esta religião não compartilham tais interesses com outros. Pode ser que não conheçam outros Wiccanos num raio de trezentas milhas. Assim, ao
ler outros livros, ou eles são levados a crer que não é possível ser Wiccano sozinho - ou são forçados a adaptar os rituais publicados para uso individual. Além disso, muitos livros Wiccanos foram escritos com base em pontos de vista limitados, cada autor clamando ser a sua forma particular de Wicca a única certa. Guia Essencial para a Bruxa Solitária rompe com esses padrões.
Apresenta os aspectos teóricos e práticos da Wicca de uma perspectiva individual. O capítulo sobre o Livro das Sombras das Pedras Erguidas (aqui impresso na íntegra) contém rituais solitários
para os Esbats e para os Sabbats. Este livro, baseado nas quase duas décadas de prática Wiccana por parte do autor, apresenta um quadro eclético de vários aspectos desta religião. Exercícios criados para desenvolver a proficiência em magia, um ritual de autodedicação, magia de ervas, rúnica e de cristais, e receitas para os festivais dos Sabbats foram incluídos neste livro excelente.

Sobre a Série I.Lewellyn de Magia Prática

para algumas pessoas, a idéia de que a "magia" seja uma coisa prática é surpreendente. Não deveria ser. A Magia se baseia inteiramente na capacidade de exercer influência sobre nosso meio. Enquanto a magia é, altamente, voltada ao crescimento espiritual e à transformação psicológica, até mesmo a vida espiritual deve estar firmemente baseada em alicerces materiais. Os mundos material e psíquico estão entrelaçados, e é exatamente este fato que estabelece o Elo Mágico: o psíquico pode tão facilmente influenciar o material quanto vice-versa. A magia pode, e deveria, ser utilizada em nossa rotina para obtermos uma vida melhor! Cada um de nós recebeu Mente e Corpo, e certamente temos uma obrigação Espiritual de usar completamente esses maravilhosos dons. Mente e Corpo atuam em conjunto, e a Magia é apenas a extensão dessa interação em
dimensões que ultrapassam os limites normalmente concebidos. Eis o porquê de associarmos o "sobrenatural" aos domínios da Magia. O Corpo é vivo, e toda Vida é uma expressão do Divino. Há Poder Divino no Corpo e na Terra, assim como na Mente e no Espírito. Com Amor e Desejo, utilizamos a Mente para conectar esses aspectos do Divino e assim trazer mudanças. Com a Magia aumentamos o fluxo do Divino em nossas vidas e no mundo à nossa volta. Nós somamos à beleza de tudo – pois para trabalhar a Magia precisamos estar em harmonia com as Leis da Natureza e da Psique. A Magia é o Florescer do Potencial Humano.A Magia prática está relacionada à Arte de Viver bem e em harmonia com a Natureza, com a Magia da Terra, com as coisas da Terra, as estações e os ciclos, e aquilo que fazemos com as mãos e com a Mente. * Nota do tradutor. Esta obra contém repetidas vezes o termo "Wicca", designando a antiga religião celta. Tal termo, de origem obscura, como o próprio autor atesta em sua Nota lingüística, não possui equivalente exato na língua portuguesa. Uma vez que "paganismo" possui um sentido muito amplo, assim como "bruxaria" (sem contar a possível conotação negativa a eles imputada), optei por manter a terminologia original, a exemplo da língua inglesa (segundo alguns estudos lingüísticos, a palavra "Wicca" tem origem no idioma galês), fazendo uma concessão apenas ao derivado "wiccan", indicando um praticante da Wicca ou assuntos a ela correlatos, aqui adaptado como "wiccano". Não se trata, no entanto, de um excesso de liberdade deste tradutor, já que essa expressão é amplamente utilizada pelos praticantes e estudiosos de tal religião no Brasil - entre os quais orgulhosamente me incluo. · Nota lingüística: Existe atualmente muita controvérsia acerca do significado exato (e original) da palavra "Wicca". Não é meu desejo ingressar ou acrescentar novas questões a tais discussões, mas não creio que possa utilizar o termo sem defini-lo. Assim, "Wicca" será utilizada neste livro para descrever tanto a religião em si (uma ampla religião Pagã baseada na reverência às forças criativas da Natureza, normalmente simbolizadas por uma deusa e por um deus), como também seus praticantes de ambos os sexos. O termo "warlock" feiticeiro, Bruxo, Mago, apesar de eventualmente utilizado para descrever os praticantes do sexo masculino, é virtualmente evitado pelos próprios Wiccanos; portanto, não o utilizo aqui. Apesar de alguns usarem "Wicca" e "Witch" (Bruxa, feiticeira, ídem - 1969, n. do T.) quase como sinônimos, prefiro a mais antiga e menos embaraçosa palavra Wicca, e deste modo uso-a quase com exclusividade.

Prefácio
Este livro, resultado de dezesseis anos de experiência prática e pesquisas, é um guia que descreve os aspectos básicos da teoria e da prática em Wicca. Foi escrito tendo em mente o estudante ou praticante solitário; portanto, não contém descrições de rituais para coven ou dinâmicas de grupo em magia. A Wicca aqui descrita é "nova". Não há revelações sobre antigos rituais zelosamente transmitidos através dos séculos. Isso, entretanto, não diminui sua eficácia, pois ela se baseia em práticastestadas pelo tempo. Um encantamento a Innana de três mil anos não é necessariamente mais poderoso ou eficaz do que outro improvisado durante um ritual privado. A pessoa que executa o ritual é que determina seu sucesso. Se, para você, encantamentos seculares são nada mais que tagarelices sem sentido, é bem provável que o ritual não surta efeito, do mesmo modo que não surtiria efeito uma cerimônia Shintoísta nas mãos de um Metodista. Para Ter efeito, os rituais devem falar ao seu coração.Para alguns, os rituais são a essência da Wicca, enquanto para outros representam complementos prazerosos à filosofia e modo de vida da Wicca. Na Wicca, como de resto em qualquer outra religião, os rituais funcionam como um meio de contatar o Divino. Rituais
bem-sucedidos unem o adorador à Deidade. Rituais ineficazes matam a espiritualidade. Há, sim, rituais neste livro, mas são apenas diretrizes, não escrituras sagradas. Escrevi-os para que outros, utilizando-os como orientação, possam criar os seus próprios rituais. Algumas pessoas podem dizer: "Mas este é o seu ponto de vista. Nós queremos a verdadeira Wicca! Conte-nos seus segredos!" Não
há, como jamais haverá, uma forma "pura", "verdadeira" ou "genuína" de Wicca. Não existem agências governamentais centrais, líderes físicos, profetas ou mensageiros universalmente
reconhecidos. Apesar de certamente existirem formas específicas e estruturadas de Wicca, elas nem sempre concordam no que diz respeito a rituais, simbolismo ou teologia. Devido a esse
individualismo saudável, nenhum sistema ritual ou filosófico surgiu para consumir os demais.A Wicca é diversificada e multifacetada. Como em todas as religiões, a experiência ritual Wiccana é compartilhada com a deidade apenas. Este livro é somente um dos modos, baseado em minhas experiências e na instrução que recebi, de se praticar Wicca Apesar de tê-lo escrito, este livro não surgiu do nada. O joalheiro que lapida esmeraldas brutas não criou as gemas; tampouco os artesão criou a argila. Tento aqui apresentar uma amálgama dos principais temas e estruturas rituais da Wicca; não criar uma nova forma, mas sim apresentar uma para que outros possam desenvolver suas próprias práticas de Wicca. Quando comecei a aprender sobre Wicca, havia poucos livros sobre
o assunto, e certamente nenhum Livro das Sombras publicado. Os rituais e textos mágicos são mantidos em segredo em várias correntes da Wicca, e só há pouco tempo alguns sistemas foram
tornados "públicos". Devido a este fato, poucos praticantes escreveram livros descrevendo os rituais e os ensinamentos internos da Wicca. Os que estão de fora da Wicca (ou A Arte, como também é conhecida), e sobre ela escreveram, forneceram forçosamente informações truncadas ou incompletas. Poucos anos após meu ingresso na Wicca, no entanto, muitos livros autênticos e informativos começaram a ser publicados. À medida que prosseguia em meus estudos, tanto independentemente como junto aos professores que encontrei, percebi que alguém que tentasse aprender e praticar a Wicca com base apenas nas fontes publicadas adquiriria uma visão tristemente tendenciosa. Grande parte dos autores Wiccanos transmitia sua própria forma
de Wicca. Faz sentido: escreva sobre aquilo que sabe. Infelizmente,
muitos dos principais autores da área possuem pontos de vista
similares, fazendo, assim, com que a maioria do material publicado
seja repetitiva.
Ademais, a maior parte dessas obras está voltada à Wicca de
covens (grupos). Isso constitui-se num grande problema para os que
não consigam encontrar um mínimo de quatro ou cinco pessoas
interessadas e compatíveis para a criação de um coven. Também
lança um fardo nos que desejem uma prática religiosa privada.
Possivelmente, a verdadeira causa que me levou a escrever este
livro - além de inúmeros pedidos - seja estritamente pessoal. Não
apenas desejo apresentar uma alternativa aos livros sóbrios e
estruturados sobre Wicca, como também quero retribuir com algo
pelo treinamento que recebi nesta religião contemporânea.
Apesar de eu eventualmente ministrar aulas, e de a Wicca sempre
atrair um grande público, prefiro a palavra impressa quando quero
ressaltar algumas das coisas que aprendi. Apesar de que nada pode
substituir o ensino direto e individual, não é um método muito
prático para todos os que desejam aprender.
E foi assim que, muitos anos atrás, comecei a fazer anotações e
capítulos que finalmente se transformariam neste livro. A fim de
não me tornar muito obtuso (Sybil Leek disse uma vez que é
perigoso escrever sobre sua própria religião - estamos muito
próximos a ela), pedi a amigos Wiccanos para que lessem e
comentassem sobre os primeiros rascunhos para assegurar que a
visão da Wicca aqui apresentada não fosse excessivamente limitada
ou dogmática.
Peço que não me interpretem errado. Apesar de o objetivo deste
livro ser uma melhor apreciação e compreensão da Wicca, não quero
fazer nenhum proselitismo. Como muitos Wiccanos, não tenciono
mudar suas crenças religiosas e espirituais; isso não é da minha
conta.
Entretanto, com o crescente interesse em religiões nãotradicionais,
preocupações com a destruição ambiental e um vasto
interesse na religião da Wicca, espero que este livro responda
parcialmente a uma das mais recorrentes questões:
"O que é Wicca?"

Introdução
Wicca, a religião das "Bruxas", há muito está encoberta em
segredos. Aqueles interessados em aprender "A Arte" deviam
contentar-se com informações fragmentadas provenientes de livros
e artigos. Os Wiccanos não revelavam muito, a não ser que não
estavam buscando novos seguidores.
Atualmente, um número crescente de pessoas anda insatisfeito com
a estrutura das religiões tradicionais. Muitos buscam uma religião
de apelo pessoal, uma que celebre tanto a realidade física como a
espiritual, na qual a sintonia com a deidade seja complementada pela
prática da magia.
A Wicca é exatamente assim, centrada em torno da reverência à
Natureza na forma da Deusa e do Deus. Suas antigas raízes
espirituais, a aceitação da magia e de sua natureza misteriosa
tornam-na especialmente atraente. Até há pouco tempo, a falta de
informação pública acerca da Wicca e sua aparente exclusividade
causaram muita frustração aos estudantes interessados.
A Wicca não busca novos membros. Esta tem sido uma das maiores
pedras no caminho dos que desejam aprender seus rituais e sua
magia. A Wicca não tenta seduzir porque, ao contrário da maioria
das religiões ocidentais, ela não alega ser o único e verdadeiro
caminho para o Divino.
Com o número crescente de interessados em praticar Wicca, talvez
seja a hora de permitir que toda a luz da Aurora da Era de Aquário
ilumine-a. Ao fazer isso, não estou declarando ser a Wicca a
salvação de nosso planeta, mas sim apresentá-la aos que desejem
aprendê-la.
Muitos obstáculos têm surgido. Até recentemente, a única maneira
de ingressar na Wicca era
a. contatar um iniciado em Wicca, normalmente membro de um
coven, e
b. ser convidado.
Se não conhecesse nenhum bruxo, não teria muita sorte, pois a
iniciação era um pré-requisito indispensável.
Atualmente, os tempos estão mudando. Estamos amadurecendo,
talvez até rápido demais. Isto é necessário para que essa procura
não seja apenas uma curiosidade pueril. Os herdeiros da Wicca
devem projetar firmemente sua religião para o futuro se quiserem
que ela tenha algo a oferecer às gerações futuras.
Uma vez que chegamos ao ponto onde um simples mal-entendido
pode acabar com nosso planeta como o conhecemos, pode-se dizer
que jamais houve um período no qual a Wicca, sendo uma religião
voltada à natureza, tivesse mais para oferecer.
Este livro rompe com muitas convenções da Wicca. Foi estruturado
para que qualquer um, em qualquer lugar do mundo, possa praticar a
Wicca. Nenhuma iniciação é necessária. É voltado ao praticante
solitário, dada a dificuldade em se encontrar outros com interesses
similares, especialmente em áreas rurais.
A Wicca é uma religião festiva que brota de nossa união com a
natureza. Ela nos une às Deusas e aos Deuses, as energias
universais que criaram toda a existência. É uma celebração da vida,
positiva e pessoal.
E agora está à disposição de todos.

Capítulo 1 - Wicca e Xamanismo
Por definição, o xamanismo é considerado a primeira religião.
Existia antes das mais antigas civilizações, antes que nossos
ancestrais dessem seus primeiros passos em sua longa jornada rumo
ao presente. Antes desse período, os xamãs eram os curandeiros,
responsáveis pela distribuição do poder, masculino e feminino. Eles
operavam magia e se comunicavam com os espíritos da natureza.
Os xamãs foram os primeiros humanos com sabedoria. Eles a
criaram, a descobriram, a cultivaram e utilizaram-na. Sabedoria é
poder; os homens e mulheres que a possuíam naqueles dias
longínquos eram xamãs.
De que modo os xamãs descobriram ou capturaram esse poder? Por
meio do êxtase - estados alterados de consciência pelos quais eles
se comunicavam com as forças do universo. Os primeiros xamãs
atingiam esse estado com a utilização de "ferramentas" como
jejum, sede, autoflagelação, ingestão de substâncias alucinógenas,
concentração e assim por diante. Uma vez controladas, tais técnicas
permitiam que eles conhecessem outros mundos, não-físicos.
Todo o conhecimento mágico foi obtido graças a essas "alterações
de consciência". Encontros com espíritos e deidades, plantas e
animais ampliaram novos pontos de vista. Entre seu próprio povo, os
xamãs geralmente compartilhavam desse conhecimento, reservando
sempre um pouco para seu uso pessoal. A sabedoria xamânica não
foi criada para utilização pública.
Posteriormente, os xamãs aperfeiçoaram o uso de instrumentos
para tornar essas alterações de consciência, assinalando o
surgimento dos rituais de magia. Xamãs ao redor do mundo ainda
usam instrumentos como tambores, chocalhos, objetos reflexivos,
música, cânticos e dança. Seguramente, os rituais xamânicos mais
eficazes são os que utilizam tanto ferramentas naturais como
artificiais - o ruído da brisa, o quebrar das ondas do oceano,
chamas bruxuleantes, batidas constantes de um tambor, um
chocalho. Tudo isso, combinado à escuridão da noite e a cânticos,
acaba por sobrepujar os sentidos, forçando a alteração da
consciência do mundo físico para os recantos mais amplos da
energia. Tais são os ritos xamânicos ainda existentes.
Dessas origens primitivas surgiram todas as formas de magia e
religião, Wicca inclusa. Apesar da atual controvérsia acerca da
"antigüidade" da Wicca, ela espiritualmente descende desses ritos.
Mesmo que alterada e adequada para nosso mundo, a Wicca ainda
toca nossa alma e causa êxtase - mudanças de consciência -, unindo-
nos ao Divino. Muitas das "técnicas" da Wicca são de origem
xamânica.
Deste modo, a Wicca pode ser descrita como uma religião xamânica.
Assim como o xamanismo, apenas um grupo seleto sente-se
compelido a adentrar esse círculo de luz.
Hoje, a Wicca aboliu as provações por dor e o uso de alucinógenos,
substituindo-as por meditações, cânticos, concentração,
visualização, música, dança, invocação e drama ritual. Com esses
instrumentos rituais, a Wicca atinge um estado de consciência
ritual semelhante àqueles obtidos pelas mais brutais provações
xamânicas.
Usei deliberadamente o termo "estados alterados de consciência".
Tais estados de consciência não são desnaturais, um desvio da
consciência "normal". A Wicca ensina que a natureza engloba um
amplo espectro de estados mentais e espirituais dos quais a maioria
de nós é ignorante. Rituais Wiccanos eficazes possibilitam que
penetremos em tais estados, permitindo-nos comungar e comunicar
com a Deusa e com o Deus.
Ao contrário de algumas religiões, a Wicca não vê o Divino como
algo distante. A Deusa e o Deus estão ambos dentro de nós e
manifesta-se em toda a natureza. Isto é a universalidade: não há
nada que não seja dos Deuses.
Um estudo sobre o xamanismo revela muito da natureza da magia e
das experiências religiosas em geral, e da Wicca em particular (veja
lista de livros recomendados na Bibliografia). Utilizando o ritual
como um modo de ingressar a consciência ritual, o xamã ou Wicca
expande constantemente seu conhecimento, e conhecimento é
poder. A Wicca auxilia seus praticantes a entender o universo e
nosso lugar nele.
No momento, a Wicca é uma religião com muitas variações. Por ser
um sistema de estrutura pessoal, o máximo que posso fazer é
declarar dados genéricos sobre seu credo e a partir daí, filtrandoos
em minha experiência e conhecimento, criar um quadro da
natureza da Wicca.
A Wicca, assim como muitas outras religiões, reconhece a Dualidade
do Divino. Reverencia a Deusa e o Deus. Eles são iguais, calorosos e
afetuosos, não distantes ou morando no "paraíso", mas onipresentes
em todo o universo.
A Wicca nos ensina também que o mundo físico é apenas uma de
muitas realidades. O físico não é a mais alta expressão absoluta,
nem é o espiritual "mais puro" do que a base. A única diferença
entre o físico e o espiritual é que o primeiro é mais denso.
Como nas religiões orientais, também a Wicca concorda com a
doutrina da reencarnação, esse tópico tão mal compreendido. Ao
contrário de algumas filosofias orientais, contudo, a Wicca não
prega que, após a morte física, nossas almas venham a reencarnar
em outras formas que não a humana. Além disso, poucos praticantes
acreditam que iniciemos nossa existência como pedras, árvores,
lesmas ou aves antes de evoluir ao ponto de podermos encarnar
como seres humanos. Apesar de tais criaturas e substâncias
possuírem uma espécie de alma, não é do mesmo tipo da que nós,
humanos, possuímos.
A reencarnação é aceita como um fato por milhões de pessoas,
tanto no oriente como no ocidente. Ela responde a muitas
perguntas: o que ocorre após a morte? Por que temos a sensação de
lembrar de coisas que jamais fizemos nesta vida? Por que às vezes
somos inexplicavelmente atraídos a lugares ou pessoas que nunca
vimos antes?
Certamente, a reencarnação não pode responder a todas essas
questões, mas ela está lá para ser estudada. A reencarnação não é
algo em que devemos crer. Por meio da reflexão, da meditação e da
auto-análise muitos chegaram ao ponto em que aceitam a
reencarnação como um fato. Para maiores informações acerca deste
tópico, ver Capítulo 9. A Espiral do Renascimento.
O ideal Wiccano de moralidade é simples: faça o que desejar, desde
que não prejudique ninguém. Esta regra contém outra condição, não
escrita: não faça nada que lhe prejudique. Assim, se como um Wicca
você abusar de seu organismo, negando-lhe suas necessidades vitais
ou ainda ferindo a si mesmo, você estará violando este princípio.
Não é apenas uma questão de sobrevivência; isto assegura que você
estará em boas condições para assumir a tarefa de preservar e
melhorar nosso mundo, pois o cuidado e o amor por nosso planeta é
parte vital da Wicca.
A Wicca é uma religião que utiliza magia. Esta é uma de suas
características mais distintas e atraentes. Magia religiosa? Isso
não é tão estranho quanto pode parecer. Os sacerdotes católicos
utilizam "magia" para transformar um pedaço de pão no corpo de um
"salvador" há muito falecido. A oração - instrumento comum a
muitas religiões - é simplesmente uma forma de comunicação com o
Divino. Se a concentração for ampliada, energias passam a ser
enviadas com os pensamentos que farão com que, com o tempo, a
prece se torne realidade. As preces são uma forma de magia.
A magia é a prática de utilizar energias naturais (ainda que pouco
compreendidas) para efetuar mudanças necessárias. Na Wicca, a
magia é utilizada como um instrumento para consagrar áreas rituais,
melhorarmos a nós mesmos e o mundo no qual vivemos.
Muitas pessoas confundem a Wicca e a magia, como se essas duas
palavras tivessem o mesmo sentido. Wicca é uma religião que
envolve magia. Se deseja apenas praticar magia, provavelmente a
Wicca não é o melhor caminho para você.
Outro ponto fundamental: a magia não é um meio de forçar a
natureza a fazer aquilo que deseja. Esta é uma noção
completamente equivocada, gerada pela crença de que a magia é
algo de certo modo sobrenatural, como se algo que existe pudesse
estar de fora da natureza. Magia é natural. É um movimento
harmonioso de energias que origina mudanças necessárias. Se
deseja praticar magia, deve antes abandonar todas as noções de
que ela seria paranormal ou sobrenatural.
A maioria dos Wiccanos não acredita na predestinação. Apesar de
honrarmos e reverenciarmos a Deusa e o Deus, sabemos que somos
almas livres com total controle e responsabilidade sobre nossas
vidas. Não podemos apontar para uma imagem de um deus maligno,
como Satã, e culpá-lo por todos os nossos defeitos e fraquezas.
Não podemos culpar o destino. A cada segundo de cada dia estamos
moldando nossos futuros, criando os cursos de nossas vidas. Uma
vez que um Wiccano assume total responsabilidade por tudo o que
tenha feito (nesta e em vidas passadas) e determina que as ações
futuras estarão de acordo com ideais e objetivos mais elevados, a
magia florescerá e a vida será plena de prazer.
Esta talvez seja a essência da Wicca - é uma união prazerosa com a
natureza. A terra é uma manifestação da energia divina. Os templos
da Wicca são os campos salpicados de flores, as florestas, as praias
e os desertos. Quando um Wiccano está ao ar livre, ele (ou ela)
está, na verdade, envolto pela santidade, assim como um cristão
quando entra em uma igreja ou em uma catedral.
Além disso, toda a natureza está sempre cantando para nós,
revelando Seus segredos. Os Wiccanos ouvem a Terra. Eles não
ignoram as lições que Ela está desesperadamente nos tentando
ensinar. Quando perdemos contato com nosso amado planeta,
perdemos o contato com o Divino.
Estes são alguns dos princípios básicos da Wicca. Eles formam a
verdadeira Wicca; os rituais e os mitos são secundários a estes
ideais, e servem para celebrá-los.
O Livro de Sombras Completo (livro de rituais) incluso na Seção III
é um guia para que você construa o seu próprio. Sendo estes rituais
apenas modelos, não é necessário segui-los à risca. Altere-os
conforme a necessidade. Uma vez que os ritos o liguem às Deidades,
está tudo certo.
Não ignore o mundo físico em favor dos reinos mágico ou espiritual,
pois apenas por meio da natureza é que podemos experimentar tais
realidades. Há um motivo para estarmos na Terra. Use, entretanto,
os rituais para expandir sua consciência para que realmente possa
integrar-se a toda a criação.
O caminho está aberto. A antiga Deusa e seu Deus o aguardam à sua
volta e dentro de você.
Que Eles o abençoem com sabedoria e poder.

Capítulo 2 - As Deidades
Todas as religiões são estruturas embasadas na reverência ao
Divino, e a Wicca não é exceção. A Wicca reconhece a existência de
uma força divina suprema, inestimável, absoluta, de onde surgiu
todo o universo.
O conceito de tal força, muito além de nossa compreensão, quase
foi perdido na Wicca devido à dificuldade que temos em nos
relacionarmos a ela. Entretanto, os Wiccanos acessam essa força
por intermédio de suas deidades. Conforme os princípios da
natureza, a força suprema foi personificada em dois seres básicos:
a Deusa e o Deus.
Toda deidade cultuada neste planeta existe como arquétipo do Deus
e da Deusa. Os complexos panteões de deidades surgidos em muitas
partes do mundo são simplesmente aspectos desses dois. Toda
deusa reside no conceito da Deusa. Todo deus, no do Deus.
A Wicca reverencia essas duas deidades por seus elos com a
natureza. Uma vez que a maior parte (mas certamente não toda) da
natureza está dividida em gênero, as deidades que a simbolizam
foram concebidas de modo similar.
No passado, quando a Deusa e o Deus eram tão reais como a Lua e o
Sol, os ritos de culto e adoração eram desestruturados uma união
espontânea e prazerosa com o Divino. Posteriormente, os rituais
passaram a seguir o curso do Sol através do ano astronômico (daí as
estações) assim como o crescer e o minguar mensal da Lua.
Atualmente, ritos similares são observados na Wicca, e sua
execução regular de fato cria uma intimidade mágica com essas
deidades e com as forças por trás dela.
Felizmente, não precisamos aguardar pela época dos rituais para
lembrarmos da presença dos Deuses. A visão de uma flor perfeita
num campo árido pode suscitar sentimentos tão fortes quanto os
originados pelo mais poderoso dos ritos formais. Viver em contato
com a natureza torna cada momento um ritual. Os Wiccanos
sentem-se à vontade ao comunicar-se com animais, plantas e
árvores. Eles sentem a energia contida em pedras e na areia e
fazem que fósseis falem sobre suas origens primitivas. Para alguns
Wiccanos, observar o nascer e o pôr-do-Sol e da Lua diariamente é
um ritual em si só, pois estes são os símbolos celestes do Deus e da
Deusa.
Uma vez que a Wicca vê o Divino inerente à natureza, muitos de nós
envolvem-se com a ecologia - salvar a Terra de uma maior
destruição por nossas próprias mãos. A Deusa e o Deus ainda
existem, como sempre existiram, e para honrá-los nós honramos e
preservamos nosso precioso planeta.
Segundo o pensamento Wicca, as deidades não existiam antes que
nossos ancestrais espirituais tomassem ciência delas. Entretanto, a
energia por trás delas já existia; fomos por ela criados. Os antigos
cultuadores reconheciam essa energia na forma da Deusa e do
Deus, personificando-os numa tentativa de melhor entendê-los.
Os Antigos não morreram quando as antigas religiões pagãs
cederam ao surgimento do cristianismo na Europa. Muitos dos ritos
desapareceram, mas não eram os únicos eficazes. A Wicca está viva
e bem, e as Deidades respondem a nossos chamados e invocações.
Ao visualizar a Deusa e o Deus, muitos dos Wiccanos os vêem como
conhecidas deidades de religiões antigas. Diana, Pã, Ísis, Hermes,
Hina, Tammuz, Hécate, Ishtar, Cerridwen, Thoth, Tara, Aradia,
Ártemis, Pele, Apolo, Kanaloa, Bridget, Hélios, Bran, Lugh, Hera,
Cibele, Iranna, Maui, Ea, Atena, Lono, Marduk - a lista é
literalmente inesgotável. Muitas dessas deidades, com sua história,
ritos e mitos correspondentes, fornecem o conceito de deidade aos
Wiccanos.
Alguns sentem-se bem ao associar esses nomes e formas à Deusa e
ao Deus, sentindo que possivelmente não seriam capazes de
reverenciar seres divinos desprovidos de nome. Outros crêem que a
falta de nomes e indumentárias representa uma confortável
ausência de limitações.
Como já dito anteriormente, a Wicca descrita neste livro é "nova",
apesar de construída sobre ritos e mitos estabelecidos,
profundamente arraigada nos mais antigos sentimentos religiosos
que a natureza fez aflorar em nossa espécie. Nestes rituais utilizo
as palavras "o Deus" e "a Deusa" em vez de nomes específicos como
Diana e Pã. Qualquer pessoa com uma afinidade especial com
deidades em particular deve sentir-se livre para adaptar os rituais
da Sessão III - O Livro de Sombras das Pedras Erguidas e incluílas.
Caso não esteja familiarizado com as religiões politeístas não
ocidentais ou não tenha desenvolvido afinidade com outras
divindades que não aquelas com as quais foi educado, comece por
aceitar a seguinte premissa (pelo menos no momento): o Divino é
gêmeo, consistindo na Deusa e no Deus.
Eles receberam tantos nomes que passaram a ser chamados de Os
Sem Nome. Sua aparência é exatamente a que desejamos que
tenham, pois eles são todas as deidades que já existiram. A Deusa e
o Deus são todo-poderosos, pois são os criadores de toda a
existência manifesta ou não. Podemos contatá-los e comunicarmo-
nos com eles pois uma parte de nós está neles, assim como eles
estão em nós.
A Deusa e o Deus são iguais; nenhum deles é mais alto ou mais
reverenciável. Apesar de alguns Wiccanos centralizarem seus
rituais na Deusa em completo detrimento do Deus, isto é apenas
uma reação aos séculos sob sufocante religião patriarcal e à
negligência ao aspecto feminino do Divino. A religião baseada apenas
na energia feminina, entretanto, é tão desequilibrada e desnatural
quanto outra totalmente voltada ao masculino. Um equilíbrio
perfeito entre ambas é o ideal. A Deusa e o Deus são iguais, e
complementares.

A Deusa
A Deusa é a Mãe universal. É a fonte da fertilidade, da infinita
sabedoria e dos cuidados amorosos. Segundo a Wicca, Ela possui
três aspectos: a Donzela, a Mãe e a Anciã, que simbolizam as Luas
Crescente, Cheia e Minguante. Ela é a um só tempo o campo não
arado, a plena colheita e a Terra dormente, coberta de neve. Ela dá
à luz abundância. Mas, uma vez que a vida é um presente Seu, ela a
empresta com a promessa da morte. Esta não representa as trevas
e o esquecimento, mas sim um repouso pela fadiga da existência
física. É uma existência humana entre duas encarnações.
Uma vez que a Deusa é a natureza, toda a natureza, Ela é tanto a
tentadora como a Velha; o tornado e a chuva fresca de primavera; o
berço e o túmulo.
Porém, apesar de Ela ser feita de ambas as naturezas, a Wicca a
reverencia como a doadora da fertilidade, do amor e da abundância,
se bem que seu lado obscuro também é reconhecido. Nós A vemos
na Lua, no silencioso e fluente oceano, e no primeiro verdejar da
primavera. Ela é a incorporação da fertilidade e do amor.
A Deusa é conhecida como a Rainha do paraíso, Mãe dos Deuses que
criaram os Deuses, a Fonte Divina, A Matriz Universal, A Grande
Mãe e incontáveis outros títulos.
Muitos símbolos são utilizados na Wicca para honrá-la, como o
caldeirão, a taça, o machado, flores de cinco pétalas, o espelho,
colares, conchas do mar, pérolas, prata, esmeralda... para citar uns
poucos.
Por governar a Terra, o mar e a Lua, muitas e variadas são suas
criaturas. Algumas incluiriam o coelho, o urso, a coruja, o gato, o
cão, o morcego, o ganso, a vaca, o golfinho, o leão, o cavalo, a
corruíra, o escorpião, a aranha e a abelha. Todos são sagrados à
Deusa.
A Deusa já foi representada como uma caçadora correndo com seus
cães de caça; uma deidade celestial caminhando pelos céus com pó
de estrelas saindo de seus pés; a eterna Mãe com o peso da criança;
a tecelã de nossas vidas e mortes; uma Anciã caminhando sob o luar
buscando os fracos e esquecidos, assim como muitos outros seres.
Mas, independentemente de como A vemos, Ela é onipresente,
imutável, eterna.
O Deus
O Deus tem sido reverenciado há eras. Ele não é a deidade rígida, o
todo-poderoso do cristianismo ou do judaísmo, tampouco um simples
consorte da Deusa. Deus ou Deusa, eles são iguais, unidos.
Vemos o Deus no Sol, brilhando sobre nossas cabeças durante o dia,
nascendo e pondo-se no ciclo infinito que governa nossas vidas. Sem
o Sol, não poderíamos existir; portanto, ele tem sido cultuado como
a fonte de toda a vida, o calor que rompe as sementes adormecidas,
trazendo-as para a vida, e instiga o verdejar da terra após a fria
neve do inverno.
O Deus é também gentil com os animais silvestres. Na forma do
Deus Cornudo, Ele é por vezes representado com chifres em Sua
cabeça, que simbolizam Sua conexão com tais bestas. Em tempos
mais antigos, acreditava-se que a caça era uma das atividades
regidas pelo Deus, enquanto a domesticação dos animais era vista
como voltada à Deusa.
Os domínios do Deus incluíam as florestas intocadas pelas mãos
humanas, os desertos escaldantes e as altas montanhas. As
estrelas, por serem na verdade sóis distantes, são por vezes
associadas a Seu domínio.
O ciclo anual do verdejar, amadurecer e da colheita vem há muito
sendo associado ao Sol, daí os festivais Solares da Europa
(discutidos mais profundamente no Capítulo 8. Dias de Poder), os
quais são ainda observados na Wicca.
O Deus é a colheita plenamente madura, o vinho inebriante extraído
das uvas, o grão dourado que balança num campo, as maçãs
vicejantes que pendem de galhos verdejantes nas tardes de outono.
Em conjunto com a Deusa, também Ele celebra e rege o sexo. A
Wicca não evita o sexo ou fala sobre ele por palavras sussurradas.
É uma parte da natureza e assim é aceito. Por trazer prazer,
desviar nossa consciência do mundo cotidiano e perpetuar nossa
espécie, é considerado um ato sagrado. O Deus nos imbui
vigorosamente no desejo que assegura o futuro biológico de nossa
espécie.
Símbolos normalmente utilizados para representar ou cultuar o
Deus incluem a espada, chifres, a lança, a vela, ouro, bronze,
diamante, a foice, a flecha, o bastão mágico, o tridente, facas e
outros. Criaturas a Ele sagradas incluem o touro, o cão, a cobra, o
peixe, o gamo, o dragão, o lobo, o javali, a águia, o falcão, o tubarão,
os lagartos e muitos mais.
Desde sempre, o Deus é o Pai Céu, e a Deusa a Mãe Terra. O Deus é
o céu, da chuva e do relâmpago, que desce sobre a Deusa e une-se a
ela, espalhando as sementes sobre a terra, celebrando a fertilidade
da Deusa.
Ainda hoje, as deidades da Wicca estão firmemente associadas à
fertilidade, mas cada aspecto da existência humana pode ser
associado à Deusa e ao Deus. Podem ser chamados para nos auxiliar
a atravessar as vicissitudes de nossas existências e trazer prazer a
nossas vidas normalmente carentes de espiritualidade.
Isto não significa que quando ocorrerem problemas devamos deixálos
nas mãos dos deuses. Esta é uma manobra de fuga, ao evitarmos
lidar com os buracos no caminho da vida. Contudo, como Wiccanos
nós chamamos pela Deusa e pelo Deus para limpar nossas mentes e
ajudar-nos a nos ajudar. A magia é um excelente meio para tanto.
Após sintonizar-se com a Deusa e com o Deus, os Wiccanos pedem
Seu auxílio durante o rito mágico que normalmente se segue.
Além disso, a Deusa e o Deus podem nos ajudar a mudar nossas
vidas. Uma vez que as Deidades são as forças criativas do universo
(e não apenas símbolos), podemos chamá-las para fortalecer nossos
ritos e abençoar nossa magia. Novamente, isto vai contra a maioria
das religiões. O poder está nas mãos de cada praticante, e não com
sacerdotes ou sacerdotisas especializados que celebram tais feitos
para as massas. Isto é o que torna a Wicca um meio de vida
realmente satisfatório. Temos vínculos diretos com as Deidades.
Não precisamos de intermediários - sacerdotes, confessores ou
xamãs. Nós somos os xamãs.
Para desenvolver um relacionamento com a Deusa e com o Deus, uma
necessidade para os praticantes de Wicca, podemos seguir estes
rituais simples.
À noite, sente-se ou permaneça de pé olhando para a Lua, se estiver
visível. Se não, imagine a Lua mais cheia que já tenha visto com seu
brilho branco-prateado na escuridão, diretamente acima e diante
de você.
Sinta a suave luz lunar beijando sua pele. Sinta-a tocando e
misturando-se a suas próprias energias, mesclando-se e formando
novos padrões.
Veja a Deusa em qualquer forma que desejar. Chame-a, entoando
antigos nomes, se desejar: Diana, Lucina, Selena. Abra seu coração
e sua mente para o aspecto da energia da Deusa manifestado na luz
da Lua.
Repita este processo diariamente por uma semana, de preferência
no mesmo horário da noite.
Concomitantemente a este exercício, sintonize-se com o Deus. Ao
levantar-se pela manhã, não importa o quão tarde seja, fique de pé
diante do Sol (através de uma janela se necessário, ou ao ar livre se
possível) e mergulhe em sua energia. Pense no Deus. Visualize-o
como quiser. Pode ser um poderoso guerreiro musculoso, erguendo
uma lança em uma das mãos enquanto a outra segura uma criança ou
um cacho de uvas coberto de orvalho.
Pode desejar entoar nomes do Deus, como Cernunnos, Osiris, Apolo,
assim como com a Deusa.
Se não desejar visualizar o Deus (pois a visualização pode impor
limitações), simplesmente entre em harmonia com as energias que
emanam do Sol. Mesmo se nuvens bloqueiam o céu, ainda assim as
energias do Deus lhe alcançarão. Sinta-as com toda a sua
imaginação mágica (veja Capítulo 11. Exercícios e Técnicas de
Magia).
Impeça que quaisquer outros pensamentos diferentes perturbem
sua reverência ao Deus. Libere seus sentimentos; abra sua
consciência para coisas mais elevadas. Chame pelo Deus com
quaisquer palavras. Exprima seu desejo de sintonizar-se com Ele.
Pratique estes exercícios diariamente por uma semana. Se desejar
explorar os conceitos da Deusa e do Deus, leia livros sobre
mitologia de qualquer povo do mundo. Leia os mitos mas procure
pelos temas fundamentais. Quanto mais você ler, mais informações
terá em suas mãos; no final, você mergulhará num banco de
conhecimento desestruturado mas extremamente complexo sobre
as deidades. Em outras palavras, passará a conhecê-las.
Se após sete dias sentir necessidade (ou desejo), prossiga com
estes exercícios até sentir-se confortável com a Deusa e com o
Deus. Eles têm sempre estado em nós e ao nosso redor; precisamos
apenas abrir-nos para tal consciência. Este é um dos segredos da
Wicca - O Divino habita em nós.
Em sua busca pelo conhecimento dos Deuses, passeie longamente
sob as árvores. Estude as flores e as plantas. Visite locais
silvestres, naturais e sinta a energia da Deusa e do Deus
diretamente - por meio do correr de um regato, pelo pulsar de
energia proveniente do tronco de um velho carvalho, do calor de
uma pedra aquecida pelo sol. Familiarizar-se com a existência das
Deidades fica mais fácil pelo contato real com tais fontes de
energia.
A seguir, após Ter atingido tal estado, pode ser que deseje
estabelecer um altar ou santuário, permanente ou temporário, para
a Deusa e para o Deus. Não precisa ser mais do que uma pequena
mesa, duas velas, um incensário e um prato ou tigela com frutas,
grãos, sementes, vinho ou leite.
VELA DA DEUSA FLORES VELA DO DEUS
INCENSÁRIO
PRATO DE
OFERENDAS
Disposição de um altar simples
Posicione duas velas em seus suportes na parte de trás do altar. A
vela da esquerda representa a Deusa; a da direita, o Deus. Cores
são normalmente utilizadas para distingui-los; uma vela vermelha
para o Deus e uma verde para honrar a Deusa. Isto confere com as
associações naturais da Wicca, pois o verde e o vermelho são
antigas cores mágicas ligadas à vida e à morte. Outras cores podem
ser utilizadas - amarelo ou ouro para honrar o Deus, branco ou
prata para a Deusa.
Posicione o incensário diante e entre essas velas, e diante deste o
prato ou a tigela de oferendas. Um vaso com flores da estação pode
também ser acrescentado, assim como quaisquer objetos pessoais,
como cristais, fósseis e emas secas.
Para iniciar um ritual simples aos Deuses em seu altar, fique de pé
diante dele com uma oferenda de alguma espécie em sua mão.
Acenda as velas e o incenso, posicionando a oferenda dentro do
prato ou da tigela, e profira palavras como estas:
Senhora da Lua, dos mares incessantes e da verdejante
terra,
Senhor do Sol e das criaturas silvestres,
Aceitem esta oferenda que aqui deposito em sua
homenagem.
Concedam-me a sabedoria para perceber sua presença
em toda a natureza,
Oh antigos
Depois, sentado ou ainda de pé, permaneça por alguns minutos
mentalizando as deidades e pensando em seu crescente
relacionamento com elas. Sinta-as dentro e ao redor de você. A
seguir, extinga as chamas (use seus dedos, um abafador de velas ou
a lâmina de uma vela. Assoprar é uma afronta ao elemento do Fogo).
Deixe que o incenso queime até o fim, e volte a suas atividades
normais.
Se desejar, vá até o altar uma vez por dia em um horário
determinado. Pode ser ao levantar-se, pouco antes de ir dormir, ou
após o almoço. Acenda as velas, entre em sintonia e em comunhão
com a Deusa e com o Deus. Isto não é necessário, mas o ritmo
constante criado por este ciclo é benéfico e melhorará seu
relacionamento com as deidades.
Devolva à Terra as oferendas deixadas no altar ao final de cada dia
ou quando trouxer mais para lá deixar.
Se não puder montar um altar permanente, ajuste-o a cada vez que
sentir a necessidade de usá-lo, guardando a seguir os instrumentos.
Faça da montagem do altar uma parte do ritual.
Estes ritos simples escondem sua força. A Deusa e o Deus são
entidades reais, possuidoras da força que criou o universo.
Harmonizar-se com elas faz com que nossas vidas mudem para
sempre. Também lança nova esperança para nosso planeta e para a
continuidade de nossa existência nele.
Se este rito é formal demais para seu gosto, altere-o ou crie o seu
próprio. Este é o escopo básico deste livro: faça as coisas a seu
modo e não do meu, apenas porque as passei para o papel. É
impossível ajustar meu pé dentro da pegada de alguém na areia. Não
existe um modo único e correto na Wicca; tal pensamento pertence
às religiões monoteísticas que em sua maioria se tornaram
instituições políticas e mercantis.
Descobrir as deidades da Wicca é uma experiência sem fim. Elas
normalmente se apresentam por conta própria. Como dizem os
xamãs, "esteja atento". Toda a natureza está-nos cantando Seus
segredos. A Deusa constantemente afasta Seu véu; o Deus ilumina
com inspiração e esclarecimento. Nós é que não percebemos.
Não se preocupe com o que os outros possam pensar se souberem
que você esteve harmonizando-se com uma Deusa de 20.000 anos.
Os sentimentos e pensamentos deles acerca de sua religião não
acarretam conseqüências. Se sentir a necessidade de ocultar suas
experiências dos outros, simplesmente faça-o, não por medo ou
vergonha, mas porque realmente trilhamos caminhos diferentes.
Nem todos estão prontos para a Wicca.
Alguns dirão que nós (e quaisquer outros que não sigam seus rituais
ou abracem sua religião) estamos cultuando Satã. Não que nos
demos conta disso, é claro, pois Satã, segundo tais peritos, é muito
hábil para que percebamos.
Tais pessoas não conseguem acreditar que qualquer religião, além
de sua própria, possa ser profunda, gratificante e verdadeira para
aquele que nela acredita. Assim, se cultuamos o Deus e a Deusa, eles
dizem, estamos negando todo o bem e cultuando Satã, a encarnação
de toda a negatividade e do mal.
Os Wiccanos não são tão radicais. Presumir que uma dada religião é
o único caminho para se acessar o Divino é talvez a maior das
vaidades humanas. Tais crenças causaram incalculáveis
derramamentos de sangue e o surgimento do odioso conceito das
guerras santas.
A base de tal erro parece ser o conceito de um ser incorrupto, puro
e positivo - Deus. Se essa deidade é a soma de todo o bem, seus
seguidores acreditam que também deva haver um ser
correspondente negativo. Temos, assim, Satã.
A Wicca não corrobora com tais idéias. Reconhecemos os aspectos
obscuros da Deusa e do Deus do mesmo modo como reconhecemos
os claros. Tudo na natureza é composto de opostos, e esta
polaridade reside também em nós mesmos. As mais obscuras
características humanas, assim como as mais brilhantes, estão
guardadas em nossos inconscientes. Somente nossa capacidade de
superar os desejos destrutivos, canalizando tais energias para
pensamentos e atos positivos, é capaz de nos separar dos
assassinos em massa e dos sociopatas.
Sim, o Deus e a Deusa tem aspectos obscuros, mas não devemos
temê-los. Analise algumas manifestações de Seus poderes. Uma
enchente devastadora traz solo rico no qual florescerão novas
plantas. A morte traz uma maior apreciação da vida para os que
ficam e repouso para o que parte. "Bem" e "mal" são geralmente
idênticos em sua natureza, dependendo do ponto de vista adotado.
Ademais, de todo mal sempre surgirá um bem.
Para seus praticantes, toda e qualquer religião é real, o artigo
original. Jamais haverá uma religião, um profeta ou um salvador que
satisfará a todos os cinco bilhões de humanos. Cada um de nós deve
encontrar nosso modo ideal para harmonizar-se com o Divino. Para
alguns, este modo é a Wicca.
Os Wiccanos enfatizam os aspectos brilhantes das deidades porque
isto nos dá um propósito para crescer e evoluir aos aspectos mais
elevados da existência. Quando a morte, a destruição, a dor e a ira
surgem em nossas vidas (o que é normal), podemo-nos voltar para a
Deusa e para o Deus e saber que isso é também uma faceta deles.
Não precisamos atribuir a um demônio esses aspectos naturais da
vida e apelar a um deus puro e casto que nos livre deles.
Ao compreender de fato a Deusa e o Deus, passamos a entender a
vida, pois ambos estão intrinsecamente ligados. Viva sua vida
terrena plenamente, mas tente também ver os aspectos espirituais
de suas atividades. Lembre-se, o físico e o espiritual nada mais são
do que reflexos um do outro.
Quando ministro cursos, uma questão costuma surgir com
freqüência: "Qual é o sentido da vida?"
Pode vir acompanhada de uma risada, mas esta é uma questão que,
se respondida, satisfaz todas as outras que possamos ter. É o
problema que todas as religiões e sistemas filosóficos têm lutado
para resolver.
Qualquer um pode encontrar a resposta com a simples técnica de
viver e observar a vida. Apesar de cada pessoa encontrar uma
resposta diferente, podemos encontrar nossas respostas juntos.
A Deusa e o Deus são tanto o belo e o obscuro da natureza. Não
cultuamos a natureza desse modo; alguns Wiccanos provavelmente
diriam que nem sequer cultuam a Deusa e o Deus. Nós não nos
curvamos para as deidades; nós trabalhamos com Eles para criar um
mundo melhor.
Isto é o que faz da Wicca uma religião verdadeiramente
participativa.

Capítulo 3 – Magia
É do conhecimento comum, mesmo entre as massas, que as Bruxas
praticam magia. Pode haver idéias distorcidas acerca do tipo de
magia praticado, mas a Bruxa é firmemente associada, na cultura
popular, às artes mágicas.
A Wicca é, como já vimos, uma religião que engloba a magia como um
de seus conceitos básicos. Isto não é estranho. Na verdade, é
normalmente difícil distinguir onde termina a religião e onde
começa a magia, em qualquer fé.
Ainda assim, a magia tem papel especial na Wicca. Ela nos permite
melhorar nossas vidas e devolver energia ao nosso tão maltratado
planeta. Os Wiccanos também estabelecem relações especiais com
a Deusa e com o Deus por meio da magia. Isto não quer dizer que
todo encantamento é uma oração, nem são as invocações
encantamentos com palavras diferentes. Ao trabalharmos com as
forças que o Deus e a Deusa encarnam, nós nos aproximamos deles.
O ato de chamarmos por seus nomes e visualizarmos sua presença
durante os encantamentos e ritos cria um elo entre o Divino e os
humanos. Assim, na Wicca, a magia é uma prática religiosa.
Defini a magia um sem-número de vezes em meus livros.
Surpreendentemente, esta é uma tarefa difícil. A minha mais
recente e mais refinada definição é:
A magia é a projeção das forças naturais para gerar efeitos
necessários.
Há três fontes principais de tal energia - o poder pessoal, o poder
da Terra e o poder divino.
O poder pessoal é a força vital que sustenta nossas existências
terrenas. Ela move nossos corpos. Nós absorvemos energia da Lua e
do Sol, da água e dos alimentos. Liberamos essa energia durante os
movimentos, os exercícios, o sexo e o parto. Até mesmo respirar
libera energia, apesar de recuperarmos o que foi perdido com a
inspiração.
Na magia, o poder pessoal é gerado, imbuído de um propósito
específico, liberado e direcionado ao seu objetivo.
O poder da Terra é o que reside no interior de nosso planeta e em
seus produtos naturais. Pedras, árvores, o vento, as chamas, a água,
cristais e aromas possuem poderes únicos, específicos, que podem
ser utilizados durante rituais de magia.
Um Wiccano pode mergulhar um cristal de quartzo em água salgada
para limpá-lo e em seguida pressioná-lo contra o corpo de uma
pessoa doente para enviar suas energias curativas. Ou, ainda, ervas
podem ser espargidas ao redor de uma vela acesa para produzir um
efeito mágico específico. Óleos são aplicados no corpo para
efetivar alterações internas.
Tanto o poder pessoal como o da Terra são manifestações do poder
divino. Esta é a energia existente na Deusa e no Deus - a força
vital, a fonte do poder universal que criou tudo aquilo que existe.
Os Wiccanos invocam a Deusa e o Deus para abençoar sua magia
com poder. Durante os rituais eles podem direcionar o poder
pessoal às deidades, pedindo para que uma determinada
necessidade seja atendida. Isto é magia verdadeiramente religiosa.
Portanto, a magia é um processo pelo qual os Wiccanos operam em
harmonia com a fonte do poder universal, a qual visualizamos como a
Deusa e o Deus, assim como com as energias pessoal e da terra,
para que melhoremos nossas vidas e para levar energia à Terra.
Magia é um método pelo qual os indivíduos, sob predestino nenhum
que não o por eles mesmo determinado, assumem o controle de suas
vidas.
Ao contrário do que reza a crença popular, a magia não é
sobrenatural. Na verdade, é uma prática oculta (escondida) imbuída
em milênios de segredos, calúnias e desinformação, mas é uma
prática natural que se utiliza de poderes genuínos ainda não
descobertos ou catalogados pela ciência.
Isto não invalida a magia. Nem mesmo cientistas declaram saber
tudo sobre nosso universo. Se assim o fizessem, o campo da
investigação científica simplesmente não existiria. Os poderes que
os Wiccanos utilizam um dia serão documentados e assim perderão
seu mistério. Tal já ocorreu, em parte, com a hipnose e a psicologia,
e pode em breve acontecer com a percepção extra-sensorial. O
magnetismo, sem dúvida, era um aspecto firmemente estabelecido
da magia até ser "descoberto" pela ciência. Mas, ainda hoje, ímãs
são utilizados em encantamentos e talismãs, e tais forças
despertam antigos sentimentos estranhos.
Brinque com dois ímãs. Veja as forças invisíveis resistindo-se e
atraindo-se de uma maneira aparentemente sobrenatural.
A magia é similar. Apesar de aparentar ser completamente ilógica,
sem embasamento em fatos, ela funciona de acordo com suas
próprias regras e lógica. Só porque não é plenamente compreendida
não quer dizer que ela não exista. A magia é eficaz para causar
manifestações de mudanças necessárias.
Isto não é enganar-se a si mesmo. A magia praticada de modo
correto funciona, e nenhuma tentativa de explicação alterará este
fato.
Eis aqui a descrição de um típico ritual de velas. Usarei a mim
mesmo como exemplo. Digamos que preciso pagar uma conta de
telefone de cem dólares, mas não tenho dinheiro. Meu objetivo
mágico: meios para pagar a conta.
Decido utilizar um ritual para ajudar a direcionar minha
concentração e visualização. (Veja Capítulo 11. Exercícios e
Técnicas de Magia.) Ao checar meu material de magia, percebo que
tenho velas verdes, óleo de patchuli, uma boa quantidade de ervas
que atraem dinheiro, papel-pergaminho e tinta verde.
Em meu altar, acendo as velas que representam a Deusa e o Deus,
enquanto silenciosamente invoco sua presença. A seguir, ateio fogo
a um pedaço de carvão e esparjo sobre ele canela e sálvia como um
incenso mágico de prosperidade.
Faço um desenho da conta de telefone no papel, marcando
claramente o total em números. Enquanto desenho, visualizo o papel
não mais como um simples papel; é a própria conta.
A seguir, desenho um quadrado em torno da conta, que simboliza
meu controle sobre ela, e faço um grande "x" em torno dela,
cancelando efetivamente sua existência (o que de fato ocorrerá
quando eu a pagar).
Agora passo a visualizar a conta sendo paga em sua totalidade.
Posso escrever isto sobre o desenho, fazendo com que pareça ser
um carimbo com essas palavras. Visualizo-me olhando para meu talão
de cheques, vendo que o saldo será suficiente para cobrir o cheque,
e a seguir preencho o cheque.
Então, unto uma vela verde com óleo de patchuli, das extremidades
para o centro, enquanto digo algo como o que se segue:
Chamo pelas forças da Deusa Mães e do Deus Pai,
chamo pelas forças da Terra, do Ar do Fogo e da
Água, chamo pelo Sol, pela Lua e pelas estrelas para
que me tragam os fundos para pagar essa conta.
Ainda visualizando, posiciono a vela em seu suporte diretamente em
cima do desenho da conta. Esparjo ervas ao redor da base da vela,
declarando (e visualizando) que cada uma delas está enviando sua
energia para meu objetivo:
Sálvia, erva de Júpiter, envie seus poderes para meu
encantamento.
Canela, erva do Sol, envie seus poderes para meu
encantamento.
Feito isto, ainda visualizando minha conta como paga em seu total,
acendo a vela e, enquanto a chama brilha, libero a energia que
concentrei no desenho.
Deixo que a vela se queime por dez, quinze minutos ou mais,
dependendo de minha habilidade em manter a visualização. Vejo a
vela absorvendo a energia que concentrei no desenho. Vejo as ervas
canalizando sua energia para a chama da vela, e as energias
combinadas das ervas, da vela, do óleo de patchuli e do desenho -
somadas ao meu poder pessoal - fluem da chama e partem para
fazer com que meu objetivo mágico se manifeste.
Quando não puder mais manter a concentração, retiro o desenho,
ateio-lhe fogo com a vela, seguro-a por alguns instantes enquanto
queima e em seguida atiro-a no pequeno caldeirão que fica ao lado
de meu altar.
Isto feito, permito que a vela se consuma, ciente de que o ritual
surtirá efeito.
Após um dia ou dois, talvez uma semana, poderei receber um
dinheiro inesperado (ou atrasado), ou conseguirei saldar outras
obrigações financeiras de modo que possa pagar a conta de
telefone.
Como isso funciona? A partir do momento que decido praticar um
ato de magia, estou operando magia. Pensar sobre magia põe o
poder pessoal em movimento. Durante todo o processo - agrupar o
material, desenhar a conta, acender a vela, visualizar - estou
despertando e imbuindo o meu poder pessoal com minha
necessidade mágica. Durante o próprio ritual, libero esse poder na
vela. Quando finalmente queimo o desenho, a última dessas energias
é liberada e inicia o trabalho para que me seja possível pagar a
conta.
Posso não ser capaz de dizer exatamente como a magia funciona,
mas apenas que ela de fato funciona. Felizmente, não precisamos
saber disso; basta sabermos como fazê-la funcionar.
Não sou perito em eletricidade, mas posso ligar minha torradeira na
tomada e torrar meu pão integral. Do mesmo modo, na magia nós nos
"ligamos" a energias que nos circundam e nos rodeiam.
Há muitos modos de se praticar magia. Os Wiccanos geralmente
escolhem formas simples e naturais, apesar de alguns preferirem
cerimoniais elaborados, emprestados de clássicos como Key of
Solomon ("Chave de Salomão", ver Bibliografia). Normalmente,
entretanto, envolvem ervas, cristais e pedras; a utilização de
símbolos e cores; gestos mágicos, música, voz, dança e transe;
projeção astral, meditação, concentração e visualização.
Há, literalmente, milhares de sistemas de magia, mesmo entre os
próprios Wiccanos. Por exemplo, existem inúmeros modos mágicos
de trabalhar com cristais, ervas ou símbolos, e combinando-os
criam-se ainda mais sistemas.
Foram publicados muitos e muitos livros sobre sistemas de magia,
alguns deles listados na Bibliografia. Em meus livros, já discuti os
poderes dos elementos, dos cristais e das ervas. Nesta obra, o
tema da magia de runas é explorado como um exemplo de um
sistema mágico em si só, com dicas de como combiná-los com outros
sistemas.
Tais sistemas não são necessários para a prática bem-sucedida de
magia. Praticar magia com a mera manipulação de instrumentos
como eras e cristais é ineficaz, pois o verdadeiro poder da magia
está dentro de nós mesmos - o dom do Divino.
Portanto, não importa qual seja o sistema de magia, devemos
infundir o poder pessoal à necessidade, e em seguida liberá-lo. Na
magia Wiccana, o poder pessoal é reconhecido como uma ligação
direta com a Deusa e com o Deus. A Magia, portanto, é um ato
religioso com os quais os Wiccanos se unem a suas deidades para
melhorarem a si mesmos e ao seu mundo.
Isto é relevante - a magia é uma prática positiva. Os Wiccanos não
praticam magia destrutiva, manipulativa ou exploratória. Uma vez
que reconhecem que o poder atuante na magia é, em sua essência,
proveniente da Deusa e do Deus, práticas negativas constituem um
verdadeiro tabu. Magia "maléfica" é um insulto a si mesmo, à raça
humana, à Terra, à Deusa e ao Deus, e ao próprio universo. As
conseqüências podem ser imaginadas.
A energia da magia é a própria energia da vida.
Qualquer um pode praticar magia - dentro de um contexto religioso
ou não. Se certas palavras ou gestos surgem em sua mente durante
um encantamento e parecem adequados, use-os. Se não conseguir
encontrar um ritual que lhe agrade ou que seja apropriado para suas
necessidades, crie um. Não é necessário escrever belas poesias ou
criar coreografias para trinta dançarinos portando incenso e treze
sacerdotisas cantantes.
Pelo menos, acenda uma vela, acomode-se diante dela e concentrese
em sua necessidade mágica. Confie em si mesmo.
Se realmente desejar conhecer a natureza da magia, pratique-a!
Muitos temem a magia. Aprenderam (com não-praticantes) que ela é
perigosa. Não tema. Atravessar a rua também é perigoso. Mas, se
fizer do jeito certo, tudo bem.
Certamente, o único meio de descobrir isso é atravessando a rua.
Se sua magia possuir amor, não correrá nenhum risco.
Chame pela Deusa e pelo Deus para protegê-lo e ensinar-lhe os
segredos da magia. Peça a pedras e plantas que lhe revelem seus
poderes - e preste-lhes atenção. Leia o quanto puder, descartando
informações negativas ou perturbadoras.
Aprenda pela prática, e a Deusa e o Deus o abençoarão com tudo
aquilo de que realmente necessita.

Capítulo 4 - Instrumentos
Assim como em outras religiões, alguns objetos são utilizados em
Wicca com finalidades ritualísticas. Tais instrumentos são
utilizados para evocar as Deidades, afastar a negatividade,
direcionar energia por meio do toque e da intenção.
Alguns instrumentos da Bruxa (a vassoura, o caldeirão e o bastão
mágico) assumiram papéis importantes no folclore e na mitologia
contemporâneos. Graças à popularização das fábulas e ao trabalho
dos estúdios Disney, milhões de pessoas sabem hoje que se utilizam
caldeirões para preparar poções e para transformar o feio em belo.
A maioria das pessoas, no entanto, ignora a poderosa magia por trás
desses instrumentos e seu simbolismo dentro da Wicca.
Para praticar Wicca, devemos possuir ao menos alguns desses
instrumentos. Procure tais tesouros em antiquários, lojas de
bugigangas, feiras de trocas e mercados de pulgas. Ou então
escreva para fornecedores de artigos para ocultismo. Apesar de
difíceis de ser encontrados, qualquer esforço é válido para a
obtenção de seus instrumentos rituais.
Tais instrumentos não são necessários para a prática da Wicca.
Ainda assim, eles enriquecem os rituais e simbolizam energias
complexas. Os instrumentos não possuem poderes outros que não os
que nós mesmos lhes conferimos.
Alguns dizem que devemos utilizar instrumentos mágicos até que
não sejam mais necessários. Talvez seja melhor usá-los enquanto
nos sentimos confortáveis com isso.

A Vassoura
As Bruxas usam vassouras em magia e em rituais. É um instrumento
sagrado tanto à Deusa como ao Deus. Isto não constitui novidade;
no México pré-colombiano uma espécie de deidade bruxa,
Tlazelteotl, era representada voando nua sobre uma vassoura. Os
chineses cultuam uma deusa das vassouras que é invocada para
trazer bom tempo em períodos de chuva.
Além disso, provavelmente devido a seu formato fálico, a vassoura
se tornou um instrumento poderoso contra pragas e praticantes de
magia negra. Quando colocada no chão transversalmente à entrada
da casa, a vassoura barra quaisquer encantamentos lançados contra
a casa ou seus ocupantes. Uma vassoura sob o travesseiro traz
sonhos agradáveis e protege a pessoa.
As Bruxas européias passaram a ser identificadas com as vassouras
porque ambas eram associadas à magia pelo conhecimento popular e
religioso. As Bruxas eram acusadas de voar em cabos de vassoura, e
isso era considerado uma aliança com as "forças obscuras". Tal
ação, se pudesse ser praticada, seria realmente sobrenatural, e
assim, demoníaca a seus olhos, contrastando com as simples curas e
encantos de amor realmente praticados pelas Bruxas. Obviamente,
o mito foi criado pelos perseguidores de Bruxas.Alguns Wiccanos
afirmam que bruxas "voavam" em vassouras pulando no solo, do
mesmo modo como crianças em cavalinhos de pau, para promover a
fertilidade dos campos. Acredita-se, ainda, que as lendas de bruxas
voando em vassouras eram uma explicação pouco sofisticada para a
projeção astral.
Ainda hoje a vassoura é utilizada na Wicca. Um Wiccano pode
iniciar um ritual varrendo levemente a área (dentro ou fora de casa)
com sua vassoura mágica. Após isso, o altar é preparado, os
instrumentos são nele arrumados e o ritual pode assim ser iniciado.
(Veja Capítulo 13. Planejamento de Rituais.)
Este ato de varrer é mais do que uma limpeza física. Na verdade, os
pêlos da vassoura nem precisam tocar o chão. Enquanto varre, o
Wiccano pode visualizar a vassoura eliminando os excessos astrais
que surgem onde humanos vivem. Isto purifica a área, permitindo
assim melhores trabalhos rituais.
Sendo a vassoura um purificador, ela é associada ao elemento da
Água. Assim, é também utilizada em todos os tipos de
encantamentos com água, inclusive os de amor e de trabalhos
psíquicos.
Muitas Bruxas colecionam vassouras, e sem dúvida sua infindável
variedade e os materiais exóticos utilizados em sua confecção
tornam este um hobby interessante.
Se desejar fazer sua própria vassoura mágica, pode tentar a velha
fórmula de utilizar um cabo de freixo, galhos de bétula amarrados
com ramos de salgueiro. O freixo é protetivo, a bétula purificante e
o salgueiro é sagrado à Deusa.
Obviamente, um galho de qualquer árvore ou arbusto pode ser
utilizado no lugar da vassoura (ao cortá-lo, agradeça à árvore pelo
sacrifício, utilizando palavras como as contidas na seção "Um Guia
Herbáceo" do Livro de Sombras das Pedras Erguidas, Seção III).
Pode-se usar também uma pequena vassoura de folhinhas de pinho.
Nos antigos casamentos escravos na América, assim como nas
núpcias Ciganas, o casal geralmente pulava ritualmente por sobre
uma vassoura para solenizar sua união. Tais casamentos eram
comuns até tempos recentes, e ainda hoje casamentos Wiccanos e
pagãos incluem um pulo por sobre uma vassoura.
Muitos encantamentos antigos envolvem a utilização de vassouras.
Em geral, a vassoura é um instrumento purificador e de proteção,
utilizado para limpar ritualisticamente a área de magia ou para
proteger um lar ao ser colocada na entrada, sob a cama, em peitoris
de janelas ou nas portas.
A vassoura utilizada em magia, como todos os instrumentos
mágicos, deve ser reservada para esse único fim. Se desejar
comprar uma vassoura, tente encontrar uma arredondada; as
vassouras horizontais aparentemente não possuem o mesmo efeito.

Bastão
O bastão é um dos instrumentos mais importantes. Tem sido
utilizado há milhares de anos em ritos mágicos e religiosos. É um
instrumento de invocação. A Deusa e o Deus podem ser chamados
para assistirem ao ritual por meio de palavras e de um bastão
erguido. Também é por vezes utilizado para direcionar energia,
para desenhar símbolos mágicos ou um círculo no solo, para indicar
a direção de perigo quando perfeitamente equilibrado na palma da
mão ou no braço de um Bruxo, ou mesmo para mexer um preparado
em um caldeirão. O bastão representa o elemento do Ar para alguns
Wiccanos, e é sagrado para os Deuses.
Há madeiras tradicionais para a confecção de um bastão, dentre
elas o salgueiro, o sabugueiro, o carvalho, a macieira, o pessegueiro,
a avelã e a cerejeira. Alguns Wiccanos a cortam com o comprimento
da ponta de seu cotovelo até a extremidade de seu indicador, mas
isto não é necessário. Qualquer peça relativamente reta de madeira
pode ser utilizada; até mesmo uma cavilha comprada em uma loja de
ferramentas serve, e já vi bastões maravilhosamente esculpidos ou
pintados feitos a partir destas.
A consciência (e o marketing) da Nova Era resgatou o destaque dos
bastões. Criações maravilhosas de prata e com cristais de quartzo
estão à sua disposição numa vasta gama de tamanhos e preços.
Certamente, podem ser utilizados em rituais de Wicca, apesar de os
de madeira possuírem uma história mais antiga.
A princípio, não se preocupe com a busca pelo bastão ideal; ele virá
até você. Utilizei um pedaço de raiz de alcaçuz como bastão por
algum tempo, e obtive bons resultados com ele.
Qualquer madeira que utilizar será imbuída com energia e poder.
Encontre uma que lhe seja confortável, e pronto.

Incensário
O incensário é um queimador de incenso. Pode ser feito de metal,
de forma complexa, como o utilizado pela igreja católica, ou uma
simples concha do mar. O incensário é o suporte para o incenso
aceso durante os rituais Wiccanos.
Se não conseguir obter um incensário apropriado, confeccione um
você mesmo. Qualquer pote ou taça cheio até a metade com areia ou
sal funciona a contento. O sal ou a areia absorvem o calor do carvão
ou incenso e evita que o pote se quebre. Varetas de incenso também
podem ser insertas no sal, e pode-se ainda apoiar os cones em sua
superfície.
A utilização de incenso em rituais e em magia é uma arte em si só e
por si só. Quando nenhum incenso específico for necessário para
rituais e encantamentos, use sua intuição e criatividade para
determinar a combinação a ser feita.
Podem ser utilizados incensos em varetas, em cone ou em tijolinhos,
mas a maioria dos Wiccanos prefere incenso cru ou granulado, do
tipo que deve ser queimado sobre pedrinhas de carvão, disponíveis
em fornecedores de artigos para ocultismo. Qualquer um serve.
Na magia cerimonial, por vezes pede-se a aparição visual de
"espíritos" por meio da fumaça que emana dos incensos. Mesmo não
sendo isto uma característica da Wicca, a Deusa e o Deus podem
eventualmente ser vistos na fumaça que se enrola. Sentar-se
respirando lentamente enquanto se observa a fumaça pode induzir a
estados de transe, que nos leva a estados alterados de consciência.
Rituais Wiccanos, quando praticados no interior de prédios, não
serão completos sem um incenso. Ao ar livre, uma fogueira pode
substituí-lo, ou mesmo incensos de vareta afixados no solo.
Portanto, o incensário é uma importante peça para rituais internos.
Para alguns Wiccanos, o incensário representa o elemento do Ar. É
geralmente posicionado diante das imagens das Deidades no altar,
se houver.

Caldeirão
O caldeirão é o instrumento da Bruxa por excelência. É um antigo
recipiente culinário, imbuído em mistério e tradição mágica. O
caldeirão é o recipiente no qual ocorrem as transformações
mágicas; o cálice sagrado, a fonte santa, o mar da Criação Básica.
A Wicca vê o caldeirão como um símbolo da Deusa, a essência
manifesta da feminilidade e da fertilidade. É também um símbolo do
elemento da Água, da reencarnação, da imortalidade e da
inspiração. As lendas Celtas acerca do caldeirão de Kerridwen
tiveram grande impacto na Wicca contemporânea.
O caldeirão é geralmente um ponto central dos rituais. Durante os
ritos da primavera, é por vezes cheio com água fresca e flores; no
inverno, acende-se fogo dentro do caldeirão para representar o
retorno do calor e da luz do Sol (o Deus) vindo do caldeirão (a
Deusa). Isto está ligado a mitos agrícolas nos quais o Deus nasce no
inverno, atinge a maturidade no verão e morre após a última
colheita (ver Capítulo 8. Dias de Poder).
Idealmente, o caldeirão deve ser feito de ferro, apoiando-se em
três pés e com a boca menor do que sua parte mais bojuda. Pode ser
difícil encontrar um caldeirão, mesmo os menores, mas uma busca
cuidadosa em geral nos leva a algum tipo de caldeirão. Algumas lojas
por catálogo possuem caldeirões, mas não regularmente. Aconselhase
investigar esses fornecedores.
Caldeirões podem ser encontrados em vários tamanhos, desde
aqueles com alguns centímetros de diâmetro até monstros com raio
de cerca de meio metro. Eu coleciono alguns, inclusive um antigo,
reservado para fins rituais.
O caldeirão pode-se tornar um instrumento de scrying
("contemplação") ao ser cheio com água e ter seu fundo escuro
observado. Pode também servir como um recipiente no qual
preparar as famigeradas bebidas Wiccanas, mas tenha em mente
que um fogo forte e muita paciência são necessários para ferver
líquidos em caldeirões grandes. A maioria dos Wiccanos utiliza
fogões e panelas hoje.
Se tiver dificuldade em encontrar um caldeirão, persista e um
acabará materializando-se. Certamente, não há mal em pedir para
que a Deusa e o Deus ponham um em seu caminho.

Faca Mágica
A faca mágica (ou athame) possui uma antiga história. Não é
utilizada como instrumento de corte na Wicca, mas sim para
direcionar a energia gerada durante ritos e encantamentos.
Raramente é utilizada para invocar ou chamar as deidades, pois é
um instrumento de comando e manipulação de poder. É melhor
chamar pela Deusa e pelo Deus.
A faca é geralmente cega, normalmente de fio duplo e com um cabo
preto ou escuro. O preto absorve poder. Quando utilizada em
rituais (ver O Livro de Sombras das Pedras Erguidas) para
direcionar energia, um pouco de seu poder é absorvido pelo cabo -
apenas uma quantidade ínfima -, o qual pode ser evocado
posteriormente. Do mesmo modo, por vezes a energia gerada em
rituais Wiccanos é canalizada à faca para uso posterior. Estórias de
espadas com poderes e nomes mágicos são bem comuns na
literatura mítica, e espadas são simplesmente grandes facas.
Alguns Wiccanos entalham símbolos mágicos em suas facas,
normalmente tirados da Chave de Salomão, mas isto não é
necessário. Como em muitos instrumentos de magia, a faca se torna
poderosa com seu toque e com sua utilização. Entretanto, se assim
desejar, entalhe palavras, símbolos ou runas em sua lâmina ou cabo.
Uma espada é por vezes utilizada em Wicca, pois possui todas as
propriedades de uma faca, mas pode ser de difícil manuseio em
rituais internos devido a seu tamanho.
Graças ao simbolismo da faca, a qual é um instrumento que causa
mudanças, é comumente associada ao elemento do Fogo. Sua
natureza fálica a associa ao Deus.

Faca de Cabo Branco
A faca de cabo branco (por vezes chamada de Bolline) é
simplesmente uma faca prática, de trabalho, ao contrário da
puramente ritualística faca mágica. É utilizada para cortar galhos
ou ervas sagradas, inscrever símbolos em velas ou na madeira, cera
ou argila, e para cortar cordas a serem utilizadas em magia.
Normalmente possui cabo branco para distingui-la da faca mágica.
Algumas tradições Wiccanas rezam que a faca de cabo branco seja
utilizada apenas dentro do círculo mágico. Isto, obviamente,
limitaria sua utilidade. A mim parece que utilizá-la apenas para fins
rituais (como colher flores no jardim para serem colocadas no altar
durante rituais) confirma o aspecto sagrado desse instrumento e
permite, assim, que seja utilizado fora do "espaço sagrado".
Bola de Cristal
Cristais de quartzo são extremamente populares hoje, mas a bola
de cristal de quartzo é um antigo instrumento mágico. É
extraordinariamente caro, variando de vinte a milhares de dólares,
dependendo do tamanho. A maioria das bolas de cristal no mercado
atualmente são de vidro, vidro temperado ou mesmo plástico. Bolas
de cristal de quartzo genuínas podem ser identificadas por seu alto
preço e por incrustações ou irregularidades.
O cristal vem há muito sendo utilizado na adivinhação
contemplativa. O adivinho encara fixamente a bola até aflorarem as
suas faculdades psíquicas, e imagens, vistas mentalmente ou
projetadas no interior do cristal, revelam a informação necessária.
Em rituais de Wicca, os cristais são por vezes posicionados no altar
para representar a Deusa. Sua forma (esférica) simboliza a Deusa,
assim como todos os círculos e circunferências, e sua temperatura
fria (outro modo de detectar cristal genuíno) simboliza as
profundezas do mar, o domínio da Deusa.
Assim, o cristal pode também ser utilizado para receber mensagens
dos Deuses, ou para armazenar a energia gerada no ritual. Alguns
Wiccanos olham fixamente para o cristal para atrair imagens da
Deusa ou de vidas passadas. É um objeto mágico tocado pelo divino.
Se encontrar uma, guarde-a com cuidado.
Sua exposição periódica à luz da lua, ou o ato de esfregar artemísia
fresca em sua superfície, aumentará sua habilidade de ativar
nossos poderes psíquicos. Bolas de cristal podem ser o centro de
rituais da Lua Cheia.

O Cálice
O cálice é apenas um caldeirão apoiado num pé. Simboliza a Deusa e
a fertilidade, e relaciona-se ao elemento da Água. Apesar de poder
ser usado para conter água (a qual está constantemente presente
no altar), pode também conter a bebida ritual a ser sorvida durante
o ritual.
O cálice pode ser feito de praticamente qualquer material: prata,
bronze, ouro, barro, pedra-sabão, alabastro, cristal e outros
materiais.

Pentagrama
O pentagrama consiste, normalmente, em uma peça plana de latão,
ouro, prata, madeira, cera ou cerâmica, com alguns símbolos
inscritos. O mais comum, e sem dúvida o único necessário, é o
próprio pentagrama, a estrela de cinco pontas que vem sendo
utilizada em magia há milênios.
O pentagrama foi "emprestado" da magia cerimonial. Nesta antiga
arte, era geralmente usado como um instrumento de proteção, ou
uma ferramenta para evocar espíritos. Na Wicca, o pentagrama
representa o elemento da Terra e é um instrumento adequado à
consagração ritual de amuletos, talismãs ou outros objetos. É por
vezes utilizado para chamar pelos Deuses e pelas Deusas.
Pentagramas também costumam ser pendurados sobre portas e
janelas para agir como protetores, ou ser manipulados em rituais
para atrair dinheiro devido à sua associação com a Terra.
O Livro de Sombras
O Livro de Sombras é um livro de exercícios da Wicca que contém
invocações, padrões de rituais, encantamentos, runas, regras de
magia, e assim por diante. Alguns Livros de Sombras são passados
de um Wiccano a outro, normalmente na iniciação, mas a grande
maioria dos Livros atualmente é criada pelo Wiccano individual.
Não acredite nas estórias contidas em outros livros de Wicca
acerca de um único Livro de Sombras que teria sido passado desde
a antigüidade, pois aparentemente cada facção da Wicca declara
ser o seu o original, e todos eles são diferentes.
Apesar de até recentemente um Livro de Sombras ser escrito à
mão, atualmente versões datilografadas ou mesmo fotocopiadas são
comuns. Alguns Wiccanos estão até mesmo informatizando seus
livros - criando, como alguns amigos costumam dizer, os "Floppy
Discs das Sombras".
Para elaborar seu próprio Livro das Sombras, adquira qualquer livro
em branco - disponíveis em lojas de arte e livrarias. Se não
conseguir encontrar um, um caderno pautado servirá. Simplesmente
escreva nele todos os rituais, encantamentos, invocações e
informações acerca da magia que deseja preservar.
Lembre-se: todos os Livros de Sombras (inclusive o da Seção III)
são sugestões para rituais, não "escrituras sagradas". Jamais sintase
atado àquelas palavras. Na verdade, muitos bruxos utilizam
pastas com ferragens, para permitir que alterem a ordem das
páginas, acrescentando ou retirando informações de seus Livros das
Sombras à vontade.
É aconselhável copiar seus encantamentos e ritos à mão. Isso não só
assegura que você leia toda a obra, como também torna mais fácil a
sua leitura à luz de velas. Teoricamente, todos os ritos são
memorizados (nada é mais perturbador do que Ter de ler ou dar
olhadelas constantes no livro) ou criados espontaneamente, mas se
desejar ler seus ritos certifique-se de que as cópias são legíveis à
luz bruxuleante do fogo.

Sino
O sino é um instrumento ritual de inestimável antigüidade. O toque
de um sino libera vibrações com efeitos poderosos de acordo com
seu volume, tom e material utilizado.
O sino é um símbolo feminino e, portanto, normalmente utilizado
para invocar a Deusa em rituais. É também tocado para afastar
encantamentos e espíritos malignos, para interromper tempestades
ou para evocar energias positivas. Sobre estantes ou acima da
porta, eles protegem a morada. Sinos são por vezes tocados em
rituais para assinalar seções diversas ou marcar o início ou o fim de
um encantamento.
Qualquer tipo de sino pode ser utilizado.
Estes são alguns dos instrumentos utilizados em rituais de Wicca.
Utilizá-los, familiarizando-se com seus poderes e imbuindo-os com
sua própria energia, faz com que sua utilização passe a ser natural.
Encontrá-los pode ser um problema, mas podemos encarar isto como
um teste sobre a seriedade de seu interesse pela Wicca.
À medida que encontra cada instrumento, pode prepará-lo para
rituais. Se forem velhos, você deve purgá-los de quaisquer
associações e energias; você não sabe quem possuiu o instrumento,
nem os propósitos com os quais teriam sido usados.
Para começar este processo, limpe o instrumento fisicamente,
usando o método apropriado. Quando estiver limpo e seco, enterreo
(na Terra ou num vaso de terra, areia ou sal) por alguns dias, para
que as energias se dispersem. Outro método consiste em mergulhar
o objeto no mar, num rio ou lago, ou mesmo em sua banheira, após
purificar a água com algumas pitadas de sal.
Não arruine uma peça de madeira molhando-a; do mesmo modo, não
danifique o acabamento de outro objeto por seu contato com o sal.
Use o método mais apropriado para cada instrumento.
Após alguns dias, desenterre o instrumento, limpe-o e estará
pronto para a magia. Se utilizar o método da água, deixe o objeto
submerso por algumas horas e seque-o a seguir. Se desejar, repita
até que o instrumento esteja limpo, fresco, novo.
Cerimônias de consagração podem ser encontradas na Seção III,
assim como ritos preparatórios na Seção Guia Herbáceo. Ambos são
opcionais; siga o que sua intuição indicar.
Capítulo 5 - Música, Dança e Gestos
A Wicca atribui a diferença que percebemos entre o mundo físico e
o não-físico às nossas limitações por sermos seres baseados em
matéria. Alguns dos instrumentos utilizados na prática da religião
são realmente não-físicos. Três dos mais eficazes dentre estes são
a música, a dança e os gestos.
Tais técnicas são utilizadas para gerar poder, alterar a consciência
e comungar com a Deusa e com o Deus - para atingir o êxtase. Estas
técnicas normalmente são parte integrante de rituais, e
seguramente os ritos mais eficazes e poderosos podem utilizar
apenas esses instrumentos. (Um ritual totalmente composto por
gestos pode ser encontrado na Seção III: O Livro de Sombras das
Pedras Erguidas.)
A música e a dança estão entre os mais antigos atos religiosos e de
magia. Nossos ancestrais provavelmente já se utilizavam da magia
de sinais com as mãos e da postura corporal antes mesmo que a fala
estivesse completamente desenvolvida. O simples gesto de apontar
um dedo ainda possui fortes efeitos emocionais, desde a indicação
de um réu como o culpado de um crime por uma testemunha até a
seleção de um esperançoso candidato em um leilão cercado por um
mar de concorrentes.
A música é, tecnicamente, formada por ondas sonoras que podem
ser mensuradas fisicamente. Entretanto, é impossível segurar a
música com nossas mãos - apenas os instrumentos que a produzem.
A primeira música foi provavelmente rítmica. Os humanos logo
descobriram que podiam produzir ritmos e sons agradáveis ao bater
em várias partes de seus corpos, notadamente as coxas e o peito. O
bater de palmas cria um som distinto e claro, o qual ainda hoje é
utilizado por Wiccanos para liberar o poder pessoal durante rituais
de magia.
Instrumentos rítmicos como tambores de troncos foram
posteriormente utilizados para produzir sons mais encorpados.
Algumas pedras ressoam quando batidas, e assim nasceu outro tipo
de instrumento. Bambus, ossos e algumas conchas produzem sons
silvantes quando assopradas da forma correta. Sistemas xamânicos
ainda vigentes utilizam tais instrumentos.
Rituais menos intelectualizados podem ser mais eficazes
exatamente por evitar o consciente e falar diretamente à
consciência profunda, psíquica. A música e a dança nos envolvem
emocionalmente em ritos Wiccanos.
A idéia de dançar, cantar ou tocar música intimida alguns de nós.
Isto é o resultado natural de nossa sociedade cada vez mais
repressiva. Na Wicca, entretanto, a dança e a música ocorrem
somente perante as Deidades. Você não estará diante de uma
platéia, portanto não se preocupe se desafinar ou pisar em seu
próprio pé. Eles não se importam, e ninguém precisa saber o que
você faz diante dos Deuses em seus ritos.
Até mesmo pessoas sem a menor vocação musical são capazes de
bater uma pedra contra outra, balançar um chocalho, bater palmas
ou andar em círculos. Atualmente, alguns dos mais eficientes e
reconhecidos covens se utilizam de uma simples corrida ao redor do
altar para gerar poder. Chega de rituais ricamente coreografados.
Eis a seguir um pouco de fatos tradicionais sobre dança, música e
gestos. Se lhe interessar, sinta-se à vontade para incorporá-los a
seus rituais Wiccanos. Apenas uma sugestão: se sentir que seus
rituais estão muito austeros e pouco satisfatórios, se eles não
criam uma ligação com as deidades, talvez o problema seja uma
falta de conteúdo emocional. A música e a dança podem conferir um
envolvimento genuíno ao ritual, abrindo assim sua percepção acerca
da Deusa e do Deus. Durante a magia, podem criar acessos mais
livres ã energia.

Música
A música é simplesmente a reprodução dos sons da natureza. O
vento nos galhos das árvores, o ribombar do oceano contra
rochedos pontiagudos, o bater da chuva, o crepitar do fogo criado
por um raio, o canto de pássaros e o rugir de animais são alguns dos
"instrumentos" que criam a música da natureza.
Há muito os seres humanos integraram a música a rituais religiosos
e de magia, devido a seus efeitos poderosos. Os xamãs usam uma
batida constante de tambor para induzir transe, e um tambor pode
ser utilizado para controlar o ritmo de uma dança mágica. Além
disso, há muito credita-se à música a capacidade de acalmar animais
ferozes - assim como humanos.
A Música pode ser parte das atividades da Wicca de hoje. Pode-se
simplesmente encontrar peças adequadas, selecionadas da música
clássica, étnica, folclórica ou contemporânea, para executá-las
durante os rituais. Os Wiccanos com uma inclinação musical podem
criá-la antes, durante ou após rituais.
Meus rituais mais gratificantes e vívidos geralmente envolvem
música. Lembro-me de um dia, quando ocultei um pequeno gravador
atrás de uma árvore nas Montanhas Laguna. Estranhamente, a
música não entrou em conflito com o cenário de flores silvestres,
altos pinheiros e antigos carvalhos, mas sim enalteceu meu ritual
solitário.
Se possuir intimidade com algum instrumento, use-o em seus rituais.
Uma flauta, um violino, uma flauta doce, um violão, uma harpa
tradicional e outros instrumentos pequenos podem facilmente ser
incluídos em rituais, assim como tambores, chocalhos, sinos ou
mesmo copos de água a serem tocados com uma faca. Outros
instrumentos menos portáteis podem ser gravados para serem
reproduzidos durante o ritual.
Tais interlúdios musicais podem ser utilizados imediatamente antes
dos ritos para criar uma atmosfera; durante como uma oferenda à
Deusa e ao Deus ou para gerar energia; e após como uma forma de
celebração e prazer. Alguns Wiccanos compõem uma canção, a qual
é em realidade um rito, incluindo nela desde a criação do espaço
sagrado e a invocação das Deidades até o agradecimento por sua
presença. A magia musical é aquilo que realmente se desejar fazer
dela.
Quatro tipos distintos de instrumentos possuem poderes
específicos. O tambor, o chocalho, o xilofone e todos os
instrumentos de percussão (com exceção do sistro) são regidos pelo
elemento Terra. Portanto, tais instrumentos podem ser utilizados
para invocar fertilidade, atrair dinheiro, encontrar um emprego e
assim por diante. Podem também ser utilizados para evocar a Deusa
em rituais, ou para reunir, "a toque de caixa", a energia a ser
enviada para a Terra.
A flauta, transversal ou doce, assim como todos os instrumentos de
sopro, estão sob a regência do Ar, o elemento do intelecto, e assim
podem ser utilizados para aumentar os poderes mentais ou as
habilidades de visualização, para descobrir sabedoria ou
conhecimentos antigos, aumentar as faculdades psíquicas e atrair o
Deus.
O Fogo rege os instrumentos de corda tais como a lira, a harpa
(grande ou folclórica), o violão, o bandolim, o ukelele e outros. Tais
instrumentos podem ser utilizados em encantamentos ou ritos que
envolvam sexualidade, saúde e força física, paixão e força de
vontade, mudanças, evolução, coragem e destruição de hábitos
nocivos.
São também excelentes ferramentas a serem usadas antes dos
rituais para purificar a área em questão, bem como o celebrante.
Toque uma determinada canção, cante com o instrumento, ou
simplesmente caminhe pela área num círculo no sentido horário até
que o local esteja ecoando suas vibrações. As cordas também podem
ser usadas para invocar o Deus.
O metal ressonante, como os pratos, o sistro, o sino e o gongo,
simbolizam o elemento da Água. Uma vez que a água engloba a cura,
a fertilidade, a amizade, os poderes psíquicos, o amor espiritual, a
beleza, a compaixão, a felicidade e outras energias similares, sinos,
gongos ou pratos podem ser incluídos em tais ritos. O sistro de Ísis
nos assegura que o metal ressonante invoca a Deusa.
Encantamentos musicais (ao contrário dos puramente verbais)
podem ser simples e eficazes. Precisa de dinheiro? Sente-se
tranqüilamente vestido de verde e bata lentamente num tambor,
visualizando-se rico enquanto invoca a Deusa em Seu aspecto de
Fornecedora de Abundância.
Se estiver deprimido, encontre um sino com um tom agradável e
toque-o ritualmente, sentindo as vibrações do som eliminando sua
depressão e elevando seu ânimo. Ou então carregue um pequeno sino
consigo.
Quando tiver medo, toque um violão ou ouça música de violões
enquanto vê a si mesmo como alguém confiante e valente. Invoque o
Deus em seu aspecto Chifrudo, agressivo, protetor.
O canto, uma combinação de fala e música, pode ser prontamente
integrado a rituais Wiccanos. Alguns Wiccanos adequam cantos e
invocações a melodias, ou cantam quando assim o desejam durante
rituais.
Muitos Wiccanos nunca exploraram o assunto da magia musical,
simplesmente reproduzindo música gravada como fundo para seus
rituais. Nada de errado, mas integrar uma música criada por nós
mesmos (não importa o quão simples seja) aos nossos rituais pode
ser mais eficaz, desde que aprecie a peça.
Atualmente, pode-se encontrar um grande número de fitas cassete
Pagãs e de Wicca, ainda que sejam de qualidade variável. Algumas
canções podem ser utilizadas em rituais, mas a maioria funciona
melhor quando tocada durante os preparativos para o ritual, ou
depois, como relaxamento.
Incorporar a música apropriada aos rituais pode melhorar e muito a
experiência Wiccana.
Dança
A dança é certamente uma antiga prática ritual. É também um ato
mágico, pois o movimento físico libera energia do corpo, a mesma
energia utilizada em magia. Este "segredo" foi logo descoberto, e
desta forma a dança foi incorporada em magia e rituais para gerar
energia, alterar a consciência ou simplesmente honrar a Deusa e o
Deus com performances rituais.
Danças em grupo, como a dança espiral, são normalmente
executadas em trabalhos de covens. Em trabalhos individuais,
entretanto, não há limitações por tradição ou passos coreografados.
Sinta-se livre para mover-se do modo que desejar, não importa o
quão infantil ou "selvagem" possa parecer.
Em magia, muitos Wiccanos praticam um pequeno encantamento ou
manipulação ritual de alguma espécie (escrever runas, atar nós,
desenhar figuras na areia ou em ervas em pó, entoando o nome de
deidades) e em seguida praticam a verdadeira magia: gerar e
canalizar a energia mágica. Em geral, eles movem-se num círculo no
sentido horário, cada vez mais rápido, em torno do altar, seja
solitariamente ou num coven, observando as velas acesas no altar,
aspirando o incenso, liberando a si mesmos por meio de cantos e
intensa visualização. Quando o praticante alcança um ponto sem
retorno, no momento exato em que o corpo não pode mais gerar e
canalizar energia, o poder é então liberado em direção ao objetivo
mágico. Para tanto, alguns Wiccanos caem no solo, assinalando assim
o final do que é peculiarmente conhecido como "A Dança".
A dança é utilizada para gerar energia assim como para facilitar a
sintonia com as Deidades da natureza. Dance como o vento; como o
riacho descendo a montanha, como as chamas de uma árvore
atingida por um raio, como grãos de areia tocados durante uma
rajada, como flores revelando seu brilho numa ensolarada tarde de
verão. Enquanto dança, usando os movimentos que desejar, abra-se
para a Deusa e para o Deus.
Pense, por um instante, nos dervixes a girar, nas indomáveis danças
ciganas da Europa, na sensual dança do ventre do Oriente Médio, na
hula sagrada do antigo Havaí. A dança é um dos caminhos para o
Divino.

Gestos
Os gestos são o contraponto silencioso às palavras. Gestos podem
fortalecer rituais Wiccanos quando praticados juntamente a
invocações e danças, ou podem ser utilizados individualmente por
seu verdadeiro poder. Apontar (como já mencionado), utilizar os
dedos indicador e médio abertos formando um "v" e apresentar
vulgarmente um dedo médio erguido demonstra a variedade de
mensagens que podem ser enviadas pelos gestos, assim como a
quantidade de respostas emocionais que eles suscitam.
Em minha introdução à Wicca, alguns desses velhos gestos foram
usados. Em 1971, vi algumas fotos de gestos protetivos como a mano
figa (um punho fechado com o polegar entre o indicador e o médio)
e a mano cornuta, um "v" formado pelo indicador e pelo mínimo,
mostrados de cabeça para baixo. Há muito, ambos vêm sendo
utilizados para afastar maus-olhados e negatividade, e o último é
utilizado na Wicca, apontado para cima, para representar o Deus em
seu aspecto Chifrudo.
Alguns dias mais tarde, em meu primeiro ano de colegial, fiz esses
dois gestos para uma garota que acabara de conhecer. Não havia
nenhuma razão lógica para isso; apenas parecia o certo. Ela olhou
para mim, sorriu e perguntou se eu era um bruxo. Eu disse que não,
mas gostaria de ser. Ela passou a me treinar.
O significado mágico dos gestos é complexo, e origina-se do poder
das mãos. A mão pode curar ou matar, acariciar ou apunhalar. É um
canal pelo qual as energias são enviadas do corpo ou recebidas de
outros. Nossas mãos preparam altares mágicos, apanham bastões e
athames e apagam as chamas das velas ao concluirmos ritos
mágicos.
Mãos, enquanto meios por meio dos quais a maioria de nós ganha a
vida, simbolizam o mundo físico. Mas em seus cinco dedos reside o
pentagrama, o supremo símbolo de proteção; a soma dos quatro
elementos associada a Akhasha, o poder espiritual do universo.
As linhas em nossas mãos podem, para o iniciado, ser utilizadas para
acessar o inconsciente profundo e revelar coisas dificilmente
captadas pelo consciente. O quiromante não interpreta essas linhas
como ruas num mapa; são chaves para nossas almas, uma mandala de
carne que revela nosso mais profundo interior.
As mãos foram utilizadas como os primeiros instrumentos de
cálculo. Acreditava-se que possuíam qualidades e simbolismo tanto
masculino como feminino, e imagens de mãos são usadas ao redor do
mundo como amuletos.
Gestos em rituais Wiccanos podem facilmente tornar-se instintivos.
Ao invocar a Deusa e o Deus, as mãos podem ser erguidas
espalmadas para receber seu poder. A Deusa pode ser
individualmente invocada com a mão esquerda, com o polegar e com
o indicador erguidos em um semicírculo, enquanto o resto dos dedos
se enrola sobre a palma. Este gesto representa a Lua crescente. O
Deus é invocado com o indicador e com o médio erguidos, ou o
indicador e o mínimo erguidos, enquanto o polegar segura os outros
contra a palma, para representar chifres.
Os elementos podem ser invocados com gestos individuais quando
próximos das quatro direções: uma mão espalmada paralela ao chão
para invocar a Terra no norte; uma mão erguida, com os dedos bem
abertos, para invocar o Ar no leste; um punho erguido no sul para
convidar o Fogo, e uma mão em concha no oeste para invocar a Água.
Dois gestos, juntamente a posturas, vêm há muito sendo usados
para invocar a Deusa e o Deus, e receberam seus nomes. Assume-se
a posição da Deusa ao separar os pés cerca de 20cm, erguendo as
mãos com as palmas voltadas para cima, os cotovelos levemente
dobrados. Esta posição pode ser utilizada para chamar a Deusa ou
para sintonizar-se com Suas energias.
A posição do Deus consiste em manter os pés juntos no chão, o
corpo rigidamente ereto, braços cruzados no peito (em geral o
direito sobre o esquerdo), com as mãos fechadas em punhos.
Instrumentos como o bastão e o punhal mágico (athame) podem
eventualmente ser seguros nas mãos, ecoando a prática dos antigos
faraós do Egito, que seguravam um cajado e um mangual de modo
semelhante durante disputas.
Nos covens, a Alta Sacerdotisa e o Grande Sacerdote costumam
assumir tais posições quando invocam a Deusa e o Deus. Em
trabalhos individuais, podem ser utilizadas para identificarmo-nos
com os aspectos da Deusa e do Deus em nós, e também durante
ritos invocatórios separados.
Gestos também são utilizados em magia. Cada um dos dedos se
relaciona a um planeta específico, assim como a uma antiga deidade.
Uma vez que apontar é um ato mágico e é parte de muitos
encantamentos, podemos escolher o dedo de acordo com seu
simbolismo.
O polegar está ligado a Vênus e ao planeta Terra. Júpiter (tanto o
deus quanto o planeta) rege o indicador. O dedo médio é regido pelo
deus e pelo planeta Saturno, o anelar pelo Sol e por Apolo e o
mínimo pelo planeta Mercúrio assim como pelo deus que lhe dá nome.
Muitos encantamentos envolvem o apontar, com os dedos de Júpiter
e Saturno, normalmente para um objeto a ser carregado ou imbuído
em energia mágica. Visualiza-se o poder partindo dos dedos direto
para o objeto.
Outros gestos rituais utilizados em ritos Wiccanos incluem o
"cortar" de pentagramas nos quatro quartos ao desenhá-los no ar
com o punhal mágico, o bastão ou o indicador. Isto é feito para,
alternadamente, banir ou invocar os poderes elementais. É,
obviamente, praticado com a visualização.
A mão pode ser vista como um caldeirão, uma vez que pode conter
água; um athame, pois é utilizada para dirigir energia de magia; e um
bastão, por também poder invocar.
Gestos são instrumentos mágicos tão poderosos como quaisquer
outros, os quais podemos levar sempre conosco, para utilizá-los
quando necessário.

Capítulo 6 - Rituais e Preparação para Rituais
Defini ritual como "uma forma específica de movimento,
manipulação de objetos ou séries de processos internos com o
intuito de produzir efeitos desejados" (ver Glossário). Na Wicca, os
rituais são cerimônias que celebram e fortalecem nosso
relacionamento com a Deusa, o Deus e a Terra.
Tais rituais não precisam ser pré-planejados, ensaiados ou
tradicionais, tampouco deter-se servilmente a um determinado
formato ou padrão. Na verdade, os Wiccanos com quem falei sobre
este tópico concordam que rituais criados espontaneamente tendem
a ser os mais eficazes e poderosos.
Um rito Wiccano pode consistir em um celebrante solitário que
acende uma fogueira, entoa nomes sagrados e observa o surgir da
lua. Ou pode envolver dez ou mais pessoas, algumas das quais
assumem diversos papéis em peças míticas, ou recitam longos
trechos em honra aos Deuses. O rito pode ser antigo ou recémconcebido.
Sua forma externa não é importante, desde que consiga
atingir a consciência das deidades dentro do Wiccano.
Rituais Wiccanos normalmente têm lugar nas noites de lua cheia e
nos oito Dias de Poder, os antigos festivais sazonais e agriculturais
da Europa. Rituais são em geral de natureza espiritual, mas podem
também incluir trabalhos de magia.
Na Seção III encontra-se um livro completo de rituais, O Livro de
Sombras das Pedras Erguidas. O melhor método para aprender
Wicca é por meio de sua prática; deste modo, com o passar do
tempo, ao praticar rituais como os presentes neste livro ou escritos
por você mesmo, você obterá uma melhor compreensão acerca da
verdadeira natureza da Wicca.
Muitas pessoas dizem que desejam praticar Wicca, mas
permanecem inertes, convencendo a si próprias de que não podem
honrar a Lua Cheia com um ritual por não serem iniciadas, não
possuírem um instrutor ou não saberem o que fazer. Isto são meras
desculpas. Se tiver interesse em praticar Wicca, simplesmente o
faça.
Para o Wiccano solitário, a criação de novos rituais pode ser uma
atividade estimulante. Noites são consumidas sobre textos de
referência, unindo fragmentos de rituais e invocações, ou
simplesmente permitindo que o espírito do momento e a sabedoria
das Deidades nos preencha com sua inspiração. Não importa como
sejam criados, todos os rituais devem ser concebidos do prazer, e
não da obrigação.
Se desejar, ajuste seus rituais às estações, aos dias festivos do
paganismo e às fases da lua (para maiores informações sobre o
assunto, ver Capítulo 8. Dias de Poder). Se se sente
particularmente atraído a outros calendários sagrados, sinta-se à
vontade para adaptá-los. Já houve adaptações altamente bemsucedidas
em Wicca do sistema religioso-mágico egípcio, indígena
americano, havaiano, babilônico e outros. Apesar de a maior parte
da Wicca ter tido, até recentemente, embasamento europeu e
britânico, não precisamos limitar-nos a isso. Como Wiccanos
solitários, estamos livres para fazer o que bem nos aprouver. Uma
vez que os rituais sejam eficazes e satisfatórios, por que se
preocupar?
O Capítulo 13 contém instruções para a criação de seus próprios
rituais, mas algumas palavras acerca da preparação de rituais se
fazem necessárias aqui.
Para começar, certifique-se de que não será interrompido durante
seu rito religioso (ou mágico). Se estiver em casa, diga a sua família
que estará ocupado e deseja não ser interrompido. Se estiver só,
tire o fone do gancho, tranque as portas e feche as janelas, se
assim desejar. É melhor assegurar-se de que estará só e sem
distrações por algum tempo.
Um banho ritual é geralmente o próximo passo. Por algum tempo,
praticamente não conseguia realizar um rito sem um rápido banho
antes. Isto é em parte psicológico: se se sente limpo e purificado
das preocupações diárias, você se sentirá melhor para contatar a
Deusa e o Deus.
A purificação ritual é uma característica comum a muitas religiões.
Na Wicca, vemos a água como uma substância purificante que
elimina as vibrações indesejadas das tensões rotineiras e nos
permite contatar as deidades puros de corpo e mente.
Num nível mais profundo, a imersão em água nos remete à nossa
mais primitiva memória. O ato de banhar-se numa banheira de água
fresca e salgada é semelhante a caminhar nas ondas do sempre
acolhedor oceano, o domínio da Deusa. Isso nos prepara física e
espiritualmente (você nunca se sentiu diferente numa banheira?)
para a experiência vindoura.
O banho normalmente se torna um ritual por si só. Pode-se acender
velas no banheiro, além de incenso. Óleos perfumados e sachês de
ervas podem ser colocados na água. Meu sachê de banho purificador
preferido consiste em partes iguais de alecrim, erva-doce, lavanda,
manjericão, tomilho, hissopo, verbena, menta, com um toque de raiz
de valeriana moída. (Esta fórmula foi retirada de A Chave de
Salomão.) Ponha estes ingredientes num pano, até as extremidades,
para prender as ervas e mergulhe-o na água.
Rituais ao ar livre nas proximidades do oceano ou de um lago ou
regato podem ser antecedidos com um rápido mergulho.
Obviamente, é impossível tomar um banho antes de rituais
espontâneos. Até mesmo a necessidade de banhos rituais é
questionada por alguns. Se sentir-se confortável ao tomar banho,
faça-o. Se achar que não é necessário, então não faça.
Uma vez banhado, é hora de vestir-se para o ritual. Muitos
Wiccanos hoje (em especial aqueles influenciados pelos textos e
idéias de Gerald Gardner ou um de seus aprendizes - ver
Bibliografia), a nudez é ideal para invocar as deidades da natureza.
Certamente, é a condição mais natural em que o corpo humano pode
ficar, mas a nudez ritual não é para qualquer um. A Igreja muito fez
para criar sentimentos de culpa acerca de uma figura humana
desnuda. Tais emoções distorcidas, não naturais, perduram até
hoje.
Muitas razões são dadas para esta insistência na nudez ritual.
Alguns Wiccanos declaram que um corpo vestido não consegue
emitir o poder pessoal tão eficientemente quanto um corpo nu, para
em seguida dizer que, quando necessário, rituais vestidos
praticados em ambientes fechados são tão eficazes quanto rituais
nus ao ar livre.
Mesmo vestidos, os Wiccanos produzem magia tão eficaz quanto a
produzida por Wiccanos nus. As vestimentas não constituem
barreira para a transferência de poder. Mas nudez é sempre
preferível.
Uma explicação mais convincente sobre a nudez ritual na Wicca é a
de que ela é usada por seu valor simbólico: a nudez mental,
espiritual e física diante da Deusa e do Deus simboliza a
sinceridade e a abertura do Wiccano. A nudez ritual era prática de
muitas religiões antigas e pode ser encontrada em áreas distintas
do globo, portanto não é uma idéia nova, apenas para alguns
ocidentais.
Apesar de muitos covens insistirem na nudez ritual, não é preciso
preocupar-se com isso. Como praticante solitário, a escolha é sua.
Se não se sentir bem quanto à nudez ritual, mesmo que
privadamente, não a pratique. Existem muitas opções.
Vestes especiais, como robes e tabardos, são razoavelmente
populares entre alguns Wiccanos. Várias são as razões para o uso de
robes, uma das quais é a de que vestir-se com trajes utilizados
apenas para a prática de magia confere uma atmosfera mística a
tais rituais e altera sua consciência para os procedimentos que se
seguem, promovendo, assim, a consciência ritual.
As cores são também utilizadas por suas vibrações específicas. A
lista a seguir é uma boa amostragem de cores para robes. Se
estiver especialmente interessado em magia com ervas, ou praticar
rituais concebidos para interromper a proliferação de usinas e
armas nucleares, utilizo uma túnica verde para ligar meus rituais à
energia da Terra. Robes específicos podem ser confeccionados e
utilizados por pessoas habilidosas para certos encantamentos ou
ciclos de encantamentos, de acordo com as descrições abaixo.
Amarelo é uma cor excelente para aqueles envolvidos em
adivinhação.
Roxo é favorável aos que trabalham com o poder divino puro
(magos) ou que desejam aprofundar sua consciência espiritual
acerca da Deusa e do Deus.
Azul é indicado para curandeiros e para os que trabalham com sua
consciência psíquica ou para sintonizar-se com a Deusa em Seu
aspecto oceânico.
Verde fortalece os herbalistas e os ecologistas mágicos.
Marrom é usado por aqueles com ligações com os animais ou que
lançam encantamentos por eles.
Branco simboliza a purificação e a espiritualidade pura, sendo
também perfeito para a meditação e rituais de purificação. É
utilizado ainda em rituais da Lua Cheia, ou para acessar a Deusa.
Laranja ou Vermelho podem ser utilizados em Sabbats, para ritos
de proteção ou sintonizar-se com o Deus em seu aspecto Solar.
Preto é uma cor popular. Ao contrário das crenças populares, o
preto não simboliza o mal. É a ausência de cor. É uma matiz
protetiva e simboliza a noite, o universo e a ausência de falsidade.
Quando um Wiccano veste um robe preto, ele está vestindo a
escuridão do espaço - simbolicamente, a fonte suprema de energia
divina.
Se isto lhe parece muito complicado, simplesmente faça ou compre
um robe e utilize-o em todos os rituais.
Podemos encontrar desde robes simples, como uma saída de banho,
até alguns com gorros e bordados, como os de um monge, incluindo
as mangas largas, o que garante que pegarão fogo se próximas
demais a velas. Alguns Wiccanos vestem robes com gorros, para
isolar interferências externas e controlar os estímulos sensoriais
durante os rituais. É uma boa idéia para a magia e para a meditação,
mas não para os ritos religiosos da Wicca, durante os quais devemos
abrir-nos para a natureza, e não cortar nossas conexões com o
mundo físico.
Se não desejar utilizar tais trajes, não é capaz de confeccionar um
ou simplesmente não consegue encontrar ninguém que confeccione
um para você, utilize apenas roupas limpas de fibras naturais, como
algodão, lã ou seda. Desde que se sinta confortável com o que
esteja (ou não) trajando, tudo bem. Por que não provar para ver o
que lhe "cai" melhor?
Escolher e usar jóias rituais segue naturalmente a veste. Muitos
Wiccanos têm coleções de peças exóticas com desenhos religiosos
ou mágicos. Da mesma forma, amuletos e talismãs (objetos criados
para afastar ou atrair poderes) costumam ser utilizados como
joalheria ritual. Maravilhas como colares de âmbar e azeviche,
braceletes de prata ou ouro, coroas de prata incrustadas com luas
crescentes, anéis de esmeraldas e pérolas, até mesmo jarreteiras
rituais, equipadas com pequenas fivelas de prata, normalmente
fazem parte do aparato Wiccano.
Mas não é preciso adquirir ou confeccionar tais extravagâncias.
Seja simples. Se sentir-se bem usando uma ou duas peças de
joalheria durante rituais, tudo bem! Escolha desenhos com
crescentes, ankhs, estrelas de cinco pontas (pentagramas) e assim
por diante. Muitos fornecedores por correio vendem joalheria para
ocultismo. Se desejar reservar seu uso para rituais, tudo bem.
Muitos assim o fazem.
Sou constantemente perguntado se carrego sempre um bom
amuleto, uma jóia ou outro objeto de poder comigo. A resposta é
não.
Isto normalmente surpreende as pessoas, mas é parte de minha
Filosofia em magia. Se determino que uma peça de joalheria (um
anel, pingente, cristal etc.) é meu objeto de poder, meu elo com os
Deuses, minha certeza de boa sorte, ficaria arrasado se me
roubassem, se o perdesse, ou me separasse dele de algum modo.
Poderia dizer que o poder abandonou o objeto, que era uma
bobagem ou que teria sido tomado por seres superiores, ou que não
estava tão alerta quanto imaginava. Mesmo assim, ficaria arrasado.
Não é muito sábio depositar nossas esperanças, sonhos e energia
em objetos físicos. Isto representa uma limitação, um produto
direto do materialismo incutido em nós durante toda a nossa vida. É
muito fácil dizer: "Não consigo fazer nada desde que perdi meu
colar de selenita da sorte." É tentador pensar: "Nada mais deu
certo desde que meu anel do Deus Cornudo desapareceu."
O que não é fácil de perceber é que todo o poder e sorte de que
precisamos está no interior de nós mesmos. Não está contido em
objetos externos, a não ser que assim o permitamos. Se fizermos
isso, estaremos propensos a perder essa parte de nossa força
pessoal e boa sorte, algo que não faria conscientemente.
Objetos de poder e jóias rituais podem sem dúvida simbolizar a
Deusa e o Deus, assim como nossas próprias habilidades. Mas creio
que não devemos deixar que sejam mais do que isso.
Ainda assim, eu possuo algumas peças (um pentagrama de prata,
uma imagem da Deusa, uma ankh egípcia, um anzol havaiano que
simboliza o deus Maui) que por vezes uso em rituais. A utilização de
tais objetos ativa nossa mente e produz o estado de consciência
necessário para um ritual eficaz.
Não estou dizendo que o poder não deva ser enviado para objetos:
na verdade, este é o modo pelo qual são feitos talismãs e amuletos
com cargas mágicas. Simplesmente prefiro não fazer isso com jóias
rituais e pessoais.
Certos objetos naturais, como cristais de quartzo, são usados para
atrair sua energia para dentro de nós com a finalidade de efetuar
mudanças específicas. Este tipo de "objeto de poder" é um bom
auxílio à energia pessoal - mas é perigoso confiar exclusivamente
nele.
Se o uso de certas peças cria um estado mágico, ou de uma imagem
da Deusa ou um de Seus símbolos sagrados faz com que se sinta
mais próximo d’Ela, tudo bem.
Seu objetivo, contudo, deverá ser a habilidade de sintonizar-se
constantemente com o mundo oculto que nos rodeia e a realidade da
Deusa e do Deus, mesmo em meio às mais devastadoras e aviltantes
atitudes humanas.
Assim, agora já está banhado, vestido, enfeitado e pronto para o
ritual. Mais alguma consideração? Sim, uma importante - companhia.
Você deseja cultuar os Antigos Deuses da Wicca em particular, ou
com outros? Se possuir amigos interessados, pode convidá-los para
juntarem-se a você.
Em caso contrário, não há problema. Rituais solo são normais ao se
iniciar nas tradições da Wicca. A presença de pessoas com idéias
semelhantes é ótima, mas também pode ser inibitiva.
Há certos rituais nos quais não deve haver outras pessoas. Uma
inesperada visão da lua cheia por entre as nuvens pede por alguns
momentos de silêncio e sintonia, uma invocação ou meditação. Estes
são rituais compartilhados com a Deusa e com o Deus apenas. As
Deidades não permanecem em cerimônias; são tão imprevisíveis e
voláteis quanto a própria Natureza.
Se desejar unir-se a amigos para seus rituais, faça-o apenas com
aqueles realmente sintonizados com suas concepções sobre a Wicca.
Penetras e pensamentos fugidios nada acrescentarão ao seu
progresso dentro da Wicca.
Acautele-se também quanto ao interesse por amor - o namorado ou
namorada, marido ou esposa, que se interessam apenas porque você
está interessado. Podem parecer genuínos, mas após algum tempo
você perceberá que não estão contribuindo para os rituais.
Há muitos aspectos maravilhosos em trabalhos de covens: já os
experimentei. Grande parte do que a Wicca tem de melhor pode ser
encontrado num bom coven (e o que há de pior, num mau coven), mas
a maioria das pessoas não consegue contatar um coven. Podem
também não possuir amigos com o mesmo interesse de praticar
Wicca com eles. Este é o motivo pelo qual escrevi este livro para
praticantes solitários. Se desejar, continue buscando um instrutor
ou coven com o qual treinar enquanto trabalha este e outros guias
de Wicca. Quando encontrar alguém, será capaz de abordá-lo com
um conhecimento prático da Wicca obtido por meio de sua própria
experiência, e não meramente de livros.
Apesar da ênfase dada às iniciações e ao trabalho em grupo na
maioria dos livros sobre Wicca, praticantes solitários não devem
ser vistos como artigos de Segunda categoria. Há muito mais
indivíduos cultuando Os Antigos hoje do que membros de covens, e
um número surpreendente destes trabalha só por opção. Com
exceção de alguns encontros de grupo que freqüento anualmente,
sou um deles.
Nunca se sinta inferior por não trabalhar sob a orientação de um
instrutor ou coven estabelecido. Não se preocupe quanto a não ser
reconhecido como um verdadeiro Wiccano. Tal reconhecimento é
importante apenas perante os olhos dos que o recebem ou que o
fazem; fora isso, não vale nada. Você só precisa se preocupar em
satisfazer a si próprio e desenvolver um relacionamento com a
Deusa e com o Deus. Esteja à vontade para elaborar seus próprios
rituais. Livre-se das algemas do conformismo rígido e da noção de
"livros revelados" que devem ser seguidos à exaustão. A Wicca é
uma religião em desenvolvimento. O amor pela natureza, pela Deusa
e pelo Deus é sua essência, e não tradições eternas e ritos antigos.
Não estou dizendo que a Wicca tradicional não é boa. Longe disso.
Na verdade, recebi iniciação em várias tradições Wiccanas, cada
uma com seus próprios rituais de iniciação, Sabbats e Esbats (ver
Capítulo 8. Dias de Poder), nomes para a Deusa e para o Deus,
lendas e conhecimento de magia. Mas após receber tais "segredos"
percebi que todos são iguais, e os maiores segredos de todos
estavam à disposição de qualquer um que vê a natureza como uma
manifestação da Deusa e do Deus.
Cada tradição (expressão) da Wicca, seja passada de mão em mão
seja praticada intuitivamente, é semelhante à pétala de uma flor.
Nenhuma pétala é a totalidade; todas são necessárias à existência
da flor. A trilha solitária é tão parte da Wicca quanto qualquer
outra.

Capítulo 7 - O Círculo Mágico e o Altar
O círculo, círculo mágico ou esfera é um templo bem definido,
embora não-físico. Atualmente, na Wicca, rituais e trabalhos de
magia acontecem dentro de tais construções de poder pessoal.
O círculo mágico tem origem antiga. Versões dele eram utilizadas na
velha magia babilônica. Magos cerimoniais da Idade Média e da
Renascença também o utilizavam, bem como muitas tribos indígenas
americanas, apesar de o fazerem, provavelmente, por motivos
diferentes.
Há dois tipos principais de círculos mágicos. Aqueles utilizados por
magos cerimoniais antigos (e atuais) são criados para proteger o
mago das forças que ele gera. Na Wicca, o círculo é utilizado para
criar um espaço sagrado no qual os humanos encontram a Deusa e o
Deus.
Na Europa pré-cristã, a maioria dos festivais religiosos do
paganismo acontecia ao ar livre. Eram celebrações ao Sol, à Lua, às
estrelas e à fertilidade da Terra. As pedras erguidas, círculos de
pedras, bosques sagrados e fontes cultuadas da Europa são
resquícios desses antigos dias.
Os ritos pagãos passaram ao ostracismo na época de sua proibição
pela nova e poderosa igreja. Nunca mais os prados ouviram as vozes
cantando os nomes dos deuses solares, e a lua passava sem
adoração pelos céus noturnos.
Os pagãos tornaram-se reservados quanto a seus ritos. Alguns os
praticavam ao ar livre somente sob a proteção da escuridão. Outros
adaptaram-nos a ambientes fechados.
Infelizmente, a Wicca herdou esta última prática. Entre muitos
Wiccanos, rituais a céu aberto constitui uma novidade, uma
agradável ruptura com os rituais domésticos. Chamo a esta
síndrome de "sala-de-estar de Wicca". Apesar de muitos Wiccanos
praticarem sua religião em ambientes fechados, o ideal é executar
os ritos ao ar livre, sob o Sol e a Lua, em locais silvestres e
isolados, longe do assédio dos humanos.
Tais ritos Wiccanos são difíceis de praticar hoje. Os rituais
tradicionais da Wicca são complexos e normalmente requerem um
grande número de instrumentos. Privacidade é também algo difícil
de obter, além do simples medo de ser visto. Por que ter medo?
Há adultos tidos como responsáveis e inteligentes que nos
prefeririam ver mortos do que praticando nossa religião. Tais
"cristãos" são minoria, mas certamente existem, e mesmo hoje os
Wiccanos são vítimas de agressões psicológicas e violência física
nas mãos dos que não compreendem sua religião.
Não permita que isto o assuste. Os rituais podem ser praticados ao
ar livre, se forem adaptados para atrair o mínimo de atenção.
Vestir-se com um robe preto encapuzado, enquanto mexe um
caldeirão e manuseia facas no ar no meio de um parque público não é
o melhor meio de evitar ser notado.
Roupas comuns são aconselháveis em rituais ao ar livre em áreas
onde possa ser visto. Podemos utilizar instrumentos, mas lembre-se
de que estes são acessórios, não necessidades. Deixe-os em casa se
sentir que podem trazer problemas.
Em 1987, numa viagem a Maui, acordei-me ao nascer do sol e
caminhei até a praia. O Sol estava apenas nascendo por detrás de
Haleakala, tingindo o oceano de rosa e vermelho. Caminhei pela
areia coral até um ponto onde a água morna batia em rochas
vulcânicas.
Lá, depositei uma pequena pedra na areia em honra às antigas
deidades havaianas. Sentado diante dela, abri-me à presença das
deusas e deuses ao meu redor. A seguir, caminhei pelo mar e atirei
uma plumeria lei à água, oferecendo-a a Hina, Pele, Laka, Kane,
Kanaloa e todos os seus semelhantes.
Não pronunciei longos textos nem ergui instrumentos ao ar. Ainda
assim, as deidades lá estavam, por toda a parte, enquanto as ondas
quebravam contra minhas pernas e a aurora rompia por completo
sobre o antigo vulcão, tocando o mar com uma luz esmeralda.
Rituais ao ar livre como este podem ser mil vezes mais eficazes por
serem ao ar livre, e não numa sala repleta de aço e plástico e as
engenhocas de nossa era tecnológica.
Quando não forem possíveis (o clima é certamente um fator), os
Wiccanos transformam suas salas e quartos em locais de poder.
Fazem-no ao criar um espaço sagrado, um ambiente mágico no qual
as deidades são acolhidas e celebradas, e no qual os Wiccanos se
dão conta dos aspectos da Deusa e do Deus interior. Pode-se
também praticar magia nesse espaço. Esse espaço sagrado é o
círculo mágico.
É praticamente um pré-requisito para trabalhos em ambientes
fechados. O círculo define a área ritual, retém o poder pessoal,
isola energias perturbadoras - em suma, cria uma atmosfera
apropriada para os ritos. Permanecer dentro de um círculo mágico,
observando o brilho das velas no altar, aspirando o perfume do
incenso e entoando antigos nomes é uma maravilhosa experiência
evocativa. Quando corretamente formado e visualizado, o círculo
mágico executa sua função de aproximar-nos da Deusa e do Deus.
O círculo é construído com poder pessoal o qual é sentido (e
visualizado) saindo do corpo, através do punhal mágico (athame), e
rumo ao ar. Quando completo, o círculo é uma esfera de energia que
engloba toda a área de trabalho. A palavra círculo é equivocada:
uma esfera de energia é o que realmente se cria. O círculo
simplesmente assinala o anel onde a esfera toca a terra (ou o chão)
e continua através dela para formar a outra metade.
Algum tipo de marcação é feito no solo para mostrar onde o círculo
secciona a Terra. Pode ser um barbante que forme um círculo, um
leve círculo riscado com giz, ou objetos depositados de modo a
indicar seus limites. Estes podem ser flores (ideais para ritos de
primavera e verão); ramos de pinho (festivais de inverno); pedras ou
conchas; cristais de quartzo e até mesmo cartas de tarô. Use
objetos que ativem sua imaginação e estejam em sintonia com o
ritual. (Ver Capítulo 13. Planejamento de Rituais.)
O círculo tem normalmente nove pés de diâmetro, pois nove é o
número da Deusa, se bem que qualquer medida confortável é aceita.
Os pontos cardeais são em geral assinalados com velas ou com os
instrumentos rituais a eles correspondentes.
O pentagrama e um pote com sal ou terra podem ser colocados no
Norte. Este é o domínio da terra, o elemento estabilizador, fértil e
nutritivo que é a base dos outros três.
DEUSA OS DOIS DEUS
Simbolização das áreas divinas de um altar
O incensário com incenso fumegante é atribuído ao Leste, lar do
elemento intelectual, o Ar. Flores frescas ou incenso de varetas
também podem ser usados. O Ar é o elemento da mente, da
comunicação, do movimento, da adivinhação e da espiritualidade
ascética.
Ao Sul, uma vela normalmente representa o Fogo, o elemento da
transformação, da paixão e da mudança, do sucesso, da saúde e da
força. Uma lâmpada a óleo ou um pedaço de lava vulcânica também
pode ser utilizado.
Um cálice ou pote de água pode ser depositado no Oeste do círculo
para representar a Água, o último dos quatro elementos. A Água é o
domínio das emoções, da mente psíquica, do amor, da cura, da
beleza e da espiritualidade emocional.
Alternativamente, esses quatro objetos podem ser depositados
sobre o altar, em posições correspondentes às direções e aos seus
atributos elementais.
Uma vez que o círculo esteja formado ao redor do espaço de
trabalho, tem início o ritual. Durante os trabalhos de magia, o ar
dentro do círculo pode ficar desconfortavelmente quente e fechado
- o ar de fato fica diferente do mundo externo, carregado com a
energia e vivo com o poder.
O círculo é um produto da energia, uma construção palpável, a qual
pode ser sentida e percebida com experiência. Não é meramente um
anel de flores ou barbante, mas uma barreira sólida, viável.
De acordo com a Wicca, o círculo representa a Deusa, os aspectos
espirituais da natureza, fertilidade, infinidade, eternidade.
Simboliza ainda a própria Terra.
O altar, com os instrumentos, fica no centro do círculo. Pode ser
feito de qualquer material, apesar de a madeira ser melhor.
Recomenda-se especialmente o carvalho, devido a seu poder e
força, assim como o salgueiro, sagrado para a Deusa.
A Wicca não acredita que a Deusa e o Deus habitem o altar em si. É
um local de poder e magia, mas não é sacrossanto. Apesar de o altar
ser normalmente preparado e desmontado para cada ritual mágico,
alguns Wiccanos também possuem altares permanentes. Seu altar
pode tornar-se um desses.
O altar é por vezes redondo, para representar a Deusa e a
espiritualidade, apesar de também poder ser quadrado,
simbolizando os quatro elementos. Pode ser nada mais do que uma
área no chão, uma caixa de papelão coberta com um pano, dois
blocos com uma tábua sobre eles, uma mesa de café, um velho toco
de uma ámore há muito cortada ou uma pedra grande e plana.
Durante rituais a céu aberto, um fogo pode substituir o altar.
Incenso em varetas pode ser utilizado para delinear o círculo. Os
instrumentos usados são os poderes da mente.
Os instrumentos da Wicca são normalmente distribuídos sobre o
altar num padrão agradável. Em geral, o altar é montado no centro
do círculo, de frente para o Norte. O Norte é a direção do poder. É
associado à Terra, e uma vez que esta é nossa morada podemo-nos
sentir mais confortáveis com este alinhamento. Alguns Wiccanos
também montam seus altares voltados para o Leste, onde o Sol e a
Lua surgem.
O lado esquerdo do altar é geralmente dedicado à Deusa. Seus
instrumentos sagrados são ali depositados: o cálice, o pentagrama, o
sino, os cristais e o caldeirão. Pode-se, ainda, colocar uma imagem
da Deusa ali, e também apoiar uma vassoura no lado esquerdo do
altar.
Se não conseguir encontrar uma imagem apropriada da Deusa (ou se
simplesmente não o quiser), pode substituí-la por uma vela verde,
prata ou branca. O caldeirão, por vezes, também é colocado no
chão, ao lado do altar, se for grande demais para ficar em cima
dele.
No lado direito, a ênfase é no Deus. Uma vela vermelha, amarela ou
dourada, ou ainda uma figura apropriada é ali colocada, assim como
o incensário, o bastão, o athame (punhal mágico) e o punhal de cabo
branco.
Flores podem ser colocadas no meio, talvez num vaso ou num
pequeno caldeirão. Outra possibilidade é colocar o incensário no
centro, para que a fumaça seja oferecida tanto para a Deusa como
para o Deus, e o pentagrama pode ser posicionado diante do
incensário.
Símbolo ou Vela da Deusa
Os dois Símbolo ou vela do Deus
Incensário
Pote de Água Vela Vermelha Pote de Sal
Taça Pentagrama Incenso
Bastão Caldeirão ou material Punhal
para o encantamento (Athame)
Sino Bolline
Disposição sugerida para o Altar

Alguns Wiccanos seguem um planejamento de altar mais primitivo,
mais voltado para a natureza. Para representar a Deusa, uma pedra
redonda (perfurada, se disponível), uma bonequinha de milho ou uma
concha do mar funcionam a contento. Cones de pinho, pedras
afiadas e bolotas de carvalho podem ser usados para representar o
Deus. Use sua imaginação ao montar o altar.
Se estiver trabalhando magia dentro do círculo, leve todos os itens
necessários para dentro dele antes de iniciar, no altar ou sob este.
Nunca se esqueça de Ter fósforos à mão, bem como um pequeno
recipiente no qual depositar os fósforos utilizados (não é adequado
atirá-los no incensário ou no caldeirão).
Apesar de podermos colocar imagens da Deusa e do Deus, não
somos idólatras. Não acreditamos que uma tal estátua ou pilha de
pedras realmente seja a deidade representada. E, apesar de
reverenciarmos a natureza, não cultuamos árvores ou pedras ou
aves. Simplesmente nos deleitamos com as manifestações das
forças criativas universais - a Deusa e o Deus.
O altar e o círculo mágico no qual ele fica é uma construção pessoal
e deve ser de seu agrado. Meu primeiro mestre de Wicca preparava
altares elaborados adequados à ocasião - se não pudéssemos
praticar ao ar livre. Para um rito da Lua Cheia, ele cobriu o altar
com cetim branco, colocou velas brancas em suportes de cristal, um
cálice de prata, rosas brancas e folhagens brancas. Um incenso
composto de rosas brancas, sândalo e gardênia flutuava pelo ar. O
altar resplandecente inundava o ambiente com energias lunares.
Nosso ritual aquela noite é algo a ser lembrado. Que assim seja o
seu.

Capítulo 8 - Dias de Poder
No passado, quando as pessoas viviam em conjunto com a natureza,
o passar das estações e os ciclos lunares da lua tinham um profundo
impacto em cerimônias religiosas. Por ser a Lua vista como um
símbolo da Deusa, cerimônias de adoração e magia aconteciam sob
sua luz. A chegada do inverno, as primeiras atividades da primavera,
o quente verão e a entrada do outono também eram marcadas por
rituais.
Os Wiccanos, herdeiros das religiões pré-cristãs da Europa, ainda
celebram a Lua cheia e observam as mudanças das estações. 0
calendário religioso Wiccano possui treze celebrações de Lua Cheia
(esbats) e oito Sabbats, ou dias de poder.
Quatro desses dias (ou melhor, noites) são determinados pelos
solstícios e equinócios, o início astronômico das estações. Traços
deste antigo costume ainda são encontrados no Cristianismo. A
Páscoa por exemplo é celebrada no Domingo que se segue à primeira
lua cheia após o equinócio de primavera no hemisfério norte, uma
maneira bem pagã de organizar ritos religiosos. Os outros quatro
rituais baseiam-se em antigos festivais folclóricos (e, de certo
modo, aqueles do Oriente Médio). Os rituais estruturam e ordenam
o ano Wiccano, além de nos lembrar do infinito ciclo que perdurará
muito depois que partirmos.
Quatro dos Sabbats - talvez os que há mais tempo são observados -
eram provavelmente associados à agricultura e aos ciclos
reprodutivos dos animais. São eles o Imbolc (2 de fevereiro),
Beltane (30 de abril), Lughnasadh (1° de agosto) e Samhain (31 de
outubro). Estes são nomes celtas, muito comuns entre os Wiccanos,
apesar de existirem muitos outros. Essas datas referem-se ao
hemisfério norte, no Hemisfério sul as datas são:
Lammas - 2 de fevereiro
Samahain - 30 de abril
Imbolc - 1 de agosto
Beltane - 31 de outubro
Quando a observação cuidadosa do céu levou a um conhecimento
comum do ano astronômico, os solstícios e equinócios (por volta de
21 de março, 21 de junho, 21 de setembro e 21 de dezembro - as
datas corretas variam de ano para ano) foram incorporados à
estrutura religiosa.
Quem foram os primeiros a cultuar e gerar energia nesses
períodos? Esta questão não pode ser respondida. Entretanto, esses
dias e noites sagrados são a origem dos 21 rituais Wiccanos.
Versões altamente cristianizadas dos Sabbats também foram
preservadas pela igreja católica.
Os Sabbats são rituais solares, assinalando pontos no ciclo anual do
Sol, e constituem apenas metade do ano ritual Wiccano. Os Esbats
são as celebrações Wiccanas da Lua Cheia. Nesta data, nós nos
reunimos para cultuar Aquela Que É. Não que os Wiccanos omitam o
Deus nos Esbats - ambos são normalmente reverenciados em todas
as ocasiões.
Anualmente, ocorrem 12 a 13 Luas cheias, ou uma a cada 28 1/4
dias. A Lua é um símbolo da Deusa, bem como uma fonte de energia.
Assim, após os aspectos religiosos dos Esbats, os Wiccanos
costumam praticar magia, desfrutando do maior poder energético
que, crê-se, exista nesses períodos.
Alguns antigos festivais pagãos, desprovidos de suas qualidades
sagradas pelo domínio do cristianismo, se degeneraram. O Samhain
aparentemente pertence agora aos fabricantes de doces nos
Estados Unidos, enquanto o Yule foi transformado de um dos
sagrados dias pagãos num período de grosseiro comercial. Até
mesmo os ecos do nascimento de um salvador cristão são coaudíveis
diante do zumbido eletrônico das máquinas registradoras.
Mas a velha magia permanece nesses dias e noites, e os Wiccanos os
celebram. Rituais variam enormemente, mas todos se relacionam à
Deusa e ao Deus, e à nossa morada, a Terra. A maioria dos ritos
acontecem à noite, por motivos práticos assim como para criar
certo clima de mistério. Os Sabbats, sendo baseados no Sol, são
mais normalmente celebrados ao meio-dia ou na aurora, mas hoje
isto é raro.
Os Sabbats nos contam uma das estórias da Deusa e do Deus, de
sua relação e de seus efeitos sobre a fertilidade da Terra. Muitas
são as variações destes mitos, mas eis aqui um relativamente
comum, entrelaçado a descrições básicas dos Sabbats.
As descrições dos Sabbats feitas a seguir, seguem o calendário do
hemisfério norte, para nós que vivemos no hemisfério sul, as datas
devem ser adaptadas ao ciclo da natureza no Sul.
A Deusa dá à luz um filho, o Deus, no Yule (por volta de 21 de
dezembro). De modo algum isto é uma adaptação do cristianismo. O
solstício de inverno é há muito visto como um período de
nascimentos divinos. Diz-se que Mitras nasceu neste período. Os
cristãos simplesmente o adotaram a seu uso em 273 E. C. (Era
Comum).
O Yule é uma época de grande escuridão e este é o menor dia do
ano. Povos antigos notaram tais fenômenos e suplicaram às forças
da natureza que aumentassem os dias e diminuíssem as noites. Os
Wiccanos ocasionalmente celebram o Yule pouco antes da aurora, e
a seguir observam o nascer do sol como um final apropriado para
seus esforços.
Uma vez que o Deus é também o Sol, isto assinala o ponto do ano no
qual o Sol também renasce. Assim, os Wiccanos acendem fogueiras
ou velas para saudar o retorno da luz do Sol. A Deusa, inativa
durante o inverno de Sua gestação, repousa após o parto.
O Yule é remanescente de antigos rituais celebrados para acelerar
o fim do inverno e a fartura da primavera, quando os alimentos
voltavam a estar disponíveis. Para os Wiccanos contemporâneos, é
um lembrete de que o produto final da morte é o renascimento, um
pensamento reconfortante nestes dias de desassossego (ver
Capítulo 9. A Espiral do Renascimento).
O Imbolc (2 de fevereiro) assinala a recuperação da Deusa após dar
à luz o Deus. Os períodos mais longos de luz A despertam. O Deus é
um jovem desejoso, mas Seu poder é mais sentido nos dias mais
longos. O calor fertiliza a terra (a Deusa), fazendo com que as
sementes germinem e brotem. Assim ocorre o início da primavera.
Este é um Sabbat de purificação pelas forças renovadoras do sol,
após a vida reclusa do inverno. É também um festival de luz e
fertilidade, antigamente marcado na Europa por grandes queimas,
tochas e fogos de todas as formas. O fogo representa nossa
própria iluminação e inspiração, assim como a luz e o calor.
O Imbolc é também conhecido como festa das Tochas, Oimelc,
Lupercalia, Festa de Pã, Festival do Floco de Neve, Festa da Luz
Crescente, Dia de Brigit, e provavelmente muitos outros nomes.
Algumas Wiccanas seguem o antigo costume escandinavo de usar
coroas com velas acesas, mas muitos outros usam velas em suas
invocações.
Este é um dos períodos tradicionais para as iniciações em covens e
rituais de autodedicação (como o descrito no Capítulo 12), que
podem ser praticados ou renovados neste período.
Ostara (por volta de 21 de março), o Equinócio da Primavera, e
também conhecido como Ritos da Primavera e Dia de Eostra,
assinala o primeiro dia da real primavera. As energias da natureza
mudam subitamente do repouso do inverno para a exuberante
expansão da primavera. A Deusa cobre a terra com seu manto de
fertilidade, despertada de Seu repouso, enquanto o Deus se
desenvolve e amadurece. Ele caminha pelos campos a verdejar, e
delicia-se com a abundância da natureza.
No Ostara, as horas do dia e da noite são as mesmas. A luz está
ultrapassando a escuridão; a Deusa e o Deus impelem as criaturas
selvagens da Terra a reproduzir-se.
Este é um período de iniciar, de agir, de plantar encantamentos
para ganhos futuros, e de cuidar dos jardins rituais.
O Beltane (30 de abril) marca a chegada da virilidade do jovem
Deus. Agitado pelas energias em ação na natureza, Ele deseja a
Deusa. Eles se apaixonam, deitam-se entre a relva e os botões de
flores, e se unem. A Deusa fica grávida do Deus. Os Wiccanos
celebram o símbolo da fertilidade da Deusa em ritual.
O Beltane é há muito , celebrado com rituais e festas. Os Maypoles
(Mastros de Maio), ; símbolos fálicos supremos, eram o ponto
central dos rituais das antigas vilas inglesas. Muitas pessoas
acordavam na alvorada para colher flores e ramos verdes nos
campos e jardins, usando-os para decorar os Maypoles, seus lares e
a si mesmos.
As flores e folhas simbolizam a Deusa; o Maypole, o Deus. O
Beltane marca o retorno da vitalidade, da paixão e da consumação
das esperanças.
Os Maypoles são por vezes utilizados atualmente por Wiccanos
durante rituais do Beltane, mas o caldeirão é um ponto central mais
comum da cerimônia. Representa, obviamente, a Deusa - a essência
da feminilidade, o objetivo de todo desejo, o igual mas oposto do
Maypole, símbolo do Deus.
O Meio de Verão, o Solstício de Verão (por volta de 21 de junho),
também conhecido como Litha, chega quando as forças da natureza
alcançam seu ponto mais alto. A Terra está banhada pela fertilidade
da Deusa e do Deus.
No passado, pulava-se sobre fogueiras para estimular a fertilidade,
a purificação, a saúde e o amor. O fogo novamente representa o
Sol, celebrado neste período de dias mais longos.
O Meio do Verão é uma época clássica para magia de todos os tipos.
Lughnasadh (1° de agosto) é a época da primeira colheita, quando as
plantas da primavera murcham e derrubam seus frutos ou sementes
para garantir nosso consumo e para assegurar futuras safras.
Misticamente, também o Deus perde Sua força enquanto 0 Sol
nasce mais longe ao Sul a cada dia, e as noites tornam-se mais
longas. A Deusa observa entre lamento e regozijo ao perceber que o
Deus está morrendo, ao mesmo tempo que vive dentro dEla como
Seu filho.
Lughnasadh, também conhecido como Véspera de Agosto, Festa do
Pão, Lar da Colheita e Lammas, não é necessariamente observado
neste dia. Originalmente, coincidia com a primeira ceifada.
À medida que o verão passa, os Wiccanos recordam seu calor e
fartura no alimento que comemos. Cada refeição é um ato de
sintonia com a natureza, e somos lembrados de que nada no universo
é constante.
O Mabon (por volta de 21 de setembro), o equinócio de outono, é a
conclusão da colheita iniciada no Lughnasadh. Mais uma vez o dia e a
noite têm a mesma duração, equilibrados enquanto 0 Deus se
prepara para abandonar Seu corpo físico e iniciar a grande aventura
rumo ao desconhecido, em direção à renovação e ao renascimento
pela Deusa.
A natureza retrocede, recolhe sua fartura, preparando-se para o
inverno e seu período de repouso. A Deusa curva-se diante do Sol
que enfraquece, apesar do fogo que queima dentro de Seu útero.
Ela sente a presença do Deus mesmo enquanto Ele enfraquece.
No Samhain (31 de outubro), a Wicca se despede do Deus. É um
adeus temporário. Ele não está envolto em trevas eternas, mas
prepara-se para renascer pela Deusa no Yule.
Antigamente, o Samhain, também conhecido como Véspera de
Novembro, Festa dos Mortos, Festa das Maçãs, e Todos os Santos,
marcava um período de sacrifício. Em alguns lugares, esta era a
época de sacrifícios animais para assegurar comida durante as
profundezas do inverno. O Deus - identificado com os animais -
também tombava para garantir a continuidade de nossa existência.
Os Wiccanos vegetarianos talvez não aprovem este aspecto do
simbolismo do Samhain, mas é tradicional. Obviamente, não
sacrificamos animais em rituais. É uma simbologia da morte do
Deus.
O Samhain é um período de reflexão, de análise do ano que se finda,
de ajustar contas com o fenômeno da vida sobre o qual não
exercemos controle - a morte.
O wiccano sente que nesta noite a divisão entre as realidades
físicas e espirituais é estreita. Eles recordam seus ancestrais e
todos os que já se foram.
Após o Samhain, os Wiccanos celebram o Yule, completando assim o
ciclo do ano.
Certamente, há muitos mistérios enterrados aqui. Por que é o Deus
primeiro o filho e posteriormente o amante da Deusa? Isto não é
incesto, mas simbolismo. Na estória da agricultura (um dentre
muitos mitos Wiccanos), a constante alternância da fertilidade da
Terra é representada pela Deusa e pelo Deus. Este mito fala dos
mistérios do nascimento, da morte e do renascimento. Celebra os
maravilhosos aspectos e belos efeitos do amor, e honra as mulheres
que perpetuam nossa espécie. Também indica a grande dependência
que os homens têm em relação à Terra, ao Sol e à Lua, e os efeitos
das estações em nossa rotina.
Para povos agrícolas, o ponto principal deste ciclo mítico é a
produção de alimentos por meio da união entre o Deus e a Deusa. 0
Alimento - sem o qual todos morreríamos - está intimamente ligado
às deidades. Na verdade, os Wiccanos vêem a comida como mais
uma manifestação da energia divina.
Assim, ao observar os Sabbats, os Wiccanos sintonizam-se com a
Terra e com as deidades. Eles reafirmam suas raízes na Terra. A
prática de rituais nas noites de lua cheia também fortalece sua
conexão com a Deusa em particular.
O Wiccano sábio celebra os Sabbats e os Esbats, por serem estes
períodos de poder real e simbólico. Honrá-los de algum modo -
talvez com ritos semelhantes aos sugeridos no Livro de Sombras
das Pedras Erguidas - é parte integral da Wicca.
Capítulo 9 - A espiral do Renascimento.
Aparentemente, a reencarnação é, na atualidade, um dos mais
controversos tópicos da espiritualidade. Centenas de livros sobre o
tema são publicados, como se o mundo ocidental tivesse apenas
recentemente descoberto esta antiga doutrina.
A reencarnação é uma das mais valiosas lições da Wicca. A ciência
de que esta vida é apenas uma entre muitas, de que não deixamos
de existir quando o corpo físico morre, mas sim renascemos em
outro corpo, responde a um grande número de perguntas, mas gera
outras tantas.
Por quê? Por que reencarnamos? Assim como muitas outras
religiões, a Wicca ensina que a reencarnação é o instrumento pelo
qual nossas almas são aperfeiçoadas. Uma vida não basta para
atingir tal objetivo; portanto, a consciência (alma) renasce inúmeras
vezes, cada vida englobando um grupo diferente de lições, até que a
perfeição seja atingida.
É impossível determinar quantas vidas são necessárias para tanto.
Somos humanos e é fácil aderir a comportamentos nãoevolucionários.
A cobiça, a ira, os ciúmes, a obsessão e todas as
nossas emoções negativas inibem nosso crescimento.
Na Wicca, buscamos fortalecer nossos corpos, mentes e almas.
Certamente, vivemos vidas terrenas plenas e produtivas, mas
tentamos fazê-lo sem prejudicar ninguém, numa antítese à
competição, à intimidação e à busca pelo primeiro lugar.
A alma não tem idade, sexo ou físico, possuindo a centelha divina da
Deusa e do Deus. Cada manifestação da alma (por exemplo, cada
corpo que habita a Terra) é diferente. Não existem dois corpos ou
vidas exatamente iguais. Não fosse assim, a alma estagnaria. Sexo,
raça, local de nascimento, classe econômica e todas as outras
individualidades da alma são determinadas por suas ações em vidas
passadas e pelas lições necessárias à vida presente.
Isto é de suma importância para o pensamento Wiccano: nós
decidimos o desenrolar de nossas vidas. Não há deus, maldição,
força misteriosa ou destino sobre o qual possamos atirar a
responsabilidade pelos fatos de nossas vidas. Nós decidimos o que
precisamos aprender para evoluir e, então, espera-se, durante essa
reencarnação, trabalharmos em busca desse progresso. Caso
contrário, regressamos às trevas.
Existe um fenômeno que atua como auxiliar no aprendizado das
lições de cada existência, o qual é chamado de carma. O carma e
geralmente mal-compreendido. Não é um sistema de recompensas e
punições, mas sim um fenômeno que orienta a alma em direção a
ações evolutivas. Destarte, se uma pessoa pratica ações negativas,
receberá ações negativas em troca. O bem atrai o bem. Com isto em
mente, sobram poucos motivos para praticar atos negativos.
Carma significa ação, e é desta forma que atua. Como uma
ferramenta, não uma punição. Não há como "apagar" o carma, assim
como nem todos os eventos aparentemente terríveis de nossas
vidas são um subproduto do carma.
Só aprendemos com o carma quando temos ciência dele. Muitos
buscam em suas vidas passadas a descoberta de seus erros, para
solucionar os problemas que estão inibindo seu progresso nesta
vida. Técnicas de transe e meditação podem ser úteis, mas o
verdadeiro autoconhecimento é o melhor meio para atingir este fim.
A regressão a vidas passadas pode ser perigosa, pois envolve uma
grande carga de autodesilusão. É impossível contabilizar quantas
Cleópatras, Reis Artur, Merlins, Marias, Nefertitis e outras
pessoas famosas do passado já encontrei por aí usando tênis e
jeans. Nossas mentes conscientes, que buscam encarnações
passadas, agarram-se facilmente a esses ideais românticos.
Se isto é um problema; se não deseja conhecer suas vidas passadas,
ou não tem como fazê-lo, observe esta existência. Pode descobrir
qualquer dado relevante sobre suas vidas passadas ao observar esta
vida. Se solveu seus problemas em vidas passadas, estes não mais
lhe dizem respeito. Caso contrário, os mesmos problemas
ressurgirão; portanto, concentre-se nesta vida.
À noite, analise seus atos do dia, atentando tanto para ações e
pensamentos positivos, bem como para os negativos. Analise a
seguir a semana que se passou, o ano, a década. Consulte agendas,
diários ou antigas cartas em seu poder para refrescar sua memória.
Você continuamente comete os mesmos erros? Em caso positivo,
jure nunca mais repeti-los, num ritual concebido por você mesmo.
Em seu altar, você pode escrever tais erros num pedaço de papel.
Podem ser inclusas emoções negativas, medos, prazeres
desmedidos, permissão que outros controlem sua vida, intermináveis
obsessões amorosas para com homens/mulheres indiferentes a seus
sentimentos. Enquanto escreve, visualize-se agindo dessa forma no
passado, não no presente.
A seguir, acenda uma vela vermelha. Segure o papel sobre a chama e
atire-o num caldeirão ou em outro recipiente a prova de fogo. Grite
- ou simplesmente afirme para si mesmo - que tais ações do passado
não fazem mais parte de você. Visualize sua vida futura livre de tais
comportamentos nocivos, limitadores, inibidores. Repita o ritual
enquanto for necessário, talvez em noites de lua minguante, para
levar a cabo a destruição desses aspectos de sua vida.
Se ritualizar sua determinação em progredir nesta vida, seu
juramento liberará sua força. Quando sentir-se tentado a reincidir
em seus velhos modos de agir ou pensar, lembre-se do ritual e
sobreponha essa necessidade com seu poder.
O que acontece após a morte? Apenas o corpo fenece. A alma
sobrevive. Alguns Wiccanos dizem que ela viaja para um reino
conhecido como Terra das Fadas, Terra Brilhante e Terra dos
Jovens. Este reino não é nem o paraíso nem o Submundo.
Simplesmente, é - uma realidade não-física, muito menos densa que
a nossa. Algumas tradições da Wicca o descrevem como a terra de
verão eterno, com campos gramados e doces rios, talvez como a
terra antes do advento da raça humana. Outros o vem vagamente
como um local sem formas, onde fluxos de energia coexistem com
as energias maiores - a Deusa e o Deus em suas identidades
celestiais.
Diz-se que a alma revê a última vida, talvez de um modo misterioso,
com as deidades. Isto não é um julgamento, uma pesagem da alma
de um dada pessoa, mas sim uma revisão encarnatória. Lança-se luz
sobre as lições aprendidas ou ignoradas.
Após um período apropriado, quando as condições da Terra
estiverem favoráveis, a alma reencarna e reinicia-se a vida.
A pergunta final: o que ocorre após a última encarnação? Os
ensinamentos da Wicca foram sempre vagos quanto a isso.
Basicamente, os Wiccanos dizem que após subir a espiral da vida,
morte e renascimento, as almas que atingiram a perfeição liberamse
para sempre desse ciclo e coabitam com a Deusa e com o Deus.
Nada é desperdiçado. A energia residente em nossas almas retorna
à fonte divina da qual se originou.
Por aceitar a reencarnação, os Wiccanos não temem a morte como
um mergulho no esquecimento, com seus dias de vida terrena para
sempre perdidos no passado. A morte é vista como a porta para o
nascimento. Portanto, nossas próprias vidas estão simbolicamente
ligadas aos infindáveis ciclos das estações que moldam nosso
planeta.
Não tente forçar-se a acreditar na reencarnação. Conhecer é muito
superior a acreditar, pois o acreditar é próprio dos mal-informados.
Não é muito sábio aceitar uma doutrina importante como a
reencarnação sem estudá-la para saber se ela realmente lhe atrai.
Além disso, apesar de poderem existir fortes conexões com os que
amamos, acautele-se quanto à noção de almas companheiras, como,
por exemplo, pessoas que tenha amado em outras vidas e que você
esteja destinado a amar novamente. Por mais sinceros que seus
sentimentos e crenças possam ser, eles nem sempre se baseiam em
fatos. Durante o desenrolar de sua vida você pode encontrar cinco
ou seis pessoas com as quais sinta a mesma ligação, apesar de seu
envolvimento atual. Será que todas são almas gêmeas?
Uma das dificuldades deste conceito é a de que, se estamos todos
intrinsecamente ligados às almas de outras pessoas, ao
continuarmos a encarnar com elas não estaremos aprendendo
absolutamente nada. Assim, anunciar que encontrou sua alma
companheira tem o mesmo efeito de dizer que você não está
progredindo na espiral encarnacional.
Um dia você saberá, e não só acreditará, que a reencarnação é tão
real quanto uma planta que dá botões, floresce, espalha sua
semente, seca e gera outra planta à sua imagem. A reencarnação foi
provavelmente intuída pelos povos antigos quando estes observavam
a natureza.
Até que tenha chegado a uma conclusão própria, você pode desejar
refletir sobre e considerar a doutrina da reencarnação.

Capítulo 10 - Sobre a Iniciação
A maioria das religiões xamânicas e de magia utilizam algum tipo de
cerimônia de iniciação pela qual uma pessoa se torna um membro
reconhecido daquela religião, sociedade, grupo ou coven. Tais ritos
indicam também a nova direção que a vida do iniciado está tomando.
Muito tem sido feito, em público ou privativamente, sobre as
iniciações Wiccanas. Cada tradição da Wicca utiliza suas próprias
cerimônias de iniciação, as quais podem ou não ser reconhecidas por
outros Wiccanos. Num ponto, contudo, a maioria dos iniciados
concorda: uma pessoa só pode tornar-se um Wiccano se receber tal
iniciação.
Isto gera uma interessante pergunta: Quem iniciou o primeiro
Wiccano?
A maior parte das cerimônias de iniciação não passam de ritos que
marcam a aceitação da pessoa por um coven, e sua dedicação à
Deusa e ao Deus. Por vezes, o "poder é passado" do iniciador ao
noviço.
Para um não-Wiccano, a iniciação pode parecer um ritual de
conversão. Não é o caso. A Wicca não precisa de tais ritos. Não
condenamos as deidades com as quais nos sintonizávamos antes de
praticar a Wicca, nem precisamos voltar-lhes nossas costas.
A cerimônia (ou cerimônias, pois muitos grupos praticam três ritos
sucessivos) de iniciação são consideradas da mais alta importância
pelos grupos que ainda praticam rituais secretos. Certamente,
qualquer pessoa que deseje ingressar em um grupo do gênero deve
passar por uma iniciação, parte da qual consiste em jurar jamais
revelar seus segredos. Faz sentido, e é parte da iniciação de muitos
covens. Mas não é a essência da iniciação.
Muitas pessoas me disseram precisar urgentemente de iniciações
em Wicca. Parecem crer que não se pode praticar a Wicca sem este
selo de aprovação. Se você leu este livro até este ponto, já sabe que
isso não é verdade.
A Wicca foi, até por volta da década passada, uma religião fechada,
mas não o é mais. Os componentes internos da Wicca estão
disponíveis a quem quiser ler e tiver o discernimento necessário
para compreender o material. Os únicos segredos da Wicca são suas
formas individuais de ritos, encantamentos, nomes das deidades e
assim por diante.
Isto não lhe deve incomodar. Para cada ritual ou nome da Deusa
secreto na Wicca, existem dezenas (se não centenas) de outros
publicados e prontamente disponíveis. Atualmente, mais
informações sobre Wicca vêm sendo publicadas do que em qualquer
período anterior. Se a Wicca já foi uma religião secreta,
atualmente é uma religião de poucos segredos.
Mesmo assim, muitos ainda se prendem à noção de que a iniciação é
necessária, provavelmente acreditando que por esse ato mágico eles
receberão os segredos do universo e os poderes secretos. Para
piorar, alguns Wiccanos bitolados dizem que a Deusa e o Deus não
darão ouvidos a alguém que não seja membro de um coven portando
seu athame. Muitos pretensos Wiccanos pensam assim.
Mas não é assim que funciona.
A iniciação real não é um ritual praticado por um ser humano sobre
outro. Mesmo que aceite o conceito de que o iniciador esteja
imbuído em divindade durante a iniciação, ainda assim é apenas um
ritual.
Alguns grupos simplesmente escrevem seus Livros das Sombras
"secretos" e restringem o acesso a eles. Isto assegura, sem dúvida,
que sejam secretos, mas não mais antigos ou melhores que
quaisquer outros.
A iniciação é um processo, gradual ou instantâneo, de sintonia entre
o indivíduo e a Deusa e o Deus. Muitos Wiccanos admitem
prontamente que a iniciação ritual é apenas externa. A verdadeira
iniciação ocorre, geralmente, semanas ou meses depois ou antes do
ritual físico.
Sendo assim, a "verdadeira" iniciação Wiccana pode acontecer anos
antes de o estudante contatar um mestre ou coven de wicca. Seria
essa iniciação menos eficaz ou menos genuína porque tal pessoa não
passou por um ritual formal controlado por outro ser humano?
Obviamente que não.
Tenha certeza de que é bem possível experimentar uma verdadeira
iniciação Wiccana sem jamais Ter encontrado outra alma envolvida
com a religião. Você pode até não Ter ciência disso. Sua vida pode
mudar gradualmente de foco até que perceba estar notando as aves
e as nuvens. Você pode contemplar a lua em noites solitárias e falar
com plantas e animais. O pôr-do-sol pode gerar um período de
silenciosa contemplação.
Ou você pode mudar conforme as estações, adaptando a energia de
seu corpo à energia do mundo natural a seu redor. A deusa e o Deus
podem cantar em sua mente, e você pode praticar rituais antes
mesmo de se dar conta de que o está fazendo.
Quando os Modos Antigos tornarem-se parte de sua vida e sua
relação com a Deusa e com o Deus estiverem fortes, quando estiver
reunido seus instrumentos e praticado rituais e magia com prazer,
você estará realmente no espírito e terá direito de chamar a si
mesmo de "Wiccano".
Este pode ser seu objetivo, ou talvez deseje progredir mais, talvez
prosseguindo em sua busca por um instrutor. Tudo bem. Mas, se
nunca encontrar um, você terá a satisfação de saber que não ficou
sentado esperando que os mistérios caíssem em seu colo. Terá sim
desenvolvido as antigas magias e falado com a Deusa e com o Deus,
reafirmando seu compromisso com a Terra em busca
desenvolvimento espiritual, e transformado a falta de iniciação num
estímulo positivo para mudar sua vida e seus conceitos. Se contatar
um mestre ou coven, eles provavelmente o julgarão um estudante
digno de aceitação. Mas se descobrir que não se adapta ao estilo de
Wicca deles, ou se houver um confronto de personalidades, não
desanime. Você ainda possui a sua própria Wicca para retornar e
prosseguir em sua busca.
Este pode ser um caminho solitário, pois poucos de nós seguem os
Modos Antigos. É desanimador passar seu tempo reverenciando a
natureza e observar a Terra sendo sufocada por toneladas de
concreto enquanto os outros parecem não se importar.
Para contatar outros de mentalidade semelhante, você pode assinar
publicações Wiccanas e começar a se corresponder com outros
Wiccanos. Prossiga lendo novos livros sobre Wicca e sobre a Deusa
à medida que são publicados. Mantenha-se informado sobre o que
ocorre no mundo da Wicca. Registre e escreva novos rituais e
encantamentos. A Wicca não deve estagnar-se jamais.
Muitos desejam formalizar sua vida dentro da Wicca com uma
cerimônia de auto-iniciação. Incluí uma na Seção II para os que
sentem essa necessidade. Novamente, é apenas um dos modos de
fazer isso. Improvise se desejar.
Se decidir convidar amigos e pessoas interessadas em unir-se em
seus ritos, não permita que fiquem afastados e assistam enquanto
você brinca de "sacerdotisa" ou "bruxa". Envolva-os. Torne-os parte
dos ritos e da magia. Use sua imaginação e sua experiência prática
para integrá-los a seus rituais.
Quando sentir um incomensurável prazer ao observar o pôr-do-sol
ou o surgir da lua, quando vir a Deusa e o Deus em árvores ao longo
de montanhas ou em regatos correndo entre campos, quando sentir
o pulsar das energias da Terra em meio a uma cidade barulhenta,
você terá recebido a verdadeira iniciação e estará conectado aos
antigos poderes e modos das deidades.
Alguns dizem: "Apenas um Wiccano pode criar um Wiccano." Eu digo
que apenas a Deusa e o Deus podem criar um Wiccano. Quem está
mais bem qualificado para tal?

Glossário
Incluí este glossário para criar acesso fácil a definições de alguns
dos termos mais obscuros utilizados neste livro.
São, obviamente, definições pessoais, uma reflexão de meu
envolvimento com a Wicca, e Wiccanos podem discordar em alguns
pontos menores. Isto é esperado, devido à estrutura individualista
de nossa religião. Entretanto, tentei fazer dele algo o mais
universal e imparcial possível.
Termos em itálicos no corpo de cada explicação referem-se a
outros verbetes relacionados neste glossário.
Adivinhação: a arte mágica de revelar o desconhecido por meio da
interpretação de padrões ou símbolos aleatórios em instrumentos
como nuvens, cartas de tarô, chamas, fumaça. A Adivinhação
contata a Mente Psíquica ao enganar ou iludir a Mente Consciente
mediante Rituais e a observação ou manipulação de instrumentos. A
Adivinhação não é necessária aos que atingem facilmente
comunicação com a mente psíquica, apesar de estes poderem
praticá-la.
Akasha: o quinto elemento, o poder espiritual onipresente que
permeia o universo. A energia que forma os elementos.
Amuleto: um objeto carregado magicamente que afasta energias
específicas, normalmente negativas. Em geral, um objeto de
proteção. (Compare a talismã.)
Antigos, Os: termo wiccano geralmente usado para englobar todos
os aspectos da Deusa e do Deus. Usei-o neste contexto no Livro de
Sombras das Pedras Erguidas. Alguns Wiccanos o vêem como uma
alternativa para Os Poderosos.
Arte A: Wicca. Bruxaria. Magia Popular.
Athame: uma faca ritual Wiccana. Normalmente possui uma lâmina
de dois fios e um cabo preto. O athame é utilizado para direcionar
Poder Pessoal durante Rituais. É raramente (quando o é) usado para
cortes reais, físicos. O termo é de origem obscura, possui muitas
variantes de grafia entre os Wiccanos e uma variedade ainda maior
de pronúncias. Wiccanos da costa leste americana podem pronunciálo
como "atâmi"; ouvi pela primeira vez como "átame" e depois
"atáme". Por diversos motivos, hoje por mim desconhecidos, decidi
substituir o termo "faca mágica" por athame no Livro de Sombras
das Pedras Erguidas. Qualquer termo, ou apenas "faca" serve.
Banquete Simples, O: uma refeição Ritual compartilhada com a
Deusa e com o Deus.
Beltane: festival Wiccano celebrado em 30 de abril ou 1° de maio no
hemisfério norte e entre 29 de outubro e 1 de novembro no
hemisfério sul (as tradições variam). É também conhecido como
Maio, Roodmas, Noite de Valpíirgis, Cethsamhain. O Beltane celebra
a união, o acasalamento ou o casamento simbólico da Deusa e do
Deus, e é associado aos meses vindouros do verão.
Besom: vassoura.
Bolline: o punhal de cabo branco, usado em rituais Wiccanos e de
magia com finalidade prática, como cortar ervas ou perfurar uma
romã. Comparar com athame.
Bonequinha de Milho: uma figura, normalmente com formato
humano, criada ao entrelaçar trigo ou outros grãos secos.
Representa a fertilidade da Terra e a Deusa em antigos rituais
agrícolas europeus e ainda é usada na Wicca. Bonequinhas de milho
não são feitas de sabugos ou palha de milho. A palavra milho
("corn") originalmente referia-se a qualquer grão, e ainda o é, em
muitos países de língua inglesa, com exceção dos Estados Unidos.
Bruxa: antigamente, um praticante europeu dos remanescentes da
magia popular pré-cristã, especialmente a associada a ervas, cura,
fontes, rios e pedras. Um praticante de Bruxaria. Depois, o
significado deste termo foi deliberadamente alterado para
designar seres dementes, perigosos, sobrenaturais que praticavam
magia destrutiva e ameaçavam o cristianismo. Esta foi uma mudança
política, monetária e sexista por parte da religião organizada, e não
uma alteração na prática das bruxas. Este equivocado significado
posterior ainda é aceito por muitos não-bruxos. Além disso, é,
surpreendentemente, usado por alguns membros da Wicca para
designarem-se a si mesmos.
Bruxaria: a arte da Bruxa (Witchcraft = witch, "bruxa" + craft,
"arte"). Magia, especialmente a que se utiliza do Poder Pessoal
aliado às energias contidas em pedras, emas, cores e outros objetos
naturais. Enquanto esta pode Ter nuances espirituais, a Bruxaria,
por esta definição, não é uma religião. Contudo, alguns seguidores
da Wicca usam este termo para designar sua religião.
Carregar: imbuir um objeto de Poder Pessoal. "Carregar é um ato de
magia".
Círculo de Pedras: ver Círculo Mágico.
Círculo Mágico: uma esfera criada com Poder Pessoal, na qual são
praticados rituais Wiccanos. O termo refere-se ao círculo que
demarca a penetração da esfera no solo, pois esta se estende tanto
acima como abaixo dele. Criado por meio da Visualização e da Magia.
Consciência Ritual: estado alterado de consciência específico,
necessário para a prática bem-sucedida de magia. O mago o atinge
por meio da visualização e do Ritual. Denota um estado no qual as
mentes Consciente e Psíquica estão harmonizadas, o mago sente as
energias, dá a elas propósito e as libera em direção ao objetivo
mágico. É uma elevação dos sentidos, uma expansão da consciência
para o mundo aparentemente não-físico, um elo com a natureza e
com as forças por trás dos conceitos de Deidade.
Coven: grupo de Wiccanos, geralmente iniciático e dirigido por um
ou dois líderes.
Dias de Poder: Ver Sabhat.
Elementos, Os: Terra, Ar, Fogo, Água. Essas quatro essências são
os alicerces do universo. Tudo que existe (ou que tem potencial para
existir) contém uma ou mais dessas energias. Os elementos vibram
em nosso interior e estão também "espalhados" pelo mundo. Podem
ser utilizados para gerar mudanças por meio da Magia. Os quatro
elementos foram formados a partir da essência ou poder
fundamental - Alhasha.
Encantamento: Ritual mágico, normalmente de natureza nãoreligiosa
e acompanhado de palavras vocalizadas.
Esbat: ritual wiccano, geralmente ocorrido na Lua Cheia.
Espíritos das Pedras, Os: energias elementais naturalmente
inerentes às quatro direções do Círculo Mágico, personificadas na
tradição das Pedras Erguidas como os "Espíritos das Pedras".
Associados aos Elementos.
Evocação: chamar espíritos ou outras entidades não-físicas, seja
para aparições visíveis ou invisíveis. Comparar com Invocação.
Fogueira: um fogo aceso com propósitos rituais, geralmente fora de
casa. Fogueiras são comuns durante o Yule, o Beltane e o Meio de
Verão.
Incensário: um recipiente à prova de fogo, no qual o incenso é
queimado. Simboliza o Elemento do Ar.
Iniciação: processo pelo qual um indivíduo é apresentado ou
admitido em um grupo, interesse, habilidade ou religião. Iniciações
podem constituir ocasiões rituais mas também podem ocorrer
espontaneamente.
Invocação: apelo ou pedido a uma força (ou forças) superior(es),
como a Deusa e o Deus. Uma oração. A invocação é na verdade um
método para estabelecer elos conscientes com os aspectos da
Deusa e do Deus existentes em nosso interior. Essencialmente,
portanto, podemos fazer com que apareçam ou se façam notar por
meio da tomada de consciência deles.
Imbolc: festival Wiccano celebrado em 2 de fevereiro no
hemisfério norte e em 01 de agosto no hemisfério sul, também
conhecido como Candelária, Lupercália, Festa de Pã, Festa das
Tochas, Festa da Luz Crescente, Oimelc, Dia de Brigit e muitos
outros nomes. O Imbolc celebra os primeiros sinais da primavera e
a recuperação da Deusa após dar à luz o sol (o Deus) no Yule.
Kahuma: praticante do antigo sistema filosófico, científico e mágico
do Havaí.
Livro de Sombras: um livro Wiccano de rituais, encantamentos e
magia. Antes copiado à mão na iniciação, é atualmente fotocopiado
ou datilografado em alguns covens. Não existe um Livro de Sombras
"verdadeiro"; todos são relevantes para seus respectivos usuários.
Litha: o solstício de verão, geralmente em ou por volta de 21 de
junho no hemisfério norte e 21 de dezembro no hemisfério sul. Um
dos festivais Wiccanos e uma excelente noite para a prática de
Magia. Assinala o ponto do ano no qual o sol está simbolicamente no
ápice de seu poder, assim como o Deus. O dia mais longo do ano.
Lughnasadh: festival Wiccano celebrado em 1° de agosto, no
hemisfério norte e em 02 de fevereiro no hemisfério sul, também
conhecido como Véspera de Agosto, Lammas, Festa do Pão. Marca a
primeira colheita, quando os frutos da terra são colhidos e
armazenados para os meses escuros do inverno, e quando o Deus
também misteriosamente enfraquece à medida que os dias
encurtam.
Mabon: em ou por volta de 21 de setembro, no hemisfério norte e
21 de março no hemisfério sul no equinócio de outono, os Wiccanos
celebram a Segunda colheita. A natureza está se preparando para o
inverno. Mabon é um vestígio de antigos festivais de colheita, os
quais, de um modo ou outro, eram a um tempo praticamente
universais entre os povos da Terra.
Magia: o movimento das energias naturais (como o poder pessoal
para gerar as mudanças necessárias. A energia existe em todas as
coisas - nós, plantas, pedras, cores, sons, movimentos. A magia é o
processo de gerar ou aumentar essas energias, dando-lhes
propósito e liberando-as. A magia é uma prática natural, e não
sobrenatural, apesar de pouco compreendida.
Mal: aquilo que destrói a vida, é venenoso, destrutivo, ruim,
perigoso.
Mão Projetiva, A: a mão geralmente usada em atividades manuais
como escrever, descascar maçãs e discar telefones é
simbolicamente considerada o ponto pelo qual o Poder Pessoal é
enviado para fora do corpo. Em rituais, o poder pessoal é
visualizado como jorrando da palma ou dos dedos da mão com
diversos objetivos mágicos. É também a mão com a qual manuseamos
instrumentos como o Athame. Pessoas ambidestras simplesmente
escolhem que mão utilizar com este fim. Comparar com Mão
Receptiva.
Mão Receptiva: a mão esquerda em pessoas destras, o inverso para
canhotos. É a mão pela qual recebemos energia para nossos corpos.
Comparar com Mão Projetiva.
Meditação: reflexão, contemplação, voltar-se para dentro de si ou
na direção da Deidade ou da natureza. Período de quietude no qual o
praticante pode fixar-se em símbolos e pensamentos em particular
ou ainda permitir que estes surjam livremente.
Megalito: um enorme monumento ou estrutura de pedra.
Stonehenge talvez seja o mais conhecido exemplo de construções
megalíticas.
Menir: uma pedra erguida provavelmente por povos antigos com fins
religiosos, espirituais ou mágicos.
Mente Consciente: a metade analítica, material e racional de nossa
consciência. A mente que trabalha durante cálculos, enquanto
teorizamos ou lutamos com as idéias. Comparar a Mente Psíquica.
Mente Psíquica: o subconsciente ou inconsciente, pelo qual
recebemos impulsos psíquicos. A mente psíquica atua quando
dormimos, sonhamos e meditamos. É nosso contato direto com a
Deusa e com o Deus e o vasto mundo não-físico a nosso redor.
Outros termos correlatos: adivinhação é um processo ritual que se
utiliza da Mente Consciente para contatar a mente psíquica.
Intuição é um termo usado para descrever informações psíquicas
que atingem inesperadamente a mente consciente.
Neo-Pagão: literalmente, novo pagão. Membro, seguidor ou
simpatizante de uma das recentemente formadas religiões pagãs
que se espalham ao redor do mundo. Todos os Wiccanos são Pagãos,
mas nem todos os pagãos são Wiccanos.
Ostara: Ocorrendo no equinócio de primavera, por volta de 21 de
março, no hemisfério norte e 21 de setembro no hemisfério sul
Ostara assinala o início da verdadeira primavera, astronômica,
quando o gelo e a neve abrem caminho ao verde. Assim, é um
festival de fogo e fertilidade, celebrando o retorno do sol, do Deus
e da fertilidade da Terra (a Deusa).
Pagão: do latim paganus, morador do campo. Usado nos dias atuais
como termo genérico para os seguidores da Wicca e de outras
religiões mágicas, xamanísticas e politeístas. Naturalmente, os
cristãos têm sua própria definição para esta palavra. Pode ser
substituída por neo pagão.
Pêndulo: aparelho divinatório que consiste em um cordão preso a um
objeto pesado, como um cristal, uma raiz ou um anel. A ponta solta
do cordão é segura com a mão, com o cotovelo apoiado em uma
superfície plana e uma pergunta é lançada. O movimento do objeto
pesado determina a resposta. Uma rotação indica sim, ou energia
positiva. Um balançar de um lado a outro indica o oposto. (Há muitos
métodos para decifrar os movimentos de um pêndulo; utilize os que
se adequarem melhor.) É um instrumento que acessa a Mente
Psíquica.
Pentagrama: objeto ritual (geralmente uma peça redonda de
madeira, metal, cerâmica etc.) com inscrição, pintura ou entalhe de
uma estrela de cinco pontas (pentagrama). Representa o Elemento
da Terra.
Poder da Terra: energia existente em pedras, ervas, chamas, vento
e outras coisas naturais. É o Poder Divino manifesto e pode ser
utilizado durante a Magia para originar as mudanças necessárias.
Compare com Poder Pessoal.
Poder Divino: a energia pura, não-manifesta, existente na Deusa e
no Deus. A força vital, a fonte primordial de todas as coisas.
Comparar com Poder da Terra e Poder Pessoal.
Poderosos, Os: seres, deidades ou presenças comumente invocadas
durante cerimônias Wiccanas para assistir ou proteger os rituais.
Os Poderosos são considerados seres espiritualmente evoluídos, que
já foram humanos, ou entidades espirituais criadas ou carregadas
pela Deusa e pelo Deus para proteger a Terra e cuidar das quatro
direções. Por vezes associados aos Elementos.
Poder Pessoal: energia que sustenta nossos corpos. Basicamente
originada da Deusa e do Deus (ou melhor, do Poder por trás destes).
Primeiro a absorvemos por meio de nossas mães biológicas dentro
do útero para, depois, obtemo-la a partir dos alimentos, da água, da
lua e do sol e de outros objetos naturais. Liberamos poder pessoal
durante o stress, exercícios, sexo, gravidez e parto. A magia é
geralmente um movimento de poder pessoal para um Fim específico.
Polaridade: o conceito de energias iguais, opostas. O yin/yang
oriental é um exemplo perfeito. Yin é frio, yang é quente. Outros
exemplos de polaridades: Deusa/Deus, noite/dia, lua/sol,
nascimento/morte, luz/trevas, Mente Psíquica/Mente Consciente.
Equilíbrio universal.
Psiquismo: o ato de estar conscientemente psíquico, no qual a Mente
Psíquica e o Consciente estão ligados e trabalhando em harmonia. A
Consciência Ritual é uma forma de psiquismo.
Punhal de Cabo Branco: faca de corte normal, com lâmina afiada e
cabo branco. Usada na Wicca para cortar ervas e frutas, fatiar pão
no Banquete Simples e para outras funções - mas jamais para
sacrifícios. Por vezes chamada de Bolline. Compare com Athame.
Punhal Mágico: ver Athame.
Ritual: cerimônia. Forma específica de movimentos, manipulação de
objetos ou processos internos criados para produzir efeitos
desejados. Na religião, rituais são praticados visando à união com o
divino. Na Magia eles produzem um estado específico de consciência
que permite ao mago mover energia em direção a objetivos
necessários. Um Encantamento é um ritual de magia.
Runas: figuras em varetas, algumas das quais são remanescentes
dos antigos alfabetos teutônicos. Outras são criptográficas. Esses
símbolos estão outra vez sendo amplamente utilizados em Magia e
Adivinhação.
Sabbat: um festival Wiccano. Ver Beltane, Imbolc, Lughnasadh,
Mabon, Lith, Ostara, Samhain e Yule para descrições específicas.
Samhain: festival Wiccano celebrado em 31 de outubro, no
hemisfério norte e fins de abril no hemisfério sul também
conhecido como Véspera de Novembro, Halloween, Festa das Almas,
Festa dos Mortos, Festa das Maçãs. O Samhain marca a morte
simbólica do Deus Sol e Sua passagem para a "Terra dos Jovens",
onde aguardará pelo renascimento da Deusa Mãe no Yule. Esta
palavra celta é pronunciada pelos Wiccanos como "Sôuen" "Sú-uen";
"Sâm-háin"; "Sâmain", "Sávin" e outros modos (a pronúncia desta e
de outras palavras tenta obedecer às regras de pronúncia da língua
portuguesa, adaptadas aproximadamente pelo Tradutor). A primeira
parece ser a preferida pela maioria dos Wiccanos.
Talismã: objeto, como uma ametista ou um cristal, ritualmente
carregado com poder para atrair uma força ou uma energia
específica a seu portador. Compare com Amuleto.
Tradição Wiccana: subgrupo específico da Wicca, organizado e
estruturado, geralmente iniciático, com práticas rituais únicas.
Muitas tradições possuem seus próprios Livros de Sombras e
muitas podem não reconhecer membros de outras tradições como
Wiccanos. A maioria das tradições é composta por um número de
covens assim como por praticantes solitários.
Trilito: arco de pedra formado por duas pedras verticais com uma
terceira apoiada sobre estas. Trilitos são encontrados em
Stonehenge assim como na visualização do círculo no Livro de
Sombras das Pedras Erguidas.
Visualização: processo de formação de imagens mentais.
Visualização mágica consiste em formar imagens de objetivos
desejados durante Rituais. A visualização também é utilizada para
direcionar o Poder Pessoal e a energia natural durante a Magia com
várias finalidades, incluindo a carga e a formação do Círculo Mágico.
É função da Mente Consciente.
Wicca: religião pagã contemporânea, com raízes espirituais no
xamanismo e nas mais antigas expressões de reverência à natureza.
Entre seus principais motivos temos: reverência à Deusa e ao Deus;
reencarnação; magia; observação de rituais na Lua cheia, em
fenômenos astronômicos e agrícolas; templos esferóides, criados
com Poder Pessoal, em que ocorrem os rituais.
Xamã: homem ou mulher que obteve conhecimento das dimensões
mais sutis da Terra, normalmente mediante períodos de estados
alterados de consciência. Vários tipos de Rituais permitem ao xamã
romper o véu que separa o mundo físico do espiritual e assim
vivenciar o mundo das energias. Este conhecimento concede ao
xamã o poder de alterar seu mundo por meio da Magia.
Xamanismo: a prática dos xamãs, normalmente de natureza
ritualística ou mágica, por vezes religiosa.
Yule: um festival Wiccano celebrado em ou por volta de 21 de
dezembro, no hemisfério norte e 21 de junho no hemisfério sul
assinalando o renascimento do Deus Sol a partir da Deusa Terra.
Período de alegria e celebração durante a privação do inverno. O
Yule ocorre no solstício de inverno. No hemisfério norte ocorre
perto do Natal cristão, que incorporou seus símbolos

Nenhum comentário: